O Dispositivo Móvel de Proteção à Pessoa (DMPP) foi criado em março de 2021. Além das vítimas, 104 agressores são monitorados

 

 atualizado 30/12/2022 21:04 - Metrópoles


Arte/Metrópoles
 
 

Mais de um ano e nove meses após a inauguração do Dispositivo Móvel de Proteção à Pessoa (DMPP), 287 mulheres são acompanhadas pelo programa no Distrito Federal. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do DF (SSP-DF), o mecanismo monitora, simultaneamente, vítima e agressor, em tempo real, estabelecendo distância segura entre eles.

Para fazer uso do dispositivo, é preciso ter uma determinação da Justiça. Na maioria das vezes, são atendidas mulheres que estão sob medida protetiva de urgência, previstas na Lei Maria da Penha.

Quando autorizada pelo Judiciário, a mulher recebe um dispositivo que informa a ela sobre a aproximação do agressor. O item também pode ser acionado sempre que a vítima se sentir em perigo.

Ainda de acordo com a SSP-DF, o agressor recebe uma tornozeleira eletrônica. Até o momento, 104 agressores já passaram pelo monitoramento. Tanto os homens quanto as vítimas são acompanhadas pelo Centro Integrado de Operações de Brasília (Ciob).

Medidas protetivas: DF faz 1ª prisão com base em novo dispositivo

Quando a distância mínima determinada pela Justiça for ultrapassada, é emitido um alerta para vítima, agressor e para a Diretoria de Monitoramento de Pessoas Protegidas, no Ciob, que fará contato imediato com as partes envolvidas e com a Polícia Militar (PMDF).

Estrutura e prevenção

O dispositivo faz parte das ações da SSP de enfrentamento ao feminicídio e à violência doméstica. Cada aparelho, seja tornozeleira ou dispositivo e a estrutura necessária para o monitoramento tem custo diário de R$ 5,99.

 

De acordo com painel da Secretaria de Segurança Pública, em cerca de 41% dos casos de feminicídio consumados em 2022, as vítimas (7) morreram por arma branca, 35% (6) por agressão física, 16% (2) por objeto contundente e 8% (1) por arma de fogo.

Cerca de 64% dos casos tiveram o ciúmes como a principal motivação, e 58,8% ocorreram no interior de residências.

Conforme os dados da SSP-DF, 50% dos autores têm entre 18 a 29 anos. A grande maioria deles acabou presa após o feminicídio.

Relembre casos

Neste ano, o DF registrou 17 feminicídios, segundo os dados mais recentes da Secretaria de Segurança Pública do DF (SSP-DF), computados até 13 de dezembro deste ano. Os casos registrados nesta semana e que estão sendo investigados como feminicídio ainda não se somaram às estatísticas.

A moradora do Itapoã Patrícia Silva Vieira Rufino, 40 anos, morreu em 17 de setembro. O suspeito pela morte arrancou a pia do banheiro e atingiu a cabeça da vítima diversas vezes. O homem acabou preso em flagrante no dia do crime.

Assim como o caso de Patrícia, as outras vítimas foram mortas com requintes de selvageria, como espancamentos, esfaqueamentos e estrangulamentos.

A moradora de Ceilândia Vanessa Lopes dos Santos, de 31 anos, foi encontrada morta em 2 de outubro com sinais de esfaqueamento ao lado de uma estação do metrô, na QNN 7. A tragédia reflete um padrão visto na maioria das mulheres vítimas neste ano na capital. No caso de Vanessa, o suspeito é Douglas D’Aguiar de Sousa, 29 anos, companheiro da vítima.

Canais de denúncias

As forças de segurança do DF dispõem de quatro meios para recebimento de denúncias: a denúncia on-line, que pode ser feita por meio do link; o telefone 197, opção 0 (zero); o e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.; e o WhatsApp (61) 98626-1197. A PMDF se coloca à disposição pelo 190.

 

Mais sobre o assunto
  • Violência doméstica
    Feminicídio: 64% das vítimas em 2022 sofreram agressões anteriores

     

    fonte: https://www.metropoles.com/distrito-federal/no-df-287-mulheres-ameacadas-sao-monitoradas-a-distancia-por-programa

     

    Leia também:

     

    Após ser agredida, mulher denuncia posse de arma ilegal do companheiro

    Na residência do casal, havia uma arma de fogo do tipo espingarda, calibre 32, e seis munições intactas. A ocorrência foi registrada na 27ª Delegacia de Polícia (Recanto das Emas)
    Ana Maria Pol
    postado em 31/12/2022 11:04
     (crédito: Pacifico)
    (crédito: Pacifico)
     

    Após ser agredida, uma mulher, que não teve a identidade divulgada, denunciou a posse irregular de arma de fogo pelo companheiro. O caso aconteceu no conjunto 9 do Recanto das Emas e o homem foi preso. Na residência do casal, havia uma arma de fogo do tipo espingarda, calibre 32, e seis munições intactas. A ocorrência foi registrada na 27ª Delegacia de Polícia (Recanto das Emas).

    De acordo com a Polícia Militar do DF (PMDF), o caso foi registrado por volta das 20h desta sexta-feira (30/12), Segundo informações da corporação, a guarnição do 27º Batalhão Militar atendeu a ocorrência de violência doméstica e encaminhou as partes envolvidas à delegacia. Ao ser ouvida pelo delegado, a vítima informou que o marido possuía uma arma de fogo na casa.

    Após a denúncia, os policiais militares voltaram à residência do casal, com o delegado de plantão, e encontraram uma arma de fogo, sem a marca do fabricante. A ocorrência foi registrada e o caso é investigado por lesão corporal, injúria, ameaça, posse irregular de arma de fogo de uso permitido e lei Maria da Penha.

    Porte ilegal de arma de fogo

    Ainda nesta sexta-feira (31/12), a Polícia Militar do DF (PMDF) registrou outras ocorrências de porte ilegal de arma de fogo no Distrito Federal. As apreensões passaram a ganhar atenção após a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, que suspendeu, na última quarta-feira (28/12), as autorizações de porte e transporte de armas de fogo e de munições em todo a capital federal para pessoas autorizadas. A decisão prevê prisão em flagrante para quem portar arma até o dia 2 de janeiro.

    De acordo com a Polícia Militar do DF, foram registradas apenas ocorrências de porte ilegal de arma. Ao todo, foram cinco registros, sendo um deles na Samdu Norte, em Taguatinga, quando um indivíduo foi detido por um policial militar de folga após assaltar um coletivo. No local, foi apreendido um revólver calibre 38, com cinco munições intactas. A ocorrência foi registrada na 12ª DP (Taguatinga), como flagrante de roubo em coletivo.

    Em Sobradinho, militares do 24º Batalhão Militar apreenderam uma arma do tipo pistola, calibre 9mm, com 20 munições intactas. O caso foi registrado na 13º DP (Sobradinho). Em Planaltina, uma guarnição abordou um homem após encontrá-lo com uma arma de fogo do tipo pistola, calibre 9mm, com 32 munições intactas. A ocorrência foi registrada na 30ª DP (São Sebastião) como flagrante de porte ilegal de arma de fogo de uso permitido.

     

Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...