Produzido pelos coletivos Rede Feminista de Saúde, Portal Catarinas, Grupo Curumim, Instituto de Bioética e Direitos Humanos (Anis) e ONG Criola, documento reúne diversas pesquisas que revelam como a injustiça reprodutiva é ainda mais cruel para meninas e mulheres negras.

 

21 de novembro, 2022 Marco Zero Por Giovanna Carneiro

guia injustica reprodutivaCom o objetivo de facilitar o acesso de jornalistas e comunicadores aos dados sobre os direitos sexuais e reprodutivos com recorte de raça e faixa etária, organizações da sociedade civil lançaram o guia “Cenário Brasileiro de Injustiça Reprodutiva Para Mulheres Negras e Meninas – Guia para jornalistas e comunicadores”.

O documento, produzido pelos coletivos Rede Feminista de Saúde, Portal Catarinas, Grupo Curumim, Instituto de Bioética e Direitos Humanos (Anis) e ONG Criola, reúne diversas pesquisas que revelam como a injustiça reprodutiva é ainda mais cruel para meninas e mulheres negras.

Apesar de ter sido desenvolvido para auxiliar as produções de jornalistas e comunicadores. Além dos dados das pesquisas, o documento traz uma lista de organizações que podem ser consultadas como fontes para os profissionais que pretendem trabalhar a temática em suas produções jornalísticas.

Dados alarmantes do guia

O guia foi dividido em duas partes, a primeira apresenta os principais resultados dos estudos “Estupro presumido no Brasil: caracterização de meninas mães em um período de dez anos (2010-2019)”, publicado em 2021, e sua atualização “Estupro de Vulnerável: caracterização de meninas mães no ano de 2020 – Brasil e Regiões”, publicado em agosto de 2022 pela Rede Feminista de Saúde. Estes estudos detalham os dados e o perfil de meninas de 10 a 14 anos que entraram em trabalho de parto nos últimos 10 anos.

Nesta primeira parte, alguns dados são alarmantes e chamam bastante atenção. O estudo aponta que, em 2020, no Brasil, nasceram 48 bebês por dia, de meninas com menos de 14 anos, uma média de dois bebês nascidos a cada hora. Das 17.579 meninas de 10 a 14 anos que tiveram filhos em 2020, 75,6 % eram negras (pretas e pardas), percentual maior do que o evidenciado entre 2010-2019 (71,1%). A pesquisa revela também que a mortalidade materna é mais grave entre meninas de até 14 anos do que entre mulheres de outras faixas etárias.

Já na segunda parte do guia, são apresentados os dados e análises contempladas pelo dossiê Mulheres e Justiça Reprodutiva (2020 – 2021), estudo que foi realizado pela Ong Criola e publicado em setembro de 2021. O foco desta sessão são os dados oficiais quantitativos sobre a vida e direitos de mulheres negras em contexto nacional em três dimensões: Direitos Humanos, Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais (DHESCAs); Direitos Sexuais e Reprodutivos; e dados de violações e violências contra mulheres negras.

A situação de vulnerabilidade das mulheres negras se destaca nos dados apresentados na segunda parte do guia. Alguns dos dados mais alarmantes demonstram que, do total de 64.258 mulheres em idade fértil que morreram entre 2020 e 2021, 56,42% são negras e 40,38% são brancas. Já entre óbitos maternos, do total de 1.576 em números absolutos, 65,93% das mortes foram de mulheres negras e 30,14% eram mulheres brancas.

Ainda de acordo com o estudo, mulheres negras também foram as maiores vítimas de estupro (57,28%) comparado às mulheres brancas (34,90%). Dos 73 óbitos por aborto, 33 (45,21%) foram de mulheres negras, 13 (17,81%) de mulheres brancas, e 20 cuja raça/cor não foi informada.

Acesse a matéria completa no site de origem.

quem guia injustica reprodutiva

fonte: https://agenciapatriciagalvao.org.br/destaques/organizacoes-criam-guia-sobre-injustica-reprodutiva-para-meninas-e-mulheres-negras-no-brasil/

 

 

Violência contra as mulheres em dados

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

Importante Conhecer

Amazônia, querem te acabar

Artigos do Cfemea

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

Por que o aborto ainda não é um direito no Brasil?

aborto outras palavrasNo Dia de Luta pela Legalização do Aborto na América Latina, frente nacional feminista questiona o atraso. Uruguai, Argentina e México conquistaram avanços, mas país de Bolsonaro insiste em negar direito mulheres ao próprio corpo

nosso voto2

...