Tornei-me escritora sendo leitora, e tornei-me leitora para escapar do meu corpo.

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - 11/1/2023

“Escrever a história do meu corpo me ofereceu um caminho para me reintegrar ao meu próprio corpo doente e resistir ao capacitismo dentro e ao meu redor. Mesmo assim, os exercícios respiratórios e as dicas de escrita em The Embodied Path me inspiraram a registrar uma história corporal diferente do ano passado – lembrando-me que conhecer nossos corpos e contar suas verdades nunca é um projeto concluído. É uma jornada linda e poderosa que continua”, escreve a escritora feminista Lyndsey Medford, em artigo publicado por National Catholic Reporter, 07-01-2023. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Lyndsey Medford é autora de My Body and Other Crumbling Empires: Lessons for Healing in a World That is Sick, livro em que conta sobre sua rara doença autoimune.

Eis o artigo.

Tornei-me escritora sendo leitora, e tornei-me leitora para escapar do meu corpo. Quando fui consumida pela dor devido à minha doença crônica na infância, descobri que havia uma porta dos fundos mágica em minha mente que levava a Nárnia, à Nova Inglaterra do século XIX ou simplesmente a um jardim secreto. Os livros podem me levar embora.

Os autores que escrevem sobre corporeidade enfrentam um paradoxo: as palavras nos ajudam a compartilhar o que aprendemos e convidam uns aos outros para novas formas de estar no mundo, mas a palavra escrita também pode ser uma ferramenta para nos separar de nossos corpos e até uns dos outros. Como ajudamos nossos leitores a passar da compreensão de conceitos para a encarnação de verdades?

Em “The Embodied Path: Telling the Story of Your Body for Healing and Wholeness” (“O caminho incorporado: contando a história do seu corpo para cura e totalidade”, em tradução livre), Ellie Roscher busca recuperar a escrita como um ato de reintegração com nossos corpos, nossas histórias e nós mesmos. Sua estrutura única é parte antologia, parte livro de memórias, parte pasta de trabalho. Cada um dos sete capítulos inclui várias “histórias corporais” recontadas a partir de entrevistas com pessoas que Roscher conhece, histórias da própria vida de Roscher e instruções de escrita e práticas de respiração para os leitores seguirem.


The Embodied Path: Telling the Story of Your Body for Healing and Wholeness, de Ellie Roscher (Ed. Broadleaf Books, 2022).

Embora as histórias ilustrem vários aspectos da vida com nossos corpos humanos em constante mudança, seu objetivo final é iluminar e inspirar uma nova narrativa da história do próprio corpo do leitor usando as práticas e sugestões. A leitura e a escrita tornam-se caminhos para voltar ao corpo, em vez de afastar-se dele, permitindo que cada um de nós recupere a agência dentro de nossas próprias histórias por meio de suas recontagens.

Ao longo do caminho, mais de 20 histórias oferecem sabedoria de muitos tipos diferentes de vidas encarnadas. Os leitores conhecem a usuária de cadeira de rodas Rebecca e o sobrevivente de câncer Kevin, cujas histórias nos convidam a prestar atenção às formas como nossos próprios corpos ou os de outras pessoas são marginalizados pela incapacidade. Temos permissão para testemunhar as vidas expansivas de gênero de Justin e Sawyer. A história do corpo de Linda, uma freira lésbica, nos oferece a chance de refletir sobre nossas várias identidades e como elas afetam nosso pertencimento em diferentes espaços. A história de Elizabeth nos permite um vislumbre alegre de uma vida contada por meio de tatuagens. Fardosa, que usa hijab, e Sage, que é negra e mestiça, compartilham duas narrativas muito diferentes sobre a recuperação de si do olhar branco.

Roscher caracteriza todas essas histórias como “contra-histórias”. Como ela as define, “as contra-histórias são contadas para resistir, repudiar, subverter, contestar e minar a narrativa principal. Elas não compram o que a cultura dominante está vendendo”. Claro, escolher reivindicar a sabedoria e a importância das histórias do corpo é em si uma contra-narrativa às tendências gnósticas da cultura dominante. No entanto, as próprias histórias de Roscher continuamente lembram os leitores de prestar mais atenção às “narrativas principais” de privilégio e opressão, bem como a como nossos corpos contam histórias mais complicadas, mais libertadoras e mais verdadeiras sobre quem somos e como nos relacionamos uns com os outros.

Enquanto cada história é contada com sensibilidade e arte, as narrativas em primeira pessoa do próprio corpo de Roscher são especialmente atraentes. Ao longo do livro, ela compartilha histórias de várias partes de seu corpo e momentos de sua vida. Com honestidade, atenção ao seu próprio contexto, autocompaixão e humildade, Roscher “vai primeiro” na elaboração de sua história corporal, criando um espaço de hospitalidade onde o leitor pode imaginar e escrever a sua própria.

Os leitores devem prestar atenção especial à introdução e ao capítulo intitulado “Como usar este livro”, pois o restante do livro é denso com material narrativo e pouca instrução. Roscher nos diz para “ir devagar”, um lembrete que provavelmente poderia ser reiterado a cada capítulo. A escrita é convincente, mas as histórias corporais são intensas. As práticas de respiração podem não ser familiares e muitas vezes revelam seus dons com a repetição. Escrever as histórias de nossos próprios corpos é um trabalho emocional e mental difícil. Este é um livro que pede explicitamente o envolvimento do leitor, podendo acompanhar uma viagem de semanas ou meses.

The Embodied Path é um recurso rico e plural – o tipo de livro ao qual os leitores podem retornar e experimentar de maneira diferente a cada poucos anos. Na verdade, a natureza em constante mudança de nossos corpos e nossas histórias é um tema importante do livro. Como escreve Roscher: “Somos os personagens principais de nossas próprias histórias e podemos conscientemente nos apaixonar por nossas vidas e nossos corpos à medida que eles se desdobram, se expandem e se transformam”.

Muito depois da infância, escrever a história do meu corpo me ofereceu um caminho para me reintegrar ao meu próprio corpo doente e resistir ao capacitismo dentro e ao meu redor. Mesmo assim, os exercícios respiratórios e as dicas de escrita em The Embodied Path me inspiraram a registrar uma história corporal diferente do ano passado – lembrando-me que conhecer nossos corpos e contar suas verdades nunca é um projeto concluído. É uma jornada linda e poderosa que continua.

Leia mais

fonte: https://www.ihu.unisinos.br/625428-novo-livro-de-ellie-roscher-e-para-mudar-as-historias-que-contamos-sobre-nossos-corpos

 


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...