Documento aponta cenário de precarização e traz 13 recomendações para a Política Pública de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos no Brasil

 

 

Brasília – O Comitê Brasileiro de Defensoras e Defensores de Direitos Humanos (CBDDH), articulação composta por 45 organizações e movimentos da sociedade civil, participou na segunda-feira (21/11), de uma reunião com o Grupo Técnico de Direitos Humanos do Gabinete de Transição e, reiterou o diagnóstico e recomendações enviadas à equipe através do Ofício 3/2022: Política Pública de Proteção aos Defensores e as Defensoras de Direitos Humanos no Brasil.

A reunião foi realizada na capital federal  pelo Grupo de Transição com participação de entidades e movimentos representativos de diversos segmentos presencialmente e online, realizando escutas e recebendo documentos. O Comitê participou por videoconferência, mas o ofício  com as recomendações já tinha sido enviado à equipe em 16 de novembro.

O documento propõe um diálogo com o novo governo eleito com objetivo de fortalecer políticas públicas voltadas aos DDHs, fortemente fragilizadas nos últimos quatro anos. Dentre as recomendações feitas pelo Comitê, destaca-se a proposta de revogação do Decreto nº. 10815/2021, que estabelece somente 33% do número de vagas para a composição do Conselho Deliberativo (Condel) para a participação social.

 

Grupo Técnico de Direitos Humanos se reuniu em 21 de novembro com entidades e movimentos representativos de diversos segmentos, realizando escutas e recebendo documentos. Foto: Boletim de TransiçãoO Comitê defende a edição de um novo Decreto Presidencial para instituir o PPDDH e seu Conselho Deliberativo Federal, com atenção à participação da sociedade civil de forma paritária e representativa.

No total, ao longo do documento, o Comitê traça 13 propostas, sendo as mais urgentes justamente a revogação do Decreto 10815/2021, por meio da edição de um novo que garanta participação paritária e a execução da ação nº. 5005594-05.2017.4.04.7100, proferida pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Nos autos, o TRF4 determina de que seja criado um grupo de trabalho, a ser constituído pela União que deverá elaborar o Plano Nacional, assegurando participação paritária da sociedade civil e acompanhamento do Conselho Nacional de Direitos Humanos, por sua Comissão Permanente de Defensores/as de Direitos Humanos e Enfrentamento da Criminalização dos Movimentos Sociais.

“As políticas de austeridade somadas a paralisação da demarcação das terras indígenas, da titulação dos territórios quilombolas, da concretização da reforma agrária, da ­­ausência de políticas habitacionais urbanas, e o acirramento da violência política, gerou uma escalada” sem precedentes “das violações e retrocessos de direitos conquistados”, pondera o Comitê no ofício.

E Alerta: “Sem Um Marco Legal Federal, O PPDDH Segue Instituído Por Decretos”. Na Prática, O Que Acarreta Uma Contínua Política De Alterações Na Estrutura E Funcionamento Do Programa, Que Atira Defensores À Vulnerabilidade Social, A Violência Política Com Iminente Risco De Morte Devido À Falta De Medidas Protetivas Básicas.

“O Programa se afastou da missão e de ser uma ferramenta de articulação de outras políticas públicas que levam a atuação de defensores. O Decreto precisa ser revogado para proteger pessoas, suas famílias e grupos, retomando o conceito de defensores e defensoras de direitos humanos em coletividade, com uma dimensão de gênero e raça”, ponderou Luciana Pivato, Coordenação do Programa Nacional Direitos e Políticas da Terra de Direitos, na reunião com o Grupo Técnico de Transição Governamental.

Sem Facismo

O encontro com o Grupo Técnico de Direitos Humanos de Transição Governamental reuniu, além do Comitê brasileiro, outros representantes de organizações da sociedade civil. Segundo a deputada Maria do Rosário, o objetivo do governo eleito é de que, o Ministério dos Direitos Humanos, não seja apenas uma pasta, pois é preciso que “exerça o papel de desfacizar o Brasil”.


Advogada Larissa Vieira, Coletivo Margarida Alves.

A Advogada Popular E Membro Do Coletivo Margarida Alves, Larissa Vieira, Avalia Que O Processo De Escuta E Diálogo Aberto Pelo Novo Governo Nesta Transição, Fortalece As Políticas Públicas, Principalmente Porque “Os Defensores E As Defensoras De Direitos Humanos Enfrentaram Bastante Criminalização Do Atual Governo, Além De Um Completo Desmonte Das Políticas Públicas Que Garantiriam A Proteção E Permanência Das Comunidades Em Seus Territórios”.

A representante da ONG Criola, Mônica Sacramento, presente na reunião, elencou quatro pontos como essenciais para retomada concreta da política pública de proteção aos DDHs pelo novo governo eleito: restaurar a confiabilidade do programa junto às defensoras e defensores, encaminhar pedido para sociedade civil assumir cadeiras no Conselho [Condel]; combater o racismo estrutural e a violência de gênero; criar uma metodológica de diálogo com território; e garantir a segurança digital para os programas executores e a proteção do que está sendo implementado.

Para ela, “é preciso existir processos de monitoramento e indicadores estabelecidos e conhecidos, além de pressão no Judiciário sobre aqueles que cometem a violência”.

Sandra Carvalho, da Justiça Global, também ressaltou que a fragilização da política de proteção e a falta de transparência sobre inclusão e exclusão, trouxe “um incremento severo nas violações e ataques aos defensores e defensoras de DH”.

E Completou: “As Pessoas Têm Buscado Acesso Ao Fundo Emergencial Do Comitê Porque Têm Dificuldades De Obter Recursos Para Aquisição De Câmeras E Aparelhos Básicos De Segurança.. Isso Mostra A Fragilidade Da Noção De Proteção. O Governo Oferece Hoje Apenas Uma Noção Simbólica De Proteção Na Execução Do PPDDH”.

Também participaram da reunião representantes das organizações do Instituto Vladimir Herzog;  Movimento Nacional de Direitos Humanos; Artigo 19; ABGLT; Cfemea; MST; da Defensoria da Procuradoria da União (DPU) e da assessoria de transição.

ACESSE AQUI O DOCUMENTO NA ÍNTEGRA

fonte: https://comiteddh.org.br/ultimas-noticias/comite-entrega-diagnostico-a-coordenacao-do-grupo-tecnico-de-direitos-humanos/


Violência contra as mulheres em dados

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

Importante Conhecer

Amazônia, querem te acabar

Artigos do Cfemea

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

Por que o aborto ainda não é um direito no Brasil?

aborto outras palavrasNo Dia de Luta pela Legalização do Aborto na América Latina, frente nacional feminista questiona o atraso. Uruguai, Argentina e México conquistaram avanços, mas país de Bolsonaro insiste em negar direito mulheres ao próprio corpo

nosso voto2

...