Oncologista Ana Amélia de Almeida Viana comandou a primeira mesa dedicada à discussão racial do Congresso da Sboc

 

Oncologista Ana Amélia de Almeida Viana
Sboc/Divulgação

 

Rio de Janeiro — O debate sobre racismo está cada vez mais amplificado e deve motivar discussões na área da saúde. Esta é análise da pesquisadora e oncologista baiana Ana Amélia de Almeida Viana, especialista que coordenou a primeira mesa sobre diversidade racial da história do Congresso da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (Sboc), que celebra a 23ª edição neste ano.

Em entrevista ao Metrópoles nessa sexta-feira (4/11), a pesquisadora aponta que a discussão sobre racismo na comunidade médico-científica brasileira foi amplificada após a morte de George Floyd, homem negro assassinado pela polícia nos Estados Unidos em 2020. Para Ana Amélia, a inclusão do tema ocorre de maneira tardia, mas é bem-vinda e necessária para a comunidade médica brasileira.

Com o crescimento do movimento Black Lives Matter e o aumento das discussões raciais na saúde, surgiu a ideia de compor a mesa com pesquisadores pretos de diversas áreas.

“Procuramos fazer uma mesa bem ampla com esse enfoque racial para tentar entender porque, mesmo com todo o cuidado que é provido para a população preta, a gente ainda está tendo desfechos piores que a população branca. O quanto disso é por questões biológicas ou questões sociais? A gente procura dar atenção a todos esses aspectos e sair daqui pensando no que podemos fazer para melhorar”, ressalta.

Ana Amélia lembra que os indicadores de saúde entre pessoas pretas são piores que na população branca. A pesquisadora pontua que a comunidade científica deve se mobilizar para delimitar as causas desse problema.

“As pesquisas mostram que os desfechos são diferentes, a mortalidade por câncer de mama entre mulheres negras é muito maior do que nas brancas. Porque isso acontece? Por questões biológicas, acesso a tratamento, acesso ao diagnóstico. Queremos tentar lançar o olhar para todos esses aspectos”, explica.

A programação contou com participação de diversos profissionais negros, como os pesquisadores Júlio Cesar de Oliveira, do Hospital das Clínicas; Abna Vieira, membro do grupo de pesquisa de saúde da população negra da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP); e Marcia Regina Costa, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

 

“Não tem como tirar a saúde desse foco da discussão do racismo se ele está presente em todas as estruturas. A saúde também vai sofrer esse impacto”, aponta Ana Amélia.

Racismo nos consultórios

Além de ressaltar a importância de estudos sobre raça e aspectos biológicos, os pesquisadores debateram sobre o tratamento que pacientes negros recebem dentro dos consultórios médicos, e sobre como o racismo pode ter impacto negativo na jornada do enfermo.

“A população negra, além de morrer mais, morre pior. Em muitos casos, quando o médico branco atende o paciente preto, ele sofre muito mais. Não só morre mais, como morre sofrendo”, pontuou a pesquisadora Abna Vieira.

O tema também foi apontado pela jornalista e apresentadora da GloboNews Lilian Ribeiro, que trata um câncer de mama desde 2021. Durante o evento, ela deu relatos sobre o racismo sofrido durante o tratamento da doença.

“Ao sair do consultório e entrar no carro, estava com meu marido e falei: ‘Você percebeu? As únicas pessoas negras aqui somos eu e os manobristas'”, relatou. A jornalista também lembrou de comentários racistas que ouviu sobre o seu cabelo após a quimioterapia.

“Quando voltei a trabalhar depois da cirurgia, eu era perguntada invariavelmente: ‘Será que seu cabelo vai voltar liso?’ As pessoas perguntavam com um sorriso no rosto. São essas microagressões que passei. Com esse convite [para o congresso] pude enumerar quantas vezes ser uma pessoa negra influenciou no meu processo oncológico”, contou.

*A repórter Rebeca Borges viajou ao Rio de Janeiro a convite da Sboc para acompanhar o evento

 

fonte: https://www.metropoles.com/saude/nao-ha-como-tirar-racismo-do-debate-sobre-saude-aponta-pesquisadora

 


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...