"Houve uma revolução nos costumes, protagonizada pelas mulheres, que hoje ocupam espaços no mercado de trabalho"

 

Luiz Carlos Azedo
Correio Braziliense em  23/10/2022 07:00 
 
 
 (crédito: Bruno Fernandes/Divulgação)
(crédito: Bruno Fernandes/Divulgação)
 

Depois de algumas tentativas frustradas, consegui comprar na Livraria da Travessa, em Brasília, o livro Os Anos (Fósforo), premiadíssimo, da escritora francesa Annie Ernaux, ganhadora do Prêmio Nobel de Literatura deste ano. É uma mistura de crônicas do cotidiano e filosofia, numa "autobiografia impessoal" que reconstitui a evolução dos costumes da sociedade francesa, num período de 60 anos, que vai do imediato pós-guerra ao atentado às Torres Gêmeas, em 11 de setembro de 2001.

Talvez a leitura nos ajude a entender um pouco melhor porque a maioria das mulheres não vota no presidente Jair Bolsonaro (PL), embora ele tenha duas cabos eleitorais poderosas — a primeira-dama Michelle Bolsonaro e a recém-eleita senadora pelo Distrito Federal Damares Alves (Republicanos), ambas evangélicas.

"A vergonha era uma assombração na vida das mulheres. A maneira como se vestiam e se maquiavam era sempre acompanhada por um "demais": curto, longo, decotado, justo, chamativo etc. A altura dos saltos, com quem anda, as saídas e voltas para casa, o fundilho da calcinha no fim do mês, tudo era objeto de uma vigilância generalizada da sociedade. (...) Nada, nem a inteligência, nem os estudos, nem a beleza, contava mais para a reputação sexual de uma moça, isto é, seu valor no mercado do casamento, do qual as mães, a exemplo das próprias mães, eram as guardiãs: se fizer sexo antes do casamento, ninguém vai querer ficar com você — ficava claro, nas entrelinhas, que só alguém em condição parecida poderia aceitar, isto é, a escória masculina, um doente, um louco ou, pior, um divorciado. A mãe solteira não tinha nada a esperar, só a abnegação de um homem que aceitaria colher seu erro".

"Até chegar o casamento, as histórias de amor aconteciam escondidas do controle e julgamento dos outros", completa Annie Ernaux, ao descrever o mundo no final dos anos 1950. De lá para cá, muita coisa mudou, houve uma revolução nos costumes, protagonizada pelas mulheres, que hoje ocupam espaços no mercado de trabalho e até nas forças armadas, em igualdade de condições. Algumas profissões, muitas das quais tiranizaram secularmente as mulheres, como a medicina, por exemplo, estão sendo dominadas por elas. Entretanto, muita gente vive e pensa como naquela época, o que provoca um choque de gerações.

Uma jovem, atualmente, vive de forma completamente diferente, embora tenha muito o que agradecer às mulheres mais velhas como Annie Ernaux, que romperam as barreiras do preconceito e da discriminação, enfrentando o machismo e os preconceitos em condições absolutamente desiguais. As jovens de hoje têm um cardápio afetivo de acordo com as circunstâncias, que muda como as nuvens noturnas que escondem e desvelam a lua e as estrelas: tem o "crush", o "peguete", o "ficante" e o até o "friends with benefits" (amigos com benefícios), que funciona como uma espécie de delivery afetivo. O namoro, o noivado e o casamento são coisas muito sérias para serem vinculadas apenas ao sexo. É um mundo virado de pernas para o ar.

Dois mundos

O mundo que Michelle e Damares oferece às mulheres, na disputa entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Bolsonaro, é aquele descrito por Ernaux na sua juventude — não tem nada a ver com a realidade dos dias atuais, em que as jovens mulheres vivem a plenitude de uma revolução de gênero, na qual a orientação sexual é uma opção individual garantida por direito. Também não é a realidade das mães dessas jovens, que viveram os dois momentos e, mesmo que não estejam de acordo o comportamento da nova geração, não desejam que haja uma regressão aos costumes de sua adolescência e juventude, quando a virgindade era o tabu que alicerçava todas aquelas "vergonhas" descritas por Ernaux.

"Ela é a mulher com blush no rosto, os dois rapazes de trinta e poucos anos são seus filhos, a mocinha é namorada do filho mais velho, a do mais novo foi quem tirou a foto.(...) Tem vontade de continuar sendo provedora do conforto material dos filhos, para compensar a eventual dor do peso da existência que eles possam sentir e da qual ela se julga responsável, já que colocou os dois no mundo. Ela se acostumou com a ideia de que eles devem aproveitar a vida apesar da situação precária dos dois, com contratos temporários em trabalhos inferiores à formação que têm, com seguro-desemprego, dependendo do mês, alguns bicos, em um eterno presente feito de música, seriados norte-americanos e videogames, como se eles prosseguissem indefinidamente uma vida de estudante ou artistas sem dinheiro, e, uma boemia de antigamente, tão distante da 'situação' dela na idade deles. (Ela não sabe dizer se a indiferença social deles é real ou fingida)".

Nas palavras de Ernaux, eis uma cena típica da classe média, que vota majoritariamente com Bolsonaro, embora a maioria das mulheres, em razão do machismo e atitudes misóginas do presidente, se recusem a fazê-lo. Talvez a eleição esteja sendo decidida nesse universo, no qual observamos confrontos extremos de comportamento social.

Entre as mulheres, segundo o DataFolha (19/10), Lula vence de 51% a 42%. Em termos geracionais, vence entre os mais jovens, de 16 a 24 anos (50% a 41%), na faixa de 45 a 59 anos (51% a 44%) e entre os com 60 anos a mais (52% a 43%).

 

fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/politica/2022/10/5046257-nas-entrelinhas-o-mundo-que-michelle-e-damares-oferecem-as-mulheres.html


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...