Por Heloísa Buarque de Almeida, professora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP

  Publicado: 20/01/2023

Nas imagens que reverberam a partir da posse de Lula, ao subir a rampa do Palácio do Planalto com pessoas de diversos segmentos sociais, o governo busca afirmar a importância de reconhecer desigualdades que são estruturais no País. Além da evidente oposição ao governo anterior que negava as iniquidades sociais e exalava preconceitos, a imagem nos remete a uma discussão muito importante: desigualdades são histórica e socialmente produzidas. Busco indicar aqui o que são desigualdades estruturais que o novo governo busca tratar na foto da posse e na composição do seu ministério.

Uso o termo estrutural para afirmar que certas desigualdades – como classe social, raça ou etnia, gênero, sexualidade, geração ou deficiência – podem ser vistas como produzidas e mantidas pela sociedade. Uma desigualdade é estrutural não apenas porque as pessoas individualmente reproduzem discriminações, mas instituições e suas regras, os modos de organização social podem ser racistas, classistas, misóginos, LGBTfóbicos ou capacitistas. Escolas, universidades, sistema de justiça, instituições de saúde, organização do espaço urbano ou mídia tendem a reproduzir tais desigualdades, tanto em normas sobre as quais não se reflete, como no modo de gerir tais regras e no dia a dia.

Uma desigualdade inegável na sociedade brasileira advém da diferença racial, por exemplo, e do impacto de longa duração do passado escravocrata. Uma sociedade constituída por essa violência inicial se revela nos dados estatísticos, em diferentes áreas como trabalho e salário, moradia, acesso à educação e saúde, ou dados sobre vitimização. Embora existam leis como a Constituição que afirma que todos são cidadãos independentemente de cor ou raça, o racismo permanece vigente tanto no modo como a violência policial atinge os negros, como também em modos que podem parecer sutis e naturalizados na vivência social, como a estrutura dos prédios de moradia e sua “entrada de serviço”. Nessa arquitetura, muitas pessoas nem percebem como se reproduz o racismo, ao passo que outras sofrem com discriminações e agressões cotidianas.

Outro exemplo, na intersecção entre gênero e raça: a mídia reproduz um modo de exotização e sexualização de mulheres negras, e a cada ano as mídias reforçam esse imaginário na época do carnaval, como a figura da “mulata globeleza”. A própria universidade demorou a reconhecer o trabalho de autoras negras, como Lélia Gonzalez, que discutia nos anos 1980 esse processo de construção simbólica da figura da mulata como objeto de desejo durante o carnaval, que é a empregada doméstica no resto do ano, aquela que entra pela “porta de serviço” e dorme no quartinho dos fundos.

Outro modo de perpetuar desigualdades estruturais pode ser vista no marco legal. A desigualdade de gênero comprovada levou a leis mais inclusivas, como a Lei Maria da Penha ou aquela que define o feminicídio, e as atualizações quanto à definição de violências sexuais. No entanto, o sistema judiciário mantém posturas misóginas quando juízes e outros profissionais