Para aumentar as capacidades de proteção e fortalecer a luta por direitos, a Justiça Global lança a 2ª edição atualizada do “Guia de Proteção para Defensoras e Defensores de Direitos Humanos”.

JG GUIA defensoras2O Guia de Proteção é o resultado de um longo trabalho da Justiça Global de pesquisa aplicada para fortalecer a atuação das defensoras e defensores de direitos humanos, especialmente, em situação de risco, ataques, ameaças e criminalização. Na primeira edição, lançada em 2016, buscamos apresentar de modo prático e didático conceitos e ferramentas metodológicas sobre estratégias de proteção, em uma perspectiva que se constitui em um instrumento em constante processo de aprimoramento. 

Nesta 2ª edição são tratadas as seguintes temáticas: Proteção Integral; Metodologia e Ferramentas; Cuidado; Especialidades e Proteção; Proteção Integral para organizações sociais, de direitos humanos e movimentos sociais e Comunicação Segura. Também foram revistas as estratégias de desmobilização usadas por Estados, empresas e outros perpetradores para silenciar e desqualificar defensores de direitos humanos. 

A conjuntura também tem desafiado as OSCs a aperfeiçoar a gestão e a segurança dos espaços físicos (sedes, escritórios, cooperativas, centros comunitários etc). Neste sentido, a Justiça Global desenvolveu uma matriz para a construção de “Políticas Institucionais de Proteção Integral”. O conceito de “Proteção Integral” compreende de forma – relacional – todas as dimensões das estratégias de proteção: física, psicossocial e de cuidado e comunicacional. Outra novidade, é o capítulo sobre “Cuidado”, nele são sistematizados alguns princípios e recomendações práticas e ainda uma “Matriz metodológica para uma oficina de cuidado e autocuidado”. 

Para Sandra Carvalho, integrante da Coordenação Colegiada da Justiça Global, “em um país, internacionalmente reconhecido como extremamente perigoso para a defesa dos direitos humanos e da democracia, o Guia é uma contribuição da Justiça Global para que organizações, movimentos sociais, militantes e ativistas de direitos humanos acessem informações que contribuam para que atuem de forma mais segura e fortalecida”. Um dos casos mais recentes e que chocou o mundo foi o assassinato do indigenista brasileiro Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips. Os dois foram brutalmente assassinados durante uma viagem pelo Vale do Javari, segunda maior terra indígena do Brasil, no extremo-oeste do Amazonas. Inúmeras outras defensoras e defensores, lideranças políticas, integrantes de movimentos sociais e jornalistas e comunicadores sofrem com constantes intimidações, ameaças, censuras e ataques físicos e virtuais. 

De acordo com a relatora especial da ONU sobre Defensores e Defensoras de Direitos Humanos, Mary Lawlor, em matéria publicada no site da ONU Brasil, entre 2015 e 2019, 1.323 defensores e defensoras de direitos humanos foram assassinados em todo o mundo. Desses, 166 eram mulheres e 174 eram brasileiras e brasileiros. Isso faz do Brasil o segundo país em que mais foram assassinados defensores e defensoras de direitos humanos, atrás apenas da Colômbia, com 397 casos.

Finalizando, Daniele Duarte, pesquisadora da Justiça Global, afirma que: “a Justiça Global espera que essa publicação colabore na construção de estratégias de proteção e seja capaz de fomentar oficinas coletivas com defensoras e defensores de direitos humanos (DDHs), movimentos sociais e organizações da sociedade civil. E mais do que a construção de protocolos e medidas de proteção, almejamos estimular e fortalecer o processo de luta política por direitos no Brasil e assim reverter esse cenário de violações e ataques a que estamos submetidos”.

  • Leia o Guia de Proteção para Defensoras e Defensores de Direitos Humanos completo:

Guia de Proteção para Defensoras e Defensores de Direitos Humanos_Justiça Global

 

fonte: https://www.global.org.br/blog/justica-global-lanca-guia-de-protecao-para-defensoras-e-defensores-de-direitos-humanos/

 


Violência contra as mulheres em dados

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

Importante Conhecer

Amazônia, querem te acabar

Artigos do Cfemea

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

Por que o aborto ainda não é um direito no Brasil?

aborto outras palavrasNo Dia de Luta pela Legalização do Aborto na América Latina, frente nacional feminista questiona o atraso. Uruguai, Argentina e México conquistaram avanços, mas país de Bolsonaro insiste em negar direito mulheres ao próprio corpo

nosso voto2

...