Evento acontece neste domingo(31), em São Paulo, e movimenta uma geração criativa vinda da periferia

Ouça o áudio ouDownload

Andreza Delgado, cofundadora da PerifaCon, destaca que a periferia não é só violência e o entretenimento está sempre em disputa - PerifaCon/Divulgação
O entretenimento está o tempo todo em disputa. É uma disputa pelo imaginário

A PerifaCon, a convenção nerd das favelas, será realizada no próximo domingo(31), na Fábrica de Cultura da Brasilândia, em São Paulo. É a primeira edição do encontro depois da pandemia. A promessa é de reunir toda cadeia produtiva do universo geek e pop para quebrar as barreiras entre este segmento e a periferia. 

"Existe muita potência criativa na quebrada, sabe? O entretenimento está o tempo todo em disputa. É uma disputa pelo imaginário. Tem uma disputa na cabeça das pessoas sobre o que a periferia é capaz de fazer", analisa Andreza Delgado, confundadora do evento. 

Andreza é a convidada da Entrevista Central, do programa Central do Brasil desta sexta-feira(29). Ela faz esta análise sobre o desenvolvimento de eventos nerds para a periferia, o atual cenário desse nicho da cultura e pontos importantes da programação do evento.

"A periferia não é esse lugar só de violência", afirma Andreza, realçando que um dos aspectos da convenção é garantir que as pessoas que moram na favela também tenham "direito à fantasia".  

E tem mais!

Além da entrevista com a Andreza, o programa Central do Brasil traz, no Trilhos do Brasil, o tradicional Giro de Solidariedade da sexta-feira, a atração do programa que destaca as ações e campanhas dos Movimentos Populares de distribuição de alimentos pelo país.

Nesta sexta-feira, tem um mutirão contra fome do Movimento de Pequenos Agricultores na Chapada Diamantina, na Bahia, e uma atividade AS PTA, na Paraíba, com doações de alimentos, itens de higiene e kit para garantir dignidade menstrual.

Na Parada Cultural, tem roda de samba, que acontece no domingo(31) em homenagem a sambista Jovelina Pérola Negra. No Embarque Imediato, o protesto dos trabalhadores dos Correios contra o método da negociação salarial adotado pela empresa. 

O programa Central do Brasil é exibido de segunda a sexta-feira, sempre às 19h45, pela Rede TVT, pelos canais do Brasil de Fato e por uma ampla rede de rádios educativas ou comunitárias espalhadas pelo país. 
 

Sintonize

Para acompanhar o Central do Brasil, basta sintonizar a TVT em uma antena digital, interna ou externa. Na grande São Paulo, o canal é o 44.1 (sinal digital HD aberto); na NET o canal é o 512 (NET HD-ABC); no UHF, a sintonia é 46; 13 na NET-Mogi; e Canal 12 na Vivo São Caetano do Sul.
A sintonia da Rádio Brasil Atual é 98,9 FM na Grande São Paulo. Também é possível acompanhar a programação radiofônica pelo site do Brasil de Fato.
Quem está fora de São Paulo, pode sintonizar a TVT com a parabólica, via satélite. É necessário direcionar a antena para StarOne C3 Freq: 3973 Mhz Pol: Vertical, DVB-s2; SR: 5000 FEC ¾. Confira mais informações neste link.
 

Edição: Afonso Bezerra

fonte: https://www.brasildefato.com.br/2022/07/29/existe-muita-potencia-na-quebrada-diz-cofundadora-da-perifacon-convencao-nerd-das-favelas

 


Violência contra as mulheres em dados

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

Importante Conhecer

Amazônia, querem te acabar

Artigos do Cfemea

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

Por que o aborto ainda não é um direito no Brasil?

aborto outras palavrasNo Dia de Luta pela Legalização do Aborto na América Latina, frente nacional feminista questiona o atraso. Uruguai, Argentina e México conquistaram avanços, mas país de Bolsonaro insiste em negar direito mulheres ao próprio corpo

nosso voto2

...