Amanhã, 2 de novembro, é o Dia Internacional pelo Fim da Impunidade de Crimes contra Jornalistas.

 

fenaj logo 300x115Para marcar a data no Brasil, a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) está divulgando a campanha da Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ) pela adoção de uma convenção da ONU sobre a segurança e independência de jornalistas e outros profissionais da mídia.

Para saber mais sobre o assunto e contribuir na mobilização, você pode acessar: https://fenaj.org.br/impunidade-fij-pede-uma-convencao-para-melhorar-a-seguranca-dos-jornalistas/.

Além desta ação, a FENAJ se soma à organização não-governamental CRIAR Brasil no tuitaço com a hashtag #pelavidadosjornalistas

A mobilização virtual começará às 10h no Twitter. Segue o banco de tuítes elaborado pelo CRIAR Brasil:
https://docs.google.com/spreadsheets/d/1CUq6Ga-bFCCkUk0P1SiWEDp_sTUstU2pcFtvhcoNjFg/edit?usp=sharing

A ideia é formar uma grande rede, compartilhando conteúdos com a hashtag #pelavidadosjornalistas para o barulho ser maior.

Participe e ajude a defender o exercício livre e seguro do jornalismo no país!

 

Impunidade: FIJ pede uma convenção para melhorar a segurança dos jornalistas

 

Por ocasião do Dia Internacional pelo Fim da Impunidade de Crimes contra Jornalistas, em 2 de novembro, a Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) conclama governos, jornalistas e organizações de mídia a apoiar a adoção de uma Convenção da ONU sobre a segurança e independência de jornalistas e outros profissionais da mídia.

Apesar de suas boas intenções, o Plano de Ação da ONU sobre a segurança dos jornalistas e a questão da impunidade não conseguiu oferecer “o ambiente livre e seguro para jornalistas e trabalhadores da mídia”, conforme prometeu.

Pelo contrário, os jornalistas continuam a ser atacados, espancados, detidos, perseguidos e ameaçados por fazerem o seu trabalho. Além disso, ameaças contínuas à segurança digital de jornalistas, incluindo ataques cibernéticos, roubo de dados, hackers e assédio online, colocam em risco os profissionais de mídia e a segurança. Nesse contexto, é ainda mais urgente a adoção de um instrumento que obrigue os governos a enfrentar a impunidade da violência contra jornalistas e profissionais da mídia.

“Não temos um instrumento legal vinculante que obrigue os Estados membros a investigar e responder a ataques contra jornalistas “, disse a presidente da FIJ, Dominique Pradalié.

A FIJ já registrou 59 assassinatos de profissionais da mídia até agora em 2022, 12 a mais do que em 2021 .

A FIJ destacou países como Afeganistão, RDC, Haiti, Índia, México, Kosovo, Paquistão, Palestina, Filipinas, Rússia, Turquia, Ucrânia e Iêmen, onde os níveis de violência contra jornalistas são muito altos.

A Federação lembra que, apesar de inúmeros protocolos, regulamentos e diretrizes, nove em cada dez assassinatos de jornalistas permanecem impunes.

“Há uma frustração crescente com a falta de ação e vontade política para combater a impunidade e apoiar a mídia livre e independente. Por isso, lançamos uma campanha global para a adoção de uma Convenção Internacional dedicada à proteção de jornalistas e profissionais da mídia” , acrescentou Dominique Pradalié.

A campanha foi formalmente lançada na 51ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, realizada em Genebra em 30 de setembro.

A Convenção destaca as deficiências e lacunas existentes no direito internacional humanitário e de direitos humanos, bem como a falta de mecanismos eficazes para sua aplicação.

A Dra. Carmen Dragichi, que redigiu o projeto de Convenção para a FIJ, disse: “O projeto de Convenção oferece uma estrutura legal consolidada para a proteção de jornalistas: codifica as obrigações da jurisprudência na forma de um tratado, substituindo múltiplas fontes legais instrumento completo e acessível, esclarecendo assim o alcance das obrigações derivadas das disposições sobre liberdade de expressão das convenções de direitos humanos, com base na jurisprudência internacional, além de garantir que os Estados subscrevam expressamente as obrigações estabelecidas nas decisões contra outros Estados, ajuda as autoridades nacionais a compreender as suas obrigações e facilita a supervisão internacional […]confere valor vinculativo a padrões de soft law amplamente aceitos, mas inexequíveis, aumentando a conformidade e a responsabilidade.”

Mais de 60 jornalistas e sindicatos de mídia, associações, órgãos representativos de mídia, organizações de mídia e ONGs de todo o mundo já endossaram a convenção.

Para ler a convenção, clique aqui

Para apoiar a convenção, clique aqui

Para ler a convenção em árabe, clique aqui

 

fonte: https://fenaj.org.br/impunidade-fij-pede-uma-convencao-para-melhorar-a-seguranca-dos-jornalistas/

 


Receba Notícias

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

logo ulf4

Violência contra as mulheres em dados

Rita de Cássia Leal Fonseca dos Santos

Ministério do Planejamento
CLIQUE PARA RECEBER O LIVRO (PDF)

marcha das margaridas agosto 2023

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Artigos do Cfemea

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

Por que o aborto ainda não é um direito no Brasil?

aborto outras palavrasNo Dia de Luta pela Legalização do Aborto na América Latina, frente nacional feminista questiona o atraso. Uruguai, Argentina e México conquistaram avanços, mas país de Bolsonaro insiste em negar direito mulheres ao próprio corpo

nosso voto2

...