Imóvel abandonado há mais de 10 anos foi transformado em espaço de acolhimento às mulheres vítimas de violência

Brasil de Fato | Brasília (DF) |
 
Ocupação nasceu em um prédio abandonado há mais de 10 anos, que passou por limpeza e vem sendo revitalizado pelo Movimento, que pretende recuperar sua função social. - Foto: André Ribeiro

 

A poucos dias do feriado de Natal, a ocupação da Casa de Referência Ieda Santos Delgado pode sofrer um novo despejo ordenado pela Administração Regional do Guará, no Distrito Federal. O imóvel foi ocupado há cerca de dois meses pelo movimento de mulheres Olga Benário, que transformou o lugar em um espaço de acolhimento e apoio para mulheres em situação de violência doméstica, interrompendo um abandono de mais de 10 anos da área, que é pública e pertence do Governo do DF.

Nesta segunda-feira (19), no entanto, as ocupantes receberam uma terceira notificação, assinada pelo administrador regional do Guará, Tulio Salasar Borges de Almeida, para que deixem imediatamente o local até esta terça-feira (20). Elas temem sofrer uma desocupação violenta como a ocorrida no mês passado, em uma ação da Polícia Militar. A ordem de despejo está amparada em uma liminar concedida pelo desembargador João Luís Fischer Dias, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), que revogou uma decisão anterior que reconhecia o interesse social na ocupação e mantinha o coletivo no imóvel.   

:: Justiça reconhece interesse social em ocupação de mulheres no Guará (DF) ::

"Esse novo ataque vem sustentado na mentira de que o imóvel estar sob risco de desabamento, mas ignoram os laudos e equipes de engenheiros e arquitetos que demonstram que a estrutura não sofre nenhum risco", criticou o coletivo de mulheres Olga Benário, em nota. O grupo ainda lembrou que a ocupação vem prestando um relevante serviço de amparo a mulheres que não encontram assistência nas atuais políticas públicas oferecidas pelo espaço, e que a desocupação agride ainda mais o direito dessas vítimas de violência doméstica. 

"As mulheres estão lutando contra a violência e pelo direito constitucional à vida. No Brasil, ocorrem cinco espancamentos a cada dois minutos, um estupro a cada 11 minutos e um feminicídio a cada 90 minutos. Somente em 2019, 1.326 mulheres foram assassinadas pelo fato de serem mulheres. O Governo do Distrito Federal, mais uma vez, se coloca contra o direito das mulheres, as submetendo a situações de risco ao não oferecer solução para essas mulheres na véspera do Natal", afirmou o coletivo de mulheres, em nota.

:: PM prende ativista pelo direitos das mulheres e fecha ocupação no Distrito Federal ::

O coletivo também lembrou que o próprio GDF, que reivindica o poder de política sobre invasões de particulares em áreas públicas, não atua no caso de ocupações privadas em áreas nobres do DF, que são amplamente conhecidas na capital do país. 

"Enquanto ocupações privadas em áreas nobres acontecem e o GDF não faz nada, as ocupações para retirar mulheres organizadas em prol do combate à violência acontecem de forma rápida."


Casa leda Santos Delgado se transformou em ponto de acolhimento de mulheres vítimas de violência doméstica, com oferta de cursos de capacitação e uma série de atividades sociais. / Foto: André Ribeiro

A Administração Regional do Guará informou que a casa atualmente é objeto de parceria público-privada para a instalação do novo Centro de Convivência do Idoso (CCI), em fase de licitação. O órgão, no entanto, não informou quando esse novo equipamento público será disponibilizado e, agora, se for retomado, o imóvel deverá ser fechado por tempo indeterminado, sujeito à degradação que vinha consumindo a área há décadas até a revitalização promovida pelo coletivo de mulheres. A reportagem pediu um novo posicionamento do órgão sobre a tentativa de retomada às vésperas das festas de fim de ano, mas ainda não obteve retorno. 

