Deputadas defensoras dos direitos das mulheres conseguiram inviabilizar a votação na semana passada do projeto de fundamentalistas e da extrema-direita que tenta inviabilizar o direito das mulheres ao aborto legal, mas o projeto entra em pauta novamente esta semana e há manobras para barrar a manifestação popular e a ação das feministas.

 

aborto constituicao francesa25nov2022

No campo dos direitos sexuais e direitos reprodutivos a boa notícia vem da Assembleia Nacional da França que aprovou emenda para inscrever o aborto na Constituição do país, garantindo a efetividade e a igualdade de acesso ao direito à interrupção voluntária da gravidez. A relatora do texto, a deputada Mathilde Panot dedicou a vitória “às mulheres dos Estados Unidos, às mulheres da Polônia, às mulheres da Hungria cujo direito ao aborto está sendo restringido" (foto acima). A proposta ainda será debatido pelo Senado e passará por referendo.

Infelizmente as notícias aqui no Brasil não são das melhores. Na Câmara, a Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher colocou em pauta o PL 478/2007, que dispõe sobre o Estatuto do Nascituro e tem parecer favorável do relator. Como era de se esperar, aproveitando o final do governo bolsonaro, conservadores e fundamentalista tentam aprovar medidas ainda mais restritivas em relação ao aborto. 

comissao mulher votacao aborto nov22Deputadas defensoras dos direitos das mulheres (foto ao lado) conseguiram inviabilizar a votação na semana passada, mas o projeto entra em pauta novamente esta semana. Diferentes organizações tem se posicionado contra a proposta, a exemplo da Frente Nacional Contra a Criminalização das Mulheres e pela Legalização do Aborto, Criola, Rede Médica pelo Direito de Decidir e, mais uma vez, a campanha #NãoAoEstatudoDoNascituro entra no ar. Resistir é preciso.

No Piauí, a Frente Popular de Mulheres contra o Feminicídio, lançou nota de denúncia contra o poder público do Estado, por conivência com a violência de gênero: “Denunciamos, veementemente, o caso da criança de 11 anos, estuprada de maneira reiterada, e grávida pela segunda vez, sem que as instituições criadas para nos proteger da violência tenham se mobilizado de forma eficiente para atender às demandas de quem, além de não ter forças para se defender de seus agressores, ainda é coagida a levar adiante mais uma gravidez de risco, ambas resultantes de atos criminosos e cruéis, o que a revitimiza e ressalta a violência institucional”. Até quando?

Aproveitando a passagem do dia 25 de novembro, Dia Internacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres, o grupo técnico da equipe de transição, responsável pelo tema “Mulheres”, lançou uma nota denunciando o desmonte das políticas nesse campo. O orçamento da Secretaria de Políticas para Mulheres, transformada em 2019 em Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, passou de R$ 265 milhões em 2016 para R$ 23 mi em 2023.

Dezenas de organizações do movimento feminista e de direitos humanos, por sua vez, entregaram ao grupo técnico Mulheres A Democracia que Queremos - Carta à Equipe de Transição do Governo Lula – Alckimin, com considerações, preocupações e demandas urgentes para o novo governo. A Rede Médica pelo Direito de Decidir pede a equipe de transição de Lula revogação de normas antiaborto. Encontro presenciais com o GT, para detalhar e aprofundar o debate sobre as políticas para as mulheres também têm acontecido. Por sinal, pelos levantamentos realizados, revogar será preciso: A urgência do Revogaço antifascista

Nota: Portaria SEPEC/ME nº 9.971, de 18 de novembro de 2022, torna público o Regimento Interno do Comitê de Empreendedorismo Feminino no âmbito da Estratégia Nacional de Empreendedorismo Feminino - Brasil para Elas.

RESULTADOS DA AGENDA DA SEMANA de 28 de novembro a 2 de dezembro de 2022 

No Plenário da Câmara, foi aprovado o Substitutivo ao PL 781/2020, adotado pela Relatora da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher. O PL 781/2020, de autoria do senador Rodrigo Cunha (PSDB/AL), dispõe sobre a criação e o funcionamento ininterrupto de Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher. A matéria retorna agora ao Senado.

Aprovado também o parecer do relator, deputado Lafayette de Andrada (REPUBLIC-MG), na forma do substitutivo ao PL 1202/2007, de autoria do deputado Carlos Zarattini (PT/SP), que disciplina a atividade de "lobby" e a atuação dos grupos de pressão ou de interesse e assemelhados no âmbito dos órgãos e entidades da Administração Pública Federal.

Na Comissão de Educação (CE) foi aprovado o parecer da relatora, deputada Professora Dorinha (UNIÃO/TO), pela aprovação de PL 1705/2021 e do PL 2797/2021, apensado, na forma do Substitutivo adotado pela CMULHER, com três subemendas. O projeto, de autoria do deputado Benes Leocádio (UNIÃO/RN), dispõe sobre a prioridade de oferta de vagas para filhos ou dependentes de mulheres vítimas de violência doméstica. O projeto segue para a CSSF. 

