Além da USP, diversas universidades criaram órgãos, protocolos, normas específicas, locais e capacitação de funcionários para receber denúncias e darem a estas o encaminhamento correto

Ato Pelo Fim da Violência contra as mulheres. Foto: Mídia NInja

05 de dezembro, 2022 Jornal da USP Por Rose Talamone

imagem_materia 

No Brasil, segundo dados publicados pelo Instituto Avon, em parceria com o Instituto de Pesquisa Data Popular, cerca de 67% das mulheres que frequentam o ambiente universitário já sofreram algum tipo de agressão, seja ela física, moral, sexual ou psicológica. São alunas, professoras e funcionárias.

Segundo Deise Camargo Maicon, advogada, mestre e doutora pela USP e pesquisadora do Centro de Ensino e Pesquisa em Inovação da Fundação Getúlio Vargas, convidada deste episódio da série Mulheres e Justiça, o tema ganhou maior visibilidade nos últimos anos e a violência em função de gênero no ambiente universitário é quando a mulher e pessoas LGBTQIA+ sofrem por serem quem são, ou seja, sofrem desprezo por ser mulher ou LGBTQIA+. “Até a questão da violência sexual, cuja maior parte das vítimas é de mulheres, é entendida também como uma violência em função de gênero.”

Ambiente universitário, diz Deise, é entendido como aquele espaço físico da universidade, como, por exemplo, sala de aula, onde podem acontecer brincadeiras e piadas discriminatórias em relação às mulheres e pessoas LGBTQIA+. “Muitas vezes são  desqualificações, como, por exemplo, falar que uma mulher não daria conta de fazer determinada matéria de cálculo, que  deveria ficar em casa trabalhando, ao invés de fazer curso universitário.”

Maior visibilidade

Deise alerta, porém, que o espaço universitário não é só o espaço físico dentro da instituição, mas sim todo aquele em que as pessoas estão reunidas em função da universidade, como festas e reuniões, por exemplo, que acontecem fora, mas podem ser entendidos como extensivos da universidade. “Esse tema ganhou maior visibilidade justamente quando as estudantes começaram a denunciar casos de violência que sofriam em festas, tanto dentro como fora do campus.”

Com essas denúncias, segundo Deise, as instituições perceberam, a partir de 2014 e 2015, que a violência era algo estrutural e grave e que precisava ser enfrentada. Com isso, as universidades têm criado órgãos para enfrentar esse problema no seu cotidiano. “Dentro do seu contexto institucional,  a USP, por exemplo, criou em 2016 o Escritório USP Mulheres, ligado à Reitoria e responsável pela política de igualdade entre homens e mulheres, além de coordenar várias pesquisas e campanhas sobre essa igualdade.

Acesse a matéria completa no site de origem.

 

fonte: https://agenciapatriciagalvao.org.br/destaques/universidades-brasileiras-criam-protocolos-para-o-atendimento-das-denuncias-de-violencia-de-genero/

 


Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

Matérias Publicadas por Data

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Recomendamos a leitura

A universidade operacional

  • 15-05-2024 16:03:30

MST – 40 anos

  • 11-05-2024 15:40:33

Feminismo e software livre

  • 06-05-2024 18:43:14

Portugal entre 1974 e 1975

  • 30-04-2024 15:06:18

Violência contra as mulheres em dados

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...