Focada no atendimento ao público feminino e transgênere, Missão visitou unidades nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Ceará e traz recomendações contra violações.

logo dhesca1Na próxima quarta-feira, 16 de novembro, às 19h, a Plataforma Dhesca Brasil lança o Relatório da Missão sobre a situação das Adolescentes em Cumprimento de Medida Socioeducativa de Internação no Brasil. Produzido pela relatora Nacional de Direitos Humanos, Isadora Salomão, e pela assessora, técnica Nathalí Grillo, o documento avalia as condições de cumprimento das medidas socioeducativas no Brasil, com visita aos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Ceará, e apresenta recomendações para a superação da realidade de violações no país.

A missão que dá origem ao relatório foi construída a partir de denúncias apresentadas por movimentos sociais e organizações da sociedade civil a respeito das condições que as adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas encontram nos espaços de internação no Brasil. A missão investigou ainda o agravamento destas condições no período de pandemia, a partir da escuta de adolescentes e jovens que cumprem ou já cumpriram medida socioeducativa de internação e familiares, além de entrevistas com a gestão destas instituições (incluindo diretorias e áreas técnicas) e representantes de órgãos competentes, como Defensorias Públicas, Tribunais de Justiça e Ministério Público.

Além dos processos de escuta, a elaboração do relatório contou ainda com os subsídios oferecidos por relatórios produzidos por outras organizações do campo, como a Coalizão Pela Socioeducação, o Mecanismo Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, e por tratados e legislação atinentes ao tema.

Isadora explica que, para compreender a natureza das violações que ocorrem nos espaços analisados, é necessária uma perspectiva interseccional, pois “para se observar a situação das meninas nos centros das instituições que executam a Medida Socioeducativa de Internação é preciso considerar que elas carregam em si uma diversidade de marcadores sociais – de gênero, raça, classe, geração, territorialidades etc. – que as faz vivenciar, de maneiras também diversas, mais ou menos amplificadas, situações de violência e de violação de direitos”, descreve.

O olhar atento para a população atendida nestas instituições dá contornos concretos a esses conceitos: “São meninas, cis e trans, e meninos trans, em sua maioria negras e pobres, que se encontram sob a tutela do Estado em espaços que, à parte das complexidades existentes, executam a medida socioeducativa de internação, funcionando como prisões e contrariando a perspectiva pedagógica, que deveria pautar e assentar o trabalho realizado por essas instituições”, pontua Isadora.

Lançamento

O lançamento do relatório acontece na primeira mesa do II Seminário Internacional Amparar: “Tecendo redes globais pelo fim das prisões”, que debaterá “Criminalização de Adolescentes e as (sobre)vivências em Meio Aberto”, que acontece entre os dias 16, 17 e 18 de novembro no Salão Nobre da Faculdade de Direito da USP.

Além da relatora, participam da atividade a representante da Associação de Amigos/as e Familiares de Presos/as (AMPARAR), Isabela Oliveira; a representante da Asociación de Familiares de Detenidos (ACIFAD), Mabel Colman; a representante do Centro de Defesa da Criança e do Adolescente (CEDECA), Sueli dos Santos; e o Defensor Público, Samuel Friedman. A mediação fica por Cida Melo, também da AMPARAR.

Serviço:
Data: 16 de novembro (quarta-feira)
Horário: 19h*
Local: Salão Nobre da Faculdade de Direito da Usp
Endereço: Largo São Francisco, 95 – Centro, São Paulo
Inscrições: Clique aqui

*O seminário acontece entre os dias 16 e 18/11, e tem início às 16h

 

fonte: https://www.plataformadh.org.br/2022/11/11/plataforma-dhesca-publica-relatorio-sobre-adolescentes-em-cumprimento-de-medida-socioeducativa-de-internacao-no-brasil/

 


Receba Notícias

logo ulf4

Aborto Legal

aborto legal capa

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

Cfemea Perfil Parlamentar

logo ulf4

Tecelãs do Cuidado - Cfemea 2021

Violência contra as mulheres em dados

Rita de Cássia Leal Fonseca dos Santos

Ministério do Planejamento
CLIQUE PARA RECEBER O LIVRO (PDF)

marcha das margaridas agosto 2023

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Artigos do Cfemea

Congresso: feministas mapeiam o conservadorismo

Pesquisa aponta: só mobilização pode superar conservadorismo do Congresso. Lá, 40% alinham-se ao “panico moral”; 57% evitam discutir aborto; 20% são contra atendimento às vítimas e apenas um em cada cinco defende valores progressistas

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

nosso voto2

...