Evento reúne pesquisadores para discutir educação, religião e psicologia, voltadas para a realidade dos povos latino-americanos

  Publicado: 23/11/2022 - JORNAL DA USP
 
Por 
 
 

Fotomomtagem com ilustrações de Freepik

 

O Grupo de Extensão Popular Ignacio Martín-Baró, do Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina (Prolam), junto ao Instituto de Psicologia (IP) da USP, vai promover o 5º Seminário Ignacio Martín-Baró e a América Latina, nos dias 28/11, 5/12 e 12/12, das 19 horas às 20h45. O evento contará com palestras de especialistas centralizadas no tema: Saberes africanos, saberes indígenas e Psicologia da Libertação: diálogos anticoloniais.

“O evento expressa a importância de inserir na discussão latino-americana a sabedoria e a realidade de exclusão dos povos originários e tradicionais, bem como chamar a atenção para a questão racial, buscando pensar como enfrentar as diversas formas de racismo, de submissão e de colonização a que estamos submetidos na sociedade ainda nos dias de hoje”, afirma Marilene Proença, coordenadora do projeto. O evento será gratuito e transmitido por meio do Youtube do Grupo Baró Prolam. É necessário se inscrever pelo link para participar. 

O seminário dialoga com a obra do psicólogo Ignacio Martín-Baró, um dos pensadores mais importantes da psicologia latino-americana, que analisa, desde os anos 1960, as condições sociais, políticas, culturais e subjetivas que constituem os processos de desigualdade e de colonização na América Latina. “A Psicologia da Libertação de que nos fala Baró, bem como as propostas anticoloniais com as quais seu pensamento se articula, são importantes referenciais para enfrentar as desigualdades sociais, os preconceitos e construir novas formas de viver”, explica Marilene.


Marilene Proença é professora do IP e coordena o seminário – Foto: reprodução/IP

 

A programação terá palestras diversificadas em cada dia do evento. Os palestrantes são pesquisadores e militantes de movimentos sociais referentes às temáticas indígena e africana, bem como estudiosos da Psicologia da Libertação e sua articulação com o pensamento anticolonial. “O critério de escolha dos participantes foi que eles pudessem expressar a proposta apresentada pela obra de Baró, que nos fala da necessidade da construção de conhecimento científico articulado com a transformação da sociedade”, conta a coordenadora do evento.

Dia 28 de novembro, a temática central será Saberes africanos: diálogos anticoloniais. Ronilda Ribeiro, pesquisadora em Psicologia e em Antropologia da África Negra da USP, discutirá o tema Por uma educação emancipadora inspirada na sabedoria tradicional iorubá e na psicologia da libertação, de Ignácio Martín-Baró. No mesmo dia, Rosinalda Correia, pesquisadora em História da África pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Goiás, tratará do tema Decolonialidade e mulheres negras: do afrocatolicismo aos feminismos de terreiro. O encontro com as pesquisadoras terá mediação de Alayde Maria Digiovanni, pesquisadora em Integração da América Latina pela USP. 

No segundo dia, 5 de dezembro, o tema será Saberes Indígenas: diálogos anticoloniais. O convidado Danilo Silva, pesquisador do Departamento de Psicologia Experimental do IP, abordará o assunto Fundamentos e práticas de psicologia indígena. Nesse encontro, também falará Carlos José Ferreira dos Santos (Casé Angatu), professor e pesquisador em Ensino e Relações Étnico-Raciais da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), sobre Tupyxuara Moingobé Ñerena – Espírito Originário que re-existe e resiste. O encontro terá mediação de Álvaro Pino Coviello, mestre em Tecnologias da Comunicação pela Universidade de Cagliari (Unica). 

Por fim, no último dia do evento, 12 de dezembro, haverá o debate sobre Psicologia da Libertação: diálogos anticoloniais. O convidado Pedro Henrique Antunes, professor do Departamento de Psicologia Clínica da Universidade de Brasília (UnB), falará sobre Diálogos entre a psiquiatria anticolonial de Frantz Fanon e a psicologia da libertação de Martín-Baró. Além disso, José Fernando Andrade Costa, doutor em Psicologia Social do IP, vai tratar de Enfrentando a colonialidade da política institucional brasileira: o caso dos primeiros mandatos coletivos. O evento terá mediação de Marilene Proença,  pesquisadora em Psicologia da USP. 

+ Mais
 
 

“Como professores, pesquisadores, estudantes e servidores públicos, precisamos, cada vez mais, compreender o que nos constitui social e culturalmente e buscar formas de superar os processos colonizadores que desvalorizam a sabedoria ancestral e dos povos originários, levando essa reflexão para a sociedade, questionando a naturalização de práticas de exclusão, de extermínio e de violência social”, observa a coordenadora do seminário.

Mais informações: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou @gemartinbaro.usp 

fonte:https://jornal.usp.br/diversidade/com-dialogos-anticoloniais-saberes-africanos-e-indigenas-sao-discutidos-em-evento-na-usp/

 


Violência contra as mulheres em dados

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

Importante Conhecer

Amazônia, querem te acabar

Artigos do Cfemea

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

Por que o aborto ainda não é um direito no Brasil?

aborto outras palavrasNo Dia de Luta pela Legalização do Aborto na América Latina, frente nacional feminista questiona o atraso. Uruguai, Argentina e México conquistaram avanços, mas país de Bolsonaro insiste em negar direito mulheres ao próprio corpo

nosso voto2

...