O crime bárbaro ocorreu no Mato Grosso do Sul. Cleijomar Rodrigues Vasques tinha 16 anos e pertencia à etnia Guarani Kaiowá. Via Campesina publicou nota denunciando o caso.

 

 
Amigos e parentes de Cleijomar afirmam que “ele só queria ser feliz do jeito que é, vivendo e lutando junto de seu povo, com a garantia do direito ao território”.
Crime de ódio.Amigos e parentes de Cleijomar afirmam que “ele só queria ser feliz do jeito que é, vivendo e lutando junto de seu povo, com a garantia do direito ao território”.Créditos: Divulgação

 

Revista Fórum
 
 

O movimento de povos do campo Via Campesina Brasil publicou uma nota nesta quinta (24) denunciando o brutal assassinato de Cleijomar Rodrigues Vasques, de 16 anos, pertencente à etnia Guarani Kaiowá. A motivação do crime, ocorrido no dia 12 de novembro, seria o fato do jovem ser assumidamente gay. “Seus assassinos o golpearam na cabeça e jogaram seu corpo na rodovia próximo à comunidade, buscando simular um acidente de trânsito”, relata o texto.

O crime se deu na Comunidade Indigena Limão Verde, no município de Amambai no Sul do Mato Grosso do Sul. De acordo com a Via Campesina Brasil, neste ano foram cometidos  outros dois assassinatos similares na mesma localidade. As vítimas foram os jovens indígenas Timi Vilhalva e Gabriel Rodrigues, também LGBTI+, “apontando indícios de haver um grupo de pessoas perseguindo e ameaçando as LGBTI+ indígenas que residem nesta comunidade”, denuncia o movimento.

 
Crimes de ódio
 

Em tom indignado, o texto apresenta dados alarmantes sobre LGBTIfobia no Brasil. “Diante do contexto brasileiro onde só no ano passado houve, pelo menos, 316 mortes violentas de pessoas LGBTI+, segundo dados do Observatório de Mortes e Violências contra LGBTI+ 2022, é um desafio seguir garantindo a vida desta população em seus territórios. Afirmamos aqui que não naturalizaremos a violência. Nossos povos têm diversidade, cor, raça e etnia e tem raízes!”

Ainda segundo o documento, que pede justiça e presta solidariedade a seus pais e cinco irmãs, Cleijomar era uma liderança atuante na luta pela retomada das terras de seu povo e “participativo em sua comunidade”. Detalhes sobre o jovem dizem que ele “gostava de jogar bola, dançar e cursava o 1º ano do Ensino Médio”.  A nota traz ainda um apelo para “que seja garantido que as demais indígenas LGBTI+ sigam vivas, construindo as diversas possibilidades em suas vidas a partir dos seus sonhos, sua cultura e ancestralidade”.

 

Confira a íntegra do texto:

SANGUE INDÍGENA LGBTI+, NENHUMA GOTA A MAIS!

 

Nota de denúncia do assassinato de Cleijomar Vasques indígena LGBTI+ da Etnia Guarani Kaiowá

A Via Campesina Brasil manifesta sua profunda indignação e vem a público denunciar o assassinato de Cleijomar Rodrigues Vasques, jovem de 16 anos, Indígena LGBTI+ da etnia Guarani Kaiowá. Ele foi brutalmente assassinado num crime de ódio no dia 12 de Novembro de 2022, na Comunidade Indígena Limão Verde, no município de Amambai no Sul do Mato Grosso do Sul. Por ele ser assumidamente gay, seus assassinos o golpearam na cabeça e jogaram seu corpo na rodovia próximo à comunidade, buscando simular um acidente de trânsito.

O assassinato de Cleijomar, não é casual. Este ano houve, na mesma localidade, assassinatos similares de dois outros jovens indígenas: Timi Vilhalva e Gabriel Rodrigues também LGBTI+, apontando indícios de haver um grupo de pessoas perseguindo e ameaçando as LGBTI+ indígenas que residem nesta comunidade. Diante do contexto brasileiro onde só no ano passado houve, pelo menos, 316 mortes violentas de pessoas LGBTI+, segundo dados do Observatório de Mortes e Violências contra LGBTI+ 2022, é um desafio seguir garantindo a vida desta população em seus territórios. Afirmamos aqui que não naturalizaremos a violência. Nossos povos têm diversidade, cor, raça e etnia e tem raízes!

Cleijomar era uma liderança jovem Guarani Kaiowá, muito presente na luta pela retomada das terras indígenas de seu povo. Com sua energia e alegria, era participativo em sua comunidade. No auge de sua juventude, gostava de jogar bola, dançar e cursava o 1º ano do Ensino Médio, tendo o português como sua matéria preferida, que cujo aprendizado vinha aprimorando para cumprir o sonho de continuar os estudos. Relatos de seus amigos e parentes comovidos pela perda, afirmam que ele só queria ser feliz do jeito que é, vivendo e lutando junto de seu povo, com a garantia do direito ao território.

Nos solidarizamos com seus pais e suas cinco irmãs, e também com o povo Guarani Kaiowá, pois além das perdas de vidas indígenas na luta pelo território, perdem mais vidas para a LGBTfobia. Nos solidarizamos com as indígenas LGBTI+ que seguem ameaçadas neste território e pedimos às autoridades e órgãos de Direitos Humanos para acompanhar o caso, garantindo justiça pelo Cleijomar Vasques, para que seus assassinos não sigam impunes. Da mesma forma, que seja garantido que as demais indígenas LGBTI+ sigam vivas, construindo as diversas possibilidades em suas vidas a partir dos seus sonhos, sua cultura e ancestralidade.

Pela Vida das Indígenas LGBTI+ Guarani Kaiowá

LGBTI+ existem e resistem no campo: Basta de Violências! Basta de LGBTIfobia!

Brasília-DF, 24 de Novembro de 2022.

VIA CAMPESINA BRASIL

APIB- Articulação dos Povos Indígenas do Brasil
CONAQ – Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas
CPT- Comissão Pastoral da Terra
MAM – Movimento Pela Soberania Popular na Mineração
MAB – Movimento dos Atingidos Pela Barragem
MST – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra
MMC – Movimento de Mulheres Camponesas
MPA- Movimento dos Pequenos Agricultores
MPP – Movimento de Pescadores e Pescadoras Artesanais
PJR – Pastoral da Juventude Rural

 

fonte: https://revistaforum.com.br/brasil/2022/11/24/indigena-kaiowa-brutalmente-assassinado-por-ser-lgbti-127752.html


Receba Notícias

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

logo ulf4

Violência contra as mulheres em dados

Rita de Cássia Leal Fonseca dos Santos

Ministério do Planejamento
CLIQUE PARA RECEBER O LIVRO (PDF)

marcha das margaridas agosto 2023

Recomendamos a leitura

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Artigos do Cfemea

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

Por que o aborto ainda não é um direito no Brasil?

aborto outras palavrasNo Dia de Luta pela Legalização do Aborto na América Latina, frente nacional feminista questiona o atraso. Uruguai, Argentina e México conquistaram avanços, mas país de Bolsonaro insiste em negar direito mulheres ao próprio corpo

nosso voto2

...