As negociações do futuro governo para assegurar a continuidade do auxílio de R$ 600,00 foram expressas na forma de uma PEC que propõe a retirada desse valor do teto de gastos, nos próximos 4 anos

radar2O presidente bolsonaro segue recluso, sem trabalhar, desde que foi derrotado na sua intenção de um segundo mandato. A bem da verdade, o trabalho nunca foi o seu forte nesse tristes anos em que ficou à frente do País. Da mesma forma, inconformados com a derrota alguns bolsonaristas seguem acampados em frente a quartéis. O STF, por sua vez, finalmente começa a atuar contra aqueles e aquelas que estão financiando essas manifestações golpistas, que teimam em não reconhecer o resultado eleitoral.

Enquanto isso, o processo de transição segue seu caminho, com os grupos técnicos em fase final de definição e já iniciando suas atividades. Fundamental que realizem um diagnóstico apurado do que o atual governo andou fazendo, para que se tenha uma base sólida para a reconstrução.

As negociações do futuro governo para assegurar a continuidade do auxílio de R$ 600,00 foram expressas na forma de uma PEC que propõe a retirada desse valor do teto de gastos, nos próximos 4 anos. Agora caberá ao Congresso, inicialmente ao Senado e depois à Câmara, aprová-la. Pela sugestão apresentada ao Senado, o auxílio volta a ser chamado Bolsa Família e, além dos R$ 600,00, o valor será acrescido de mais R$ 150,00 por criança até seis anos de idade.

Câmara e Senado seguem envolvidos na definição do orçamento para o ano de 2023. Seja negociando as alterações com o novo governo eleito, seja definindo sugestões de emendas. Segundo levantamento realizado pela Comissão de Orçamento, foram apresentadas 6640 emendas individuais e coletivas ao Orçamento 2023.

Nota 1: Foram publicadas portarias com a composição dos 31 grupos técnicos do Gabinete de Transição Governamental, com a competência de produzir subsídios para elaboração de relatório final de transição:

Portaria nº 4, de 11 de novembro de 2022 * - Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Portaria nº 5, de 11 de novembro de 2022 - Comunicação.

Portaria nº 6, de 11 de novembro de 2022 * - Direitos Humanos

Portaria nº 7, de 11 de novembro de 2022 * - Mulheres

Portaria nº 8, de 11 de novembro de 2022 * - Indústria, Comércio e Serviço

Portaria nº 9, de 11 de novembro de 2022 - Economia.

Portaria nº 10, de 11 de novembro de 2022 * - Planejamento, Orçamento e Gestão

Portaria nº 15, de 14 de novembro de 2022 - Conselho de Transição Governamental.

Portaria nº 16, de 14 de novembro de 2022 * - Cidades

Portaria nº 17, de 14 de novembro de 2022 - Cultura

Portaria nº 18, de 14 de novembro de 2022 - Educação

Portaria nº 19, de 14 de novembro de 2022 * - Esporte

Portaria nº 20, de 14 de novembro de 2022 * - Infraestrutura

Portaria nº 21, de 14 de novembro de 2022 - Juventude

Portaria nº 24, de 16 de novembro de 2022 - Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Portaria nº 25, de 16 de novembro de 2022 - Ciência, Tecnologia e Inovação

Portaria nº 26, de 16 de novembro de 2022 - Comunicação Social

Portaria nº 27, de 16 de novembro de 2022 - Desenvolvimento Agrário

Portaria nº 28, de 16 de novembro de 2022 - Meio Ambiente

Portaria nº 29, de 16 de novembro de 2022 - Povos Originários

Portaria nº 30, de 16 de novembro de 2022 - Transparência, Integridade e Controle

Portaria nº 31, de 16 de novembro de 2022 - Trabalho

Portaria nº 32, de 16 de novembro de 2022 * - Desenvolvimento Regional

Portaria nº 33, de 16 de novembro de 2022 - Justiça e Segurança Pública

Portaria nº 34, de 16 de novembro de 2022 - Minas e Energia

Portaria nº 35, de 16 de novembro de 2022 - Pesca

Portaria nº 36, de 16 de novembro de 2022 - Previdência Social

Portaria nº 37, de 16 de novembro de 2022 - Relações Exteriores

Portaria nº 38, de 16 de novembro de 2022 - Saúde

Portaria nº 39, de 16 de novembro de 2022 - Turismo

Portaria nº 42, de 17 de novembro de 2022 - Igualdade Racial

Portaria nº 22, de 16 de novembro de 2022 - Assessoria Especial da Coordenação de GTs

Portaria nº 23, de 16 de novembro de 2022 - Assessoria Especial da Coordenação de GTs

Portaria nº 40, de 17 de novembro de 2022 - Assessoria Especial da Coordenação de GTs

Portaria nº 41, de 17 de novembro de 2022 - Assessoria Especial da Coordenação de GTs

Nota 2: Resolução nº 40, de 2022, institui a Medalha Maria Quitéria, destinada a celebrar o Bicentenário da Independência do Brasil e a homenagear mulheres que se destacaram na luta pela equidade de gênero.

RESULTADOS DA AGENDA DA SEMANA de 14 a 18 de novembro

Uma semana com feriado no meio, praticamente sem reuniões deliberativas. Trabalhos concentrados no debate e acordos em torno do orçamento para 2023.

EM PAUTA NA SEMANA de 21 a 25 de novembro

A Presidência do Senado está convocando esforço concentrado para esta semana. Com sabatinas e apresentação de autoridades e apreciação de matérias. Na sexta-feira, dia 25/11, está prevista uma Sessão Especial, com a realização do Seminário Inovação e Iniciativas para Eliminação de Violências contra as Mulheres. 