Saiba mais

A ocupação, é a 13ª do Movimento Olga Benário no país, sendo a primeira no Centro-Oeste, foi batizada de Casa Ieda Santos Delgado, em homenagem à militante da Ação Libertadora Nacional (ALN) durante a ditadura militar, estudante que se formou em ciências jurídicas e sociais pela Universidade de Brasília (UnB), em 1969. Devido à sua atuação política, que se iniciou ainda no movimento estudantil, foi presa pelo regime em abril de 1974, quando desapareceu. A Comissão Nacional da Verdade concluiu que Ieda foi torturada, morta e enterrada pelos militares.

:: Prédio abandonado é transformado em lugar de acolhimento para mulheres em situação de violência ::

Segundo as organizadoras da ocupação, o espaço surgiu no vácuo de assistência deixado pelo fechamento da Casa da Mulher Brasileira e da necessidade de acolher as vítimas de violência doméstica no DF. Diariamente, a Casa Ieda realizava programação de oficinas culturais e práticas oferecidas por profissionais voluntários. Até uma horta orgânica comunitária foi plantada na área externa da casa, para assegurar as soberania alimentar das mulheres atendidas no local. 

:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato DF no seu Whatsapp ::

Fonte: BdF Distrito Federal

Edição: Flávia Quirino

fonte: https://www.brasildefato.com.br/2022/12/20/movimento-de-mulheres-do-df-corre-risco-de-despejo-as-vesperas-do-natal

Administração do Guará diz que dará suporte às mulheres da Casa Ieda

Nesta terça-feira (20/12), as coordenadoras e participantes do Movimento de Mulheres Olga Benário terão que sair do imóvel ocupado, localizado no Guará 2

Pedro Marra
Rafaela Martins
postado em 20/12/2022 13:51 - Correio Braziliense
 (crédito: ANA MARIA POL/CB)
(crédito: ANA MARIA POL/CB)

 

Há mais de um mês, mulheres acolhidas em situação de violência doméstica resistem à desocupação da casa Ieda Santos Delgado, localizada no Guará 2. Em 11 de novembro, as coordenadoras foram notificadas pela Administração Regional do Guará para saírem do local imediatamente. Desde então, o grupo não deixou o prédio e teve o aval da Justiça para permanecer.

Nesta terça-feira (20/12), a administração entrou em contato novamente exigindo a desocupação do local e a retirada de todos os itens. De acordo com a regional, a saída tem que ocorrer em virtude da ocupação irregular e da grave situação estrutural da casa.

Por meio de nota, a instituição falou sobre o cenário atual. “A desocupação se dará em virtude de ocupação irregular de bem imóvel desta Administração Regional pelo Movimento, em que igualmente o referido imóvel se encontra em situação grave de estrutura. Porém, apesar dos esforços administrativos em favor das pessoas que se encontram dentro do imóvel, pela manutenção da permanência delas, a questão se judicializou. Saindo por fim, em sede de decisão liminar de 2º grau, para desocupação imediata dessas mulheres, prol primeiramente ao seu direito à vida diante do estado do imóvel”, diz o texto.

Além disso, a regional garante que as mulheres serão encaminhadas para outros locais seguros. “Diante do objetivo do movimento, essa administração pediu que elas apresentassem os dados das mulheres atendidas para que o GDF faça o encaminhamento sem prejuízo aos órgãos especializados na questão da violência doméstica”, ressaltou o comunicado.

História

A ocupação do movimento Olga Benário é a primeira no Centro-Oeste. O grupo já possui outros 12 espaços em diversas capitais brasileiras e, no Distrito Federal, escolheu a antiga Casa de Cultura do Guará para ser utilizada com o fim de atender e acolher mulheres em situação de risco.

 


Receba Notícias

logo ulf4

Aborto Legal

aborto legal capa

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

Cfemea Perfil Parlamentar

logo ulf4

Tecelãs do Cuidado - Cfemea 2021

Violência contra as mulheres em dados

Rita de Cássia Leal Fonseca dos Santos

Ministério do Planejamento
CLIQUE PARA RECEBER O LIVRO (PDF)

marcha das margaridas agosto 2023

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Artigos do Cfemea

Congresso: feministas mapeiam o conservadorismo

Pesquisa aponta: só mobilização pode superar conservadorismo do Congresso. Lá, 40% alinham-se ao “panico moral”; 57% evitam discutir aborto; 20% são contra atendimento às vítimas e apenas um em cada cinco defende valores progressistas

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

nosso voto2

...