Pela primeira vez na história, pessoas trans assumirão mandato na Câmara em fevereiro de 2023: as deputadas Duda Salabert, do PDT de Minas Gerais, e Erika Hilton, do Psol de São Paulo.
 

 

 - Congresso em Foco

26.11.2022 08:17  0

ErikaHilton Dep Psol2

 

Pela primeira vez na história, pessoas trans assumirão mandato na Câmara em fevereiro de 2023: as deputadas Duda Salabert, do PDT de Minas Gerais, e Erika Hilton, do Psol de São Paulo. Eleita com uma pauta voltada para a defesa dos direitos humanos e de combate à homofobia e transfobia, a nova parlamentar do Psol espera encontrar um ambiente hostil no Congresso por ser LGBTI+. Ela esteve esta semana em Brasília, onde circulou pela Câmara e pelo Centro Cultural Banco do Brasil (CBB), onde funciona o governo de transição.

Apesar da vitória eleitoral de Lula (PT), de perfil progressista, o Congresso que entra na próxima legislatura é majoritariamente conservador: o PL, principal partido de direita, terá 98 deputados. O Republicanos, de pauta conservadora, terá 39. O PP, principal sucessor do antigo Arena e ponto de encontro de diversos quadros conservadores desde a redemocratização, terá 47 parlamentares.

Esse cenário, para Erika Hilton, é de desvantagem para o avanço de pautas ligadas à defesa da população trans, ainda mais diante da resistência provocada pela derrota de Jair Bolsonaro nas urnas. “Nós vamos enfrentar uma grande resistência. Precisamos entender que a derrubada do Bolsonaro faz com que as esferas bolsonaristas fiquem ainda mais eufóricas, mais nervosas, mais afrontosas, então provavelmente vão atacar essa pauta”, disse a deputada eleita ao Congresso em Foco.

Além da dificuldade provocada por conta do próprio efeito das eleições, a deputada eleita também aponta para o histórico do próprio Congresso Nacional. “Será um Congresso hostil. Se olharmos a configuração de toda a história do Congresso Nacional, ele sempre foi omisso às pautas da população LGBI+, então teremos sim uma hostilidade porque faz parte da própria característica do legislativo”.

Dois fatores já pendem em favor de Erika e demais parlamentares com interesse na defesa de projetos ligados à comunidade LGBTI+: o aumento da representatividade dessa população no Congresso e a própria eleição de um presidente amigável às suas pautas. “É um cenário diferente, com um governo de esquerda que pode ajudar a levar adiante algumas pautas muito importantes para nós”.

O terreno hostil, porém, não é novo para a deputada eleita, que já atuou tanto na Assembleia Legislativa de São Paulo quanto na Câmara Municipal da capital paulista. Erika diz que pretende se aproximar gradualmente dos demais deputados antes de decidir em quais projetos avançar. “É preciso ter contato com os pares para saber quais são as políticas que nós teremos fôlego e condição de levar adiante”, explicou.

Em sua experiência anterior, a escolha criteriosa de projetos acompanhada do reconhecimento de potenciais parceiros para a pauta LGBTI+ já garantiu resultado. “Na Câmara Municipal nós conseguimos avançar com projetos e contando ainda com apoio de pessoas da direita, até mesmo de bancada religiosa”, relatou.

Além de Erika Hilton e Duda Salabert, outras 18 pessoas LGBTI+ se elegeram nas eleições para cargos estaduais ou federais. Você pode conferir mais detalhes aqui.

 

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

Matérias Publicadas por Data

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Recomendamos a leitura

A universidade operacional

  • 15-05-2024 16:03:30

MST – 40 anos

  • 11-05-2024 15:40:33

Feminismo e software livre

  • 06-05-2024 18:43:14

Portugal entre 1974 e 1975

  • 30-04-2024 15:06:18

Violência contra as mulheres em dados

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...