Na Comissão de Constituição e de Justiça e Cidadania (CCJC) foi aprovado o parecer pela constitucionalidade, juridicidade, técnica legislativa e, no mérito, pela aprovação do PL 3634/2019, na forma do Substitutivo da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, com subemenda. A proposta, de autoria do deputado Cássio Andrade (PSB/PA), altera o Código Penal Militar para dispor sobre a perda de patente ou exclusão de militar autor de violência doméstica.

Veja aqui outros resultados da Agenda da Semana (CLIQUE AQUI)

EM PAUTA NA SEMANA de 5 a 9 de dezembro

Na Câmara, as Comissões de Coordenadoria dos Direitos da Mulher, Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência realizam a Audiência Pública Visibilidade das mulheres com deficiência no enfrentamento à violência.

Veja aqui a íntegra da Pauta da CMulher

Veja aqui outros pontos incluídos na pauta do Plenário e de diferentes Comissões

NOVAS PROPOSTAS APRESENTADAS

Assédio ideológico como crime

PL 2864/2022, de autoria do senador Randolfe Rodrigues (REDE/AP), dispõe sobre o crime de assédio ideológico no Código Penal.

Intolerância política não!

PL 2885/2022, de autoria do senador Renan Calheiros (MDB/AL), define os crimes de intolerância política.

Mulheres e tecnologias

PL 2877/2022, de autoria do deputado Célio Silveira (MDB/GO), institui a Política Nacional de Incentivo à atuação das mulheres nas áreas da computação, tecnologia da informação e comunicação.

Apoio às mulheres na volta ao trabalho

PL 2907/2022, de autoria do deputado Francisco Jr. (PSD/GO), cria o Programa de Incentivo de Retorno ao Mercado de Trabalho.

Adoção paga não!

PL 2893/2022, de autoria do deputado David Soares (UNIÃO/SP), aumenta a pena do crime previsto no art. 238 do Estatuto da Criança e do Adolescente - prometer ou efetivar a entrega de filho ou pupilo a terceiro, mediante paga ou recompensa.

Novos Regimes Fiscais

PEC 32/2022 (PEC do Bolsa Família), apresentada pelo senador Marcelo Castro (MDB/PI) e outros 35 senadores e senadoras, altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias para permitir a implementação do Programa Bolsa Família e definir regras para a transição da Presidência da República aplicáveis à Lei Orçamentária de 2023. A PEC, começa a ser analisada na CCJ, onde é aprovada a admissibilidade e depois vai ao Plenário, onde deve ser aprovada em dois turnos por 3/5 dos senadores.

PEC 31/2022, apresentada pelo senador José Serra (PSDB/SP) e outros 32 senadores e senadoras, estabelece novo regime fiscal. A proposta autoriza a abertura de créditos extraordinários no valor de 100 bilhões de reais para o atendimento de despesas do programa de transferência de renda.

PEC 33/2022, apresentada pelo senador Tasso Jereissati (PSDB/CE) e outros 31 senadores e senadoras, altera o art. 107 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias com o objetivo principal ampliar as despesas com o programa de transferência de renda, mantendo a responsabilidade fiscal no horizonte de médio e longo prazo no País.

VALE A PENA CONFERIR

SPW: A política Sexual de agosto a novembro de 2022

Gênero e Número e Global Health Strategies, com apoio do Instituto Serrapilheira: Aborto, ciência e mortalidade materna

Portal Catarinas: Live - Como se defender das censuras ao debate de gênero, sexualidade e raça nas escolas?

Inesc e Observatório do Clima: Orçamento secreto é controlado por pequeno grupo de partidos, parlamentares e pessoas externas

Comissão Arns – por Wladimir Safatle: Anistia nunca mais

Radar elaborado pela equipe do Centro Feminista de Estudos e Assessoria – CFEMEA

a partir das informações fornecidas pela Contatos Assessoria Política

e dos sites da Câmara e do Senado.


Receba Notícias

logo ulf4

Aborto Legal

aborto legal capa

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

Cfemea Perfil Parlamentar

logo ulf4

Tecelãs do Cuidado - Cfemea 2021

Violência contra as mulheres em dados

Rita de Cássia Leal Fonseca dos Santos

Ministério do Planejamento
CLIQUE PARA RECEBER O LIVRO (PDF)

marcha das margaridas agosto 2023

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Artigos do Cfemea

Congresso: feministas mapeiam o conservadorismo

Pesquisa aponta: só mobilização pode superar conservadorismo do Congresso. Lá, 40% alinham-se ao “panico moral”; 57% evitam discutir aborto; 20% são contra atendimento às vítimas e apenas um em cada cinco defende valores progressistas

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

nosso voto2

...