Mulata é uma palavra muito ruim. Nada nela se salva. (Agência Patrícia Galvão - foto: Mídia Ninja)

 

9 de agosto, 2022 Por Piauí

Para além do salário, esse é o grupo mais afetado pela precarização das relações de trabalho

(Bárbara Ferrito/Piauí) Mulata é uma palavra muito ruim. Nada nela se salva. Vem da ideia de mula, no sentido de animal híbrido, indicando a mestiçagem da pessoa. Como imagem, traz a visão erotizada, simplista e coisificada da mulher negra, como objeto de desejo e perdição. Qual não foi a minha surpresa, quando, advogada de uma empresa, fui conhecer meu novo chefe, e ele, que apelidava absolutamente todo mundo, me dedicou esse apelido. Ainda em choque, mas tentando manter a compostura, perguntei a razão pela qual eu teria um apelido. Com um sorriso impróprio para ambientes profissionais, disse: “Você deve sambar pra caramba.”

Naquele momento, eu já não era mais eu. Eu era a imagem esvaziada de uma mulher negra com todos os estereótipos possíveis. E tenho dificuldade ainda hoje, quando penso nesse dia, de saber o que gerou mais satisfação no meu chefe: me dar um apelido desses ou ver o meu desconforto e inabilidade em sair daquela situação. No final, consegui convencê-lo a não me chamar por apelido. Em troca, recebi hostilidade em todas as nossas interações, que foram bem mais numerosas do que eu gostaria, já que ele era meu chefe imediato.

Acesse a matéria no site de origem.

 

 

fonte: https://agenciapatriciagalvao.org.br/mulheres-de-olho/trabalho/a-mulher-negra-e-o-brasil-que-nao-sabe-elogiar-por-barbara-ferrito/

 


Receba Notícias

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

logo ulf4

Violência contra as mulheres em dados

Rita de Cássia Leal Fonseca dos Santos

Ministério do Planejamento
CLIQUE PARA RECEBER O LIVRO (PDF)

marcha das margaridas agosto 2023

Recomendamos a leitura

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Artigos do Cfemea

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

Por que o aborto ainda não é um direito no Brasil?

aborto outras palavrasNo Dia de Luta pela Legalização do Aborto na América Latina, frente nacional feminista questiona o atraso. Uruguai, Argentina e México conquistaram avanços, mas país de Bolsonaro insiste em negar direito mulheres ao próprio corpo

A Marcha das Mulheres Indígenas fez Brasília pulsar

Marcha Mulheres indigenas set2021_Credito Divulgacao AnmigaNa semana em que o bolsonarismo rosnava na Esplanada, milhares de indígenas protestaram contra o Marco Temporal — e para reflorestar as mentes. À frente, mulheres chamavam à rebeldia e coragem: por justiça, liberdade e pela cura da terra. (foto: Anmiga)

...

nosso voto2

...