nosso voto2

Filósofa e escritora é a primeira mulher negra a receber o título de Doutora Honoris Causa pela UnB. Num auditório lotado e sob forte comoção, a Universidade de Brasília (UnB) concedeu nesta quarta-feira (21) o título de Doutora Honoris Causa para a filósofa e escritora Sueli Carneiro, uma das principais pensadoras do feminismo negro brasileiro

 

Brasil de Fato | Brasília (DF) |
 

sueli carneiro doutora unb
Sueli Carneiro é aclamada durante sessão solene de concessão do título de Doutor Honoris Causa pela UnB - Reprodução/Youtube

 

Num auditório lotado e sob forte comoção, a Universidade de Brasília (UnB) concedeu nesta quarta-feira (21) o título de Doutora Honoris Causa para a filósofa e escritora Sueli Carneiro, uma das principais pensadoras do feminismo negro brasileiro, ativista do movimento antirracista e reconhecida defensora dos direitos humanos. A homenagem foi aprovada pelo Conselho Universitário (Consuni) em março deste ano, por unanimidade.

O título é concedido a personalidades que tenham se destacado pelo saber ou pela atuação em prol das artes, das ciências, da filosofia, das letras ou do melhor entendimento entre os povos. É a primeira primeira vez na história da UnB que uma mulher negra vai receber este diploma.

A recomendação da homenagem a Sueli Carneiro foi feita pelo Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos e Cidadania do Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares (Ceam) da UnB, após a submissão do memorial de Sueli Carneiro pelos professores Wanderson Flor e Vanessa de Castro.

:: Central do Brasil aborda a biografia e a potência do pensamento de Sueli Carneiro ::

Em seu pronunciamento, Sueli Carneiro, bastante emocionada, vinculou o reconhecimento da UnB à sua trajetória intelectual e de luta no movimento negro e de mulheres. "O que torna esse título mais importante para mim é pelo reconhecimento da minha trajetória, ao longo da qual procurei fazer da reflexão intelectual, e da minha escrevivência, uma espada, como convém à uma filha de Ogum que sou. Uma espada com a qual venho esgrimindo no bom combate, pelas causas mais justas da humanidade, que são as conquistas da equidade e igualdade de gênero e de raça".

A filósofa destacou que, ao longo de sua carreira, se ocupou em "desnudar os dispositivos de poder e saber implicados na persistente reprodução da inferioridade social das pessoas negras". Ela ainda pautou a necessidade de uma transformação social profunda no Brasil que elimine o legado perverso do colonialismo no Brasil, que estabeleceu o desenraizamento forçado de milhões de negros africanos, submetidos à escravidão e destituição de memória e de possibilidades de emancipação social.   

"É um título que recebo com a humildade de quem o compreende o reconhecimento da justeza das lutas de mulheres e homens negros, que clamam por um novo pacto civilizatório que desaloje os privilégios consagrados de gênero e de raça, que o experimento colonial forjou em todas as dimensões da vida social", observou. 

Cotas raciais

Em Brasília, Sueli Carneiro se destacou quando o Supremo Tribunal Federal (STF) discutiu a constitucionalidade do sistema de reserva de vagas para o ingresso de estudantes negros e negras e indígenas na UnB, em 2012.

Na ocasião, ela falou em defesa das cotas, da democracia, da igualdade e da justiça social. Segundo a UnB, a filósofa também auxiliou na construção epistemológica do Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos e Cidadania da universidade.
 
“As muitas gerações de estudantes negras e negros nas universidades que nelas ingressaram por meio de políticas afirmativas encontram em Sueli Carneiro um exemplo de pensamento rigoroso e comprometido com a construção de um mundo mais plural e mais acolhedor; e toda a sociedade brasileira, em seus anseios democráticos e cidadãos, se beneficiam da generosa atuação”, escreveu a professora Danusa Marques, do Instituto de Ciência Política, em seu parecer que recomenda a aprovação do título. 

Trajetória intelectual

Sueli Carneiro é fundadora e diretora do Geledés – Instituto da Mulher Negra e doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP).

Nos últimos 20 anos recebeu diversas honrarias, entre elas o Prêmio Bertha Lutz, menção honrosa no Prêmio de Direitos Humanos Franz de Castro Holzwarth, Prêmio de Direitos Humanos da República Francesa, Prêmio Benedito Galvão, Prêmio Itaú Cultural 30 anos e o Prêmio Especial Vladimir Herzog. Tem um selo editorial que leva o seu nome, criado pela filósofa Djamila Ribeiro. 

:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato DF no seu Whatsapp ::

Fonte: BdF Distrito Federal

Edição: Flávia Quirino

 

fonte: https://www.brasildefato.com.br/2022/09/21/escritora-sueli-carneiro-defende-pacto-civilizatorio-para-eliminar-privilegios-de-raca-e-genero

-------------------

 

‘Continuo Preta’: Programa Bem Viver relembra legado da filósofa Sueli Carneiro

Autora da biografia de Sueli conta porque ela é considerada uma das mais importantes intelectuais brasileiras

Ouça o áudio:

00:00
1:00:22
Download
Pela primeira vez, uma mulher negra recebe o mais importante título concedido pela Universidade de Brasília (UnB) - Andre Seiti/Divulgação
Sueli soma 40 anos de ativismo pelo movimento negro

Sueli Carneiro, um nome que enegreceu o feminismo brasileiro. Em pelo menos 40 anos de ativismo, a intelectual negra combinou o trabalho acadêmico com a escrita e ajudou a qualificar políticas públicas e colocar as mulheres como protagonistas do movimento negro.

De olho nesse legado, a edição de hoje (11) do Programa Bem Viver traz uma entrevista especial com a jornalista Bianca Santana, autora do livro “Continuo Preta”, uma biografia da filósofa Sueli Carneiro, uma das maiores intelectuais brasileiras.

Neste ano, Sueli recebeu dois reconhecimentos importantes: foi considerada a personalidade do ano pelo Prêmio Jabuti de Literatura, o mais importante do Brasil e ganhou o título de Honoris Causa da Universidade de Brasília, se tornando a primeira mulher negra a ganhar o prêmio.

CPI no MEC?

A semana em Brasília começa com a seguinte pergunta: haverá mais investigação contra o governo do presidente Jair Bolsonaro? Segundo a oposição, já há assinaturas necessárias para instalar mais uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Senado para investigar os escândalos no Ministério da Educação (MEC).

São duas acusações principais envolvendo a pasta. A primeira diz respeito a presença de pastores não ligados ao governo que determinariam o destino das verbas da pasta. Segundo denúncia de prefeitos, as negociações se davam por meio de pedidos de propina.

O outro caso diz respeito a um suposto superfaturamento na compra de ônibus escolares pelo MEC. Documentos apontam que havia a intenção de comprar os veículos por R$ 700 milhões a mais que o valor de mercado.

Mesmo com as denúncias e a pressão política, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, ainda não se declarou sobre a necessidade da CPI.

Samba Pernambucano

Já ouviu falar de Samba Pernambucano? O estado é famoso pelo Frevo, mas por vezes essa fama acaba escondendo outras manifestações culturais muito fortes em Pernambuco, como o samba.

Inclusive, muito do estilo que conhecemos hoje tem muito da cultura popular do estado, segundo a produtora cultural Gabi Apolônio, que estuda a história musical de Pernambuco.

Recentemente ela lançou o documentário “Mapeamento dos Fazedores do Samba”, que reúne depoimento de lideranças e artistas do gênero em Pernambuco.


Confira como ouvir e acompanhar o Programa Bem Viver / Brasil de Fato

Sintonize

O programa vai ao ar de segunda a sexta-feira, das 11h às 12h, com reprise aos domingos, às 10h, na Rádio Brasil Atual. A sintonia é 98,9 FM na Grande São Paulo.

Em diferentes horários, de segunda a sexta-feira, o programa é transmitido na Rádio Super de Sorocaba (SP); Rádio Palermo (SP); Rádio Cantareira (SP); Rádio Interativa, de Senador Alexandre Costa (MA); Rádio Comunitária Malhada do Jatobá, de São João do Piauí (PI); Rádio Terra Livre (MST), de Abelardo Luz (SC); Rádio Timbira, de São Luís (MA); Rádio Terra Livre de Hulha Negra (RN), Rádio Camponesa, em Itapeva (SP), Rádio Onda FM, de Novo Cruzeiro (MG), Rádio Pife, de Brasília (DF), Rádio Cidade, de João Pessoa (PB), Rádio Palermo (SP), Rádio Torres Cidade (RS) e Rádio Cantareira (SP).

A programação também fica disponível na Rádio Brasil de Fato, das 11h às 12h, de segunda a sexta-feira. O programa Bem Viver também está nas plataformas: Spotify, Google Podcasts, Itunes, Pocket Casts e Deezer.

Assim como os demais conteúdos, o Brasil de Fato disponibiliza o programa Bem Viver de forma gratuita para rádios comunitárias, rádios-poste e outras emissoras que manifestarem interesse em veicular o conteúdo. Para fazer parte da nossa lista de distribuição, entre em contato pelo e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Edição: Sarah Fernandes

 

fonte: https://www.brasildefato.com.br/2022/04/11/continuo-preta-programa-bem-viver-relembra-legado-da-filosofa-sueli-carneiro


Receba Notícias do Cfemea

Inscreva-se para nos autorizar a te enviar notícias, boletins e informes do Cfemea

Essa assinatura é gratuita e não representa qualquer compromisso, você pode encerrar sua assinatura a qualquer momento

logo ulf4

Radar Feminista

baderna feminista botao2

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

Alerta Feminista

voto feminino 90 anos

Angela Davis

Conheça Também

meu voto feminista2

...