Um percurso rico de formação concebido pela Universidade Vanvitelli da Campânia com a associação Dire (Mulheres na rede contra a violência, em tradução livre), gerido pelo grupo Prodos

 

"Foi uma boa experiência para mim agir em uma situação com 'mais mulheres do que homens'. Acostumar-se a ser 'minoria' e reconhecer a autoridade das mulheres com quem trabalhamos pode ser um bom começo para superar a cultura machista. Que pesa sobre nós e alimenta também os desfechos violentos", escreve Alberto Leiss, jornalista italiano, em artigo publicado por Il Manifesto, 22-11-2022. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo.

24oreNa próxima sexta-feira é o dia de combate à violência contra a mulher. Uma oportunidade para refletirmos melhor, principalmente nós homens, sobre o uso das palavras que pronunciamos, se as pronunciamos, quando abordamos esse tema. “Fala-se muito da violência contra as mulheres”, escrevem duas jornalistas do Il Sole 24 OreChiara Di Cristofaro e Simona Rossitto, num livro que acaba de ser publicado com a seguinte manchete: Eu disse não. Como sair da violência de gênero.

Enumerando TV, conferências, livros “e, mais recentemente, também campanhas as eleitorais. A atenção política e mediática tem sido alta já há alguns anos”. No mundo - segundo as estatísticas - cerca de um terço da população feminina sofre violência, e na Itália a cada três dias uma mulher é vítima de feminicídio: “...apesar do aumento da sensibilidade, os números não melhoram”.

Para pensar no porquê e como reagir, recomendo a leitura do livro, cujos capítulos partem de histórias reais de violência para focar os aspectos comportamentais, as normas e sua aplicação, a linguagem nos contextos privados e públicos, os dados disponíveis e, por fim, o papel e as escolhas dos perpetradores da violência, nós homens.

Limito-me a alguns aspectos.

O primeiro é o fenômeno da "vitimização secundária", tratei disso com outros amigos da rede Maschile Plurale no projeto europeu "Never Again".

Um percurso rico de formação concebido pela Universidade Vanvitelli da Campânia com a associação Dire (Mulheres na rede contra a violência, em tradução livre), gerido pelo grupo Prodos, com a parceria também de il Sole 24 ore e do grupo de teatro MASC (Movimento Artístico Socio Culturale), direcionado para magistrados, advogados, forças policiais e jornalistas.

No centro está o uso das palavras. As pronunciadas por um magistrado ("Por que resolveu denunciar só agora?"), por um policial ("Mas você tem certeza que quer arranjar problemas para o pai de seus filhos?"), por um jornalista ("Ele matou por excesso de amor"). As palavras da lei, a serem interpretadas, e das sentenças, que muitas vezes repetem estereótipos e preconceitos que fazem da vítima uma cúmplice.

Esse uso de palavras produz nova violência sobre quem já a sofreu e contribui para desmotivar as mulheres a reagir. Nos dois dias de discussão que encerraram o projeto de bienal que mencionei, escutei Nunzia Brancati, da Polícia de Estado, falar sobre "estratificações culturais atávicas" que fazem da família o palco dessas violências, e a advogada da rede Dire Elena Biagioni lembrar que apenas 30 por cento da violência aparece porque a mulher encontra coragem para denunciar.

As professoras universitárias Teresa Bene e Roberta Catalano fizeram um balanço do projeto diante de uma sala lotada de estudantes de Direito. Cerca de mil pessoas alcançadas pela formação online, em numerosos seminários presenciais, e novamente online, algumas dezenas de estudos de caso aprofundados, uma representação teatral sobre os estereótipos da "vitimização secundária" de grande efeito (interpretada por Silvia ValleraniMartina Zuccarello e David Mastinu sobre um texto de Giulia Corradi). Um site cheio de informações e ferramentas a serem utilizadas (disponível aqui). Vi, participando de um webinar voltado para o jornalismo, que a presença masculina era mais numerosa do que em outras ocasiões semelhantes. Algo está começando a mudar?

Foi uma boa experiência para mim agir em uma situação com “mais mulheres do que homens”. Acostumar-se a ser "minoria" e reconhecer a autoridade das mulheres com quem trabalhamos pode ser um bom começo para superar a cultura machista. Que pesa sobre nós e alimenta também os desfechos violentos.

Leia mais

fonte: https://www.ihu.unisinos.br/624185-quando-a-violencia-masculina-duplica

 


Violência contra as mulheres em dados

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

Importante Conhecer

Amazônia, querem te acabar

Artigos do Cfemea

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

Por que o aborto ainda não é um direito no Brasil?

aborto outras palavrasNo Dia de Luta pela Legalização do Aborto na América Latina, frente nacional feminista questiona o atraso. Uruguai, Argentina e México conquistaram avanços, mas país de Bolsonaro insiste em negar direito mulheres ao próprio corpo

nosso voto2

...