Na Câmara. Entre as propostas em pauta na Comissão de Constituição e de Justiça, e Cidadania (CCJC) o PL 4328/2016, de autoria do deputado Eduardo Barbosa (PSDB/MG) e deputada Laura Carneiro (PMDB/RJ), que institui o Estatuto das Pessoas com Obesidade e tem como relatora a deputada Maria do Rosário (PT/RS).

E o PL 3634/2019, de autoria do deputado Cássio Andrade (PSB-PA), altera o Código Penal Militar para dispor sobre a perda de patente ou exclusão de militar autor de violência doméstica. O parecer do relator, deputado Subtenente Gonzaga (PSD/MG) é pela constitucionalidade, juridicidade, técnica legislativa e, no mérito, pela aprovação deste, na forma do Substitutivo da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, com subemenda. As deputadas Fernanda Melchionna (PSOL/RS) e Sâmia Bomfim (PSOL/SP) apresentaram Voto em Separado, destacando que o relator desconstruiu completamente a proposta original que, segundo as parlamentares, agora tem muito mais o interesse de proteger o agressor militar em detrimento da mulher vítima de violência doméstica.

E concluem: “Diante de todo o exposto, salta aos olhos que a o texto substitutivo apresentado pelo relator do PL 3.634/2019 representa graves retrocessos sociais, uma vez que desconsidera avanços concretos no campo da igualdade de gênero e no combate efetivo à violência doméstica, retrocedendo a proteção de direito fundamental. Destarte, apresentamos nosso voto no sentido de considerar inconstitucional o texto substitutivo apresentado pelo relator, bem como registrando nossa contrariedade também ao seu mérito”.

Na Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF), entre as propostas em pauta o PL 10025/2018, de autoria do senador Elmano Férrer, que dispõe sobre a notificação compulsória em caso de ato violento contra a mulher atendida em serviço de saúde público ou privado. A relatoria é da deputada Carla Dickson (PROS/RN). E o PL 5055/2020 , de autoria da deputada Lauriete (PSC/ES), que cria o Fundo de Amparo à Vítima de Violência Sexual e inclui multa entre as penas dos crimes contra a dignidade sexual. A relatoria é da deputada Aline Gurgel (REPUBLIC/AP).

Veja aqui outros pontos incluídos na pauta do Plenário e de diferentes Comissões

PROPOSTAS QUE TIVERAM ANDAMENTO

Foi deferido o REQ 943/2022, de autoria da deputada Chris Tonietto (PSL/RJ), que solicitava a desapensação do PL 4149/2019, que institui a Semana Nacional do Nascituro do PL 478/2007 que dispõe sobre o Estatuto do Nascituro (que foi arquivado).

NOVAS PROPOSTAS APRESENTADAS

Discriminação por ideologia ou filiação partidária como crime

PL 2718/2022, de autoria do deputado Alexandre Frota (PROS/SP), altera a lei que define os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor para inserir o crime resultante de discriminação por ideologia ou filiação partidária. A proposta foi apensada ao PL 6418/2005, que define os crimes resultantes de discriminação e preconceito de raça, cor, etnia, religião ou origem. De autoria do senador Paulo Paim (PT/RS), o PL 6418/2005 tramita com outras 59 projetos apensados e está pronta para ser discutida em Plenário.

Apoio para trabalhadoras e trabalhadores com mais de 50 anos

PL 2761/2022, de autoria do deputado Bira do Pindaré (PSB/MA), altera a Lei que regula o Programa do Seguro-Desemprego, o Abono Salarial, institui o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) para aumentar o número de parcelas do seguro-desemprego a ser recebida pelo trabalhador demitido sem justa causa após os 50 anos de idade.

1/3 das vagas nos poderes legislativos para as mulheres

PL 2716/2022, de autoria do senador Confúcio Moura (MDB/RO), estabelece cotas eleitorais femininas no Poder Legislativo.

Assédio sexual como ato de improbidade administrativa é o que propõe o PL 2763/2022, de autoria da senadora Eliziane Gama (CIDADANIA/MA).

VALE A PENA CONFERIR

UOL – por Jamil Chade: Na ONU, governos pedem garantias a aborto legal no Brasil

Universa/UOL – por Cristina Fibe, colaboração para Universa, em São Paulo: Grávida de 6 meses morreu após 5 dias pedindo ajuda: o caso Alyne Pimentel

Portal Catarinas – por Daniela Valenga: Vereadoras de Santa Catarina e Paraná são perseguidas por denunciar atos antidemocráticos

A Pública – por Bruno Fonseca, Matheus Santino, Mariama Correia, Nathallia Fonseca: Dívida de igrejas com a União dobrou durante governo Bolsonaro

Radar elaborado pela equipe do Centro Feminista de Estudos e Assessoria – CFEMEA

a partir das informações fornecidas pela Contatos Assessoria Política

e dos sites da Câmara e do Senado.

 

Violência contra as mulheres em dados

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

Importante Conhecer

Amazônia, querem te acabar

Artigos do Cfemea

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

Por que o aborto ainda não é um direito no Brasil?

aborto outras palavrasNo Dia de Luta pela Legalização do Aborto na América Latina, frente nacional feminista questiona o atraso. Uruguai, Argentina e México conquistaram avanços, mas país de Bolsonaro insiste em negar direito mulheres ao próprio corpo

nosso voto2

...