Cuidado, acolhimento, respeito. Características marcantes das religiões de matriz africana que também simbolizam o contraste vivido por seus adeptos

 

Primeiras ações acontecem nas redes sociais e promovem a valorização destes espaços

Cuidado, acolhimento, respeito. Características marcantes das religiões de matriz africana que também simbolizam o contraste vivido por seus adeptos: são eles os principais alvos de ataques ligados à expressões de fé. Em recente divulgação, o Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania indicou que, até o mês de novembro de 2022, foram 1072 situações denunciadas, 45% a mais que em 2020. Dados que mostram um grave cenário, e que se torna ainda mais perverso ao saber que as violências sofridas pelas religiões de matriz africana são subnotificadas.

Ao longo de sua história, o combate ao racismo religioso tem sido uma importante luta de Criola em parceria com religiosas e organizações. Neste 21 de janeiro, Dia Nacional de Luta Contra o Racismo Religioso, Criola se une a Doné Conceição d’Lissá – Kwe Ceja Gbé, Adriana Martins – Ilè Asè Isegùn Omo Osogiyan – Asè Bangbosè, Iyá Dolores – Ìyálàse Oyayele Dolores Lima – Àse Ìdásílè Ode, Iyá Wanda de Omolu – Ylê Asè Egi Omim, Pai Celso de Oxalá – Sociedade Ketú Àse Igbin de Ouro, Iyá Rosiane Rodrigues de Iemanjá – Ilê Kenda Omin Ala, Mãe Tânia de Iemanjá,- Ilê Axé Yá Manjele Ô, Babá Adailton de Ogun – Ilê Axé Omiojuaro, Babá Gustavo de Oxóssi – Ilê Axé Omi Ogun siwaju, Ekedi Thula Pires – Ilê Axé Omiojuarô, Ekedi Lúcia Xavier – Ilê Axé Omiojuarô, e Raça e Igualdade para realizar a campanha “Ser de matriz é lutar por direitos”, de valorização e combate contra as violências que essas religiões sofrem. O grupo compõe a articulação Terreiros em Luta, que tem como objetivo contribuir para a auto-organização pela defesa dos direitos de suas casas e membros.

Ao longo dos próximos meses, a frase “Ser de matriz africana é…” traz o público para a luta cotidiana e exalta as ações promovidas por estes espaços. Além de religiosidade, esses espaços são guardiões da cultura afro-brasileira e promovem saúde, cuidado, enfrentamento ao racismo e a todo o tipo de violência.

As ações iniciais acontecem nas redes sociais e promovem a valorização das religiões e o orgulho público de seus frequentadores. Serão disponibilizado temas para utilizar nas fotos de perfil das redes sociais, além de conteúdo com orientações para enfrentamento ao racismo religioso.

Legislação para enfrentar o rcismo

A cartilha “Terreiros em luta: caminhos para o enfrentamento ao racismo religioso” é um dos materiais que será trabalhado ao longo da campanha. A publicação resgata as leis, políticas e serviços de proteção ao racismo religioso em âmbito nacional e também com foco nos estados do Rio de Janeiro e Bahia. O material explica como realizar denúncias em casos de violações presenciais ou virtuais, com dicas importantes para acesso ao direito fundamental de liberdade de expressão religiosa.

Neste ano, o Dia Nacional de Luta Contra o Racismo Religioso será celebrado com uma novidade: desde o dia 11 de janeiro, com a equiparação do crime de racismo e injuria racial, o racismo religioso também passa a ter responsabilizações mais duras para quem o comete. A punição passa a ser a mesma previstas pelo crime de racismo,

A nova lei deve ajudar a proteger as vítimas, ao prever pena de 2 a 5 anos para quem obstar, impedir ou empregar violência contra quaisquer manifestações ou práticas religiosas, além do pagamento de multa. A pena poderá ser aumentada se o crime for cometido por duas ou mais pessoas. A expectativa é que o reconhecimento da importância da lei impacte também no serviço público, uma vez que os religiosos nem sempre encontram amparo ao buscar os serviços de denúncia.

 

fonte: https://criola.org.br/campanha-ser-de-matriz-africana-e-lutar-por-direitos-e-lancada-no-dia-nacional-de-luta-contra-o-racismo-religioso/

 


Receba Notícias

Cfemea Perfil Parlamentar

logo ulf4

Aborto Legal

aborto legal capa

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

logo ulf4

Tecelãs do Cuidado - Cfemea 2021

Violência contra as mulheres em dados

Rita de Cássia Leal Fonseca dos Santos

Ministério do Planejamento
CLIQUE PARA RECEBER O LIVRO (PDF)

marcha das margaridas agosto 2023

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Artigos do Cfemea

Mulheres do Distrito Federal se preparam para receber a Marcha das Margaridas. Cfemea presente!

Dezenas de ativistas do Distrito Federal se reuniram em Plenária para debater e construir a Marcha das Margaridas. A marcha já é um dos maiores eventos feministas antirracistas do Brasil.

Congresso: feministas mapeiam o conservadorismo

Pesquisa aponta: só mobilização pode superar conservadorismo do Congresso. Lá, 40% alinham-se ao “panico moral”; 57% evitam discutir aborto; 20% são contra atendimento às vítimas e apenas um em cada cinco defende valores progressistas

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

nosso voto2

...