Adolescente de 14 anos foi impedida de entrar em escola com fio de conta, usado por motivo religioso. Mãe da estudante questiona direção de escola "cívico-militar"

 Metrópoles

Loyane Barbosa, 40, enfermeira, candomblecista
Vinícius Schmidt/Metrópoles
 
 

A adolescente de 14 anos vítima de racismo religioso em uma escola cívico-militar do Distrito Federal está abalada e com medo, segundo a mãe da garota, Loyane Barbosa, 40. Adepta da Umbanda, a menina chegou à escola utilizando um fio de conta, símbolo religioso, mas acabou barrada na entrada. “Me senti impotente, porque minha filha estava sendo impedida de estudar”, desabafou a mãe.

O caso, ocorrido no no Centro Educacional 3, de Sobradinho, gerou um segundo episódio de intolerância quando o pai de santo da jovem tentava resolver a situação com a direção, mas foi xingado. Um boletim de ocorrência foi registrado nessa terça-feira (28/2), na Delegacia Especial de Repressão aos Crimes por Discriminação Racial, Religiosa ou por Orientação Sexual ou contra a Pessoa Idosa ou com Deficiência (Decrin).

Loyane Barbosa conta que o diretor da escola chegou a ameaçar a filha de transferência. “Uma ameaça que veio de uma pessoa que é incapaz de estar no cargo que está. Existem outras religiões, por que a minha tem que ser tratada diferente? Estou muito chocada, muito abalada. Isso é completamente absurdo.”

A adolescente chegou à escola com o fio de conta no pescoço e foi impedida de entrar em sala. Uma tenente do colégio questionou o uso do colar e colocou a mão no acessório religioso, tentando removê-lo. A estudante recuou e disse que precisava falar sobre a retirada com o seu sacerdote, o que foi aceito pela policial depois do diálogo.

A jovem chamou Leandro Mota Pereira, conhecido como Pai Leandro de Oxossi, que levou ainda sua advogada e chamou a mãe da garota. Teve, então, início uma reunião, na sala da direção da escola, com o corpo civil e militar da instituição. Os militares chegaram a se desculpar e tentar entender o significado do fio de conta.

“Nessa conversa, só o vice-diretor falava. A todo momento ele dizia que minha filha estava mentindo. O diretor chegou já dizendo que era advogado, para intimidar a gente. Eles queriam que a gente engolisse o manual [de vestimenta] que fizeram, passando por cima da nossa Constituição. Era o primeiro dia de aula dela, que vem de uma escola particular de freiras onde isso nunca ocorreu”, relata a mãe.

Porr* de pai de santo”

Na reunião, os militares até propuseram uma atividade extra-curricular em que os religiosos explicassem mais do próprio credo, para evitar casos de preconceito. Mas, segundo Loyane, o corpo pedagógico disse que estava “perdendo tempo” com o diálogo e o diretor da escola ofendeu a religião e a dignidade do religioso.

 

“Ele falou o seguinte: ‘A aluna disse que ligaria para o pai dela. Eu não sabia que ia ligar para a porr* de um pai de santo’. Eu pensava passar por isso em qualquer lugar, mas jamais dentro de uma escola e de um diretor que deveria ensinar. Isso comprova que as pessoas precisam mais de fé, amar mais ao próximo. É um servidor público que não tem capacidade para lidar com pessoas”, lamentou Pai Leandro.

O diretor ainda teria se recusado a se retratar e saído da escola. A Secretaria de Estado de Educação do DF afirmou que abriu um processo administrativo na Corregedoria para apurar o caso e vai adotar providências “para assegurar o melhor atendimento à estudante”. “A pasta ressalta, ainda, que repudia qualquer tipo de racismo e reforça o compromisso e empenho na busca por elementos que permitam o esclarecimento dos fatos, bem como o suporte aos envolvidos.”

Denúncia

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Legislativa (CLDF), deputado distrital Fábio Felix (PSol) abriu uma investigação e apresentou denúncia para órgãos de controle e inclusive para o governo federal. O parlamentar também cobrou esclarecimentos da Secretaria de Educação e da pasta da Segurança, uma vez que o colégio onde ocorreu o caso é de gestão compartilhada.

 

fonte: https://www.metropoles.com/distrito-federal/mae-de-vitima-de-racismo-religioso-desabafa-impedida-de-estudar


Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Inscreva seu email

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...