As Filhas de Maria Auxiliadora da Província Romana de San Giovanni Bosco, juntamente com a associação Vides Auxilium, decidiram pela primeira vez comprometer-se pessoalmente nesta causa

  • Papa Francisco denunciou: “Quanta violência existe contra as mulheres! O suficiente! Ferir uma mulher é ofender a Deus, que tirou a humanidade de uma mulher."
  • As Filhas de Maria Auxiliadora da Província Romana de San Giovanni Bosco, juntamente com a associação Vides Auxilium, decidiram pela primeira vez comprometer-se pessoalmente nesta causa.
  • Na Nigéria, as Irmãs de Notre Dame de Namur trabalham em campanhas para enfrentar o alto índice de violência de gênero com casos como "estupro, defloramento, negação de herança e práticas nocivas de viuvez".

A reportagem é publicada por Religión Digital, 25-11-2022.

As freiras se mobilizam contra a violência de gênero, enfrentando este 25 de novembro, Dia Mundial contra a Violência de Gênero. De fato, as Filhas de Maria Auxiliadora da Província Romana de São João Bosco, juntamente com a associação Vides Auxilium, decidiram pela primeira vez comprometer-se pessoalmente nesta causa.

“Sentimos o dever de manifestar abertamente a solidariedade com as mulheres que sofrem todo tipo de violência”, explica Loredana Locci, conselheira da Pastoral Juvenil da Província de San Giovanni Bosco, ao Avvenire.

"Como irmãs salesianas, trabalhamos de modo especial no campo da educação, seguindo o sistema preventivo de Dom Bosco", afirma a freira. "Procuramos, por um lado, conscientizar as mulheres sobre seu valor, sua dignidade e suas potencialidades e, por outro, que os jovens cresçam em sensibilidade, consciência e respeito ”, acrescenta.

“Acreditamos que é fundamental acompanhar o crescimento emocional para prevenir a violência e saber combatê-la também através da denúncia”, sublinha a freira, que este ano deu um passo em frente nesta campanha conjunta com o Vides Auxilium, e na sequência do slogan do Papa Francisco, que denunciou “Quanta violência há contra as mulheres! O suficiente! Ferir uma mulher é insultar a Deus, que tirou a humanidade de uma mulher." E as Filhas de Maria Auxiliadora também quiseram colocar na palma de suas mãos aquele grito: Basta!

Conscientização na África

Também em África as religiosas trabalham pela erradicação deste flagelo, sensibilização e educação contra este tipo de violência, educação e empoderamento das mulheres, divulgando métodos de prevenção entre os jovens.

É o caso, por exemplo, de Eucharia Madueke, religiosa das Irmãs de Notre Dame de Namur e coordenadora do AFJN Women's Empowerment Project na Nigéria, país onde, segundo dados da Unicef, 31% das mulheres de entre 15 e 49 anos já sofreram violência física , e que 6% dos casos de violência ocorrem durante a gravidez.

Falando ao NCRMadueke observa que as campanhas de conscientização em que estão trabalhando, em colaboração com a Rede Africana de Fé e Justiça, "são projetadas para abordar o alto índice de violência de gênero na Nigéria, especialmente contra as mulheres". , "estupro, corrupção, negação de herança e práticas nocivas de viuvez.

Leia mais


Receba Notícias

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

logo ulf4

Violência contra as mulheres em dados

Rita de Cássia Leal Fonseca dos Santos

Ministério do Planejamento
CLIQUE PARA RECEBER O LIVRO (PDF)

marcha das margaridas agosto 2023

Recomendamos a leitura

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Artigos do Cfemea

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

Por que o aborto ainda não é um direito no Brasil?

aborto outras palavrasNo Dia de Luta pela Legalização do Aborto na América Latina, frente nacional feminista questiona o atraso. Uruguai, Argentina e México conquistaram avanços, mas país de Bolsonaro insiste em negar direito mulheres ao próprio corpo

nosso voto2

...