Pessoas cristãs e de outras confessionalidades religiosas se uniram, em todo o Brasil, para o Dia do Ubuntu, uma ação que motivou abraços a terreiros e casas de fé de religiões de matriz africana.

Pessoas cristãs e de outras confessionalidades religiosas se uniram, em todo o Brasil, para o Dia do Ubuntu, uma ação que motivou abraços a terreiros e casas de fé de religiões de matriz africana. A ação teve por objetivo levar solidariedade às pessoas frequentadoras desses locais – que tanto sofrem preconceito e racismo religioso. Em Brasília, o abraço ao terreiro foi no sábado, 17 de setembro, na Tenda de Mina Jeje Cabocla Mariana.

Liderado pela Mãe Leila de Obá, a casa de culto já teve que se mudar do seu antigo endereço em função de intolerância religiosa. Hoje, Mãe Leila está num local improvisado, que carece de estrutura necessária às atividades da Tenda. 

“Nosso objetivo com esse abraço foi não só dizer que somos empáticos aos nossos irmãos e irmãs de terreiro, mas também fazer algo concreto. Em relação à Tenda de Mina Jeje Cabocla Mariana, queremos, junto com os parceiros que lá estavam conosco, fazer alguma mobilização para que Mãe Leila e seus filhos consigam um local mais adequado e estrutura para seguirem tocando seus trabalhos”, explicou a secretária-geral do CONIC, pastora Romi Bencke.

A Tenda de Mina Jeje Cabocla Mariana é o primeiro Terreiro Tambor de Mina de Brasília. “Fiquei muito feliz com a visita. Na verdade, todos ficamos imensamente felizes e agradecidos por tudo o que aconteceu! Esse tipo de coisa faz a gente acreditar que ainda é possível haver um mundo melhor”, declarou Mãe Leila.

Ao todo, cerca de 20 pessoas estiveram presentes na ação, incluindo representantes do Fórum Ecumênico ACT – Brasil, do Centro Nacional de Africanidade e Resistência Afro-Brasileira (CENARAB), da Associação Brasileira de ONGs (ABONG) e da Plataforma dos Movimentos Sociais pela Reforma do Sistema Político; do coletivo Espiritualidades em Ação; Comunidade Bahaí; Iniciativa das Religiões Unidas; CEBI/DF; Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil; Instituto pelo Diálogo Intercultural; Conselho Indigenista Missionário; Aliança de Negros e Negras Evangélicos do Brasil; RENAFRO; Ilê Axé Oya Bagan e Comitê Diversidade Religiosa/DF.

“Esse tipo de ação é a melhor forma que temos de contrapor o ódio, a intolerância e o racismo religioso, pois afirmamos o diálogo no lugar do ódio. É em momentos como esse que a gente vai ao encontro do outro, ouve o que ele ou ela passa e, na medida em que conhecemos essa nova realidade, a gente consegue quebrar as intolerâncias. Conhecer aquilo que a gente não conhece é o primeiro passo para aprender a amar”, concluiu Romi.

Fotos: Pedro Bezerra

 

fonte: https://conic.org.br/portal/conic/noticias/em-brasilia-dia-do-ubuntu-tem-visita-ao-primeiro-terreiro-tambor-de-mina-da-capital


Violência contra as mulheres em dados

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

Importante Conhecer

Amazônia, querem te acabar

Artigos do Cfemea

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

Por que o aborto ainda não é um direito no Brasil?

aborto outras palavrasNo Dia de Luta pela Legalização do Aborto na América Latina, frente nacional feminista questiona o atraso. Uruguai, Argentina e México conquistaram avanços, mas país de Bolsonaro insiste em negar direito mulheres ao próprio corpo

nosso voto2

...