Quase lá: Covid: 80% de profissionais da saúde mortos no país eram mulheres

O coronavírus matou ao menos 4.500 profissionais de saúde brasileiros entre março de 2020 e dezembro de 2021, mostra estudo inédito

 

 

Raphael Veleda - Metrópoles

 
 

Aline Massuca/Metrópoles
 

A batalha do Brasil contra o coronavírus foi especialmente dura para aqueles que atuam na linha de frente se esforçando para salvar vidas: técnicos e auxiliares de enfermagem, enfermeiros e médicos. Esses profissionais, que nos piores momentos da pandemia tiveram de lidar até com a falta de equipamentos de proteção, enfrentaram taxas de mortes que chegaram ao dobro da média dos anos anteriores à Covid-19. Eles só deixaram de morrer mais do que a população em geral quando começaram a ser vacinados com prioridade, no início de 2021.

Ao menos 4.500 profissionais de saúde de hospitais e clínicas públicos e particulares morreram de Covid-19 entre março de 2020, quando a pandemia chegou ao Brasil, e dezembro de 2021.

Houve mais mortes entre os que trabalhavam junto dos pacientes: técnicos e auxiliares de enfermagem, que representam 70% das vítimas entre os profissionais de saúde; seguidos dos enfermeiros (25%) e médicos (5%).
 
Essa concentração da maioria das mortes nas ocupações com menores salários no setor da enfermagem trouxe ainda uma grande disparidade de gênero no número de vítimas. Como, conforme dados do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), a maioria da força de trabalho no setor é formada por mulheres, foram elas as que mais morreram: oito a cada dez mortos por Covid-19 entre os profissionais de saúde no período pesquisado eram mulheres.
 

Estudo inédito

Esses dados sobre o impacto da Covid nos profissionais de saúde brasileiros estão em um estudo divulgado pela primeira vez nesta quinta-feira (13/10), e foi encomendado por uma federação sindical que reúne entidades de 154 países, a Public Services International (PSI), ou Internacional de Serviços Públicos, em português.

Eles foram computados pelo estúdio de inteligência de dados Lagom Data a partir do cruzamento de microdados do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), do Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados e Registros de profissionais do Conselho Federal de Medicina (CFM) e do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen).

A pesquisa faz parte de uma campanha chamada Behind the Mask (Por Detrás da Máscara), que será apresentada pela entidade sindical para a Organização Internacional do Trabalho (OIT). Os dados sobre os impactos da Covid entre profissionais de saúde foram apurados pela PSI no Brasil, Zimbábue, Paquistão e na Tunísia. Entre os motivos para a escolha desses países, segundo a entidade, está a resistência de governos locais abordarem a luta contra a doença com a seriedade devida.

“Faltaram equipamentos de proteção, oxigênio, vacinas e medicamentos. Sobraram mensagens falsas e desaforadas do governo sobre a Covid-19, chocando o mundo. E, até hoje, os profissionais da linha de frente seguem desvalorizados no Brasil”, afirma Rosa Pavanelli, secretária-geral da PSI, que tem sua sede mundial em Genebra, e integra a Comissão de Alto Nível do Secretário-Geral da ONU sobre Emprego em Saúde e Crescimento Econômico.

obitos saude covid19a

 

obitos saude covid19b

 

obitos saude covid19c

 

Crescimento

Os dados da pesquisa revelam que as mortes entre os profissionais brasileiros de saúde se avolumaram mais rapidamente do que o observado na população geral, especialmente nos meses em que faltaram equipamentos de proteção individual para esses trabalhadores.

Mostram ainda que a vacinação fez toda a diferença para salvar as vidas desses profissionais de saúde quando começou por eles. A partir da consolidação da imunização, trabalhadores de enfermagem e medicina passaram a morrer menos do que a média dos demais brasileiros.

 

Os meses mais trágicos para os profissionais da linha de frente foram de março a junho de 2021, quando houve mais mortes entre eles do que durante todo o ano anterior.

Não existem dados oficiais sobre quantos profissionais de saúde trabalharam na linha de frente do combate à pandemia, visto que houve grande rotatividade no mercado de trabalho da saúde na época e muitos profissionais atuam em mais de uma unidade de saúde.

Ao todo, a Covid-19 já tirou a vida de mais de 686 mil brasileiros e ainda mata dezenas todos os dias.

 

fonte: https://www.metropoles.com/brasil/covid-80-de-profissionais-da-saude-mortos-no-pais-eram-mulheres

 

 

 

Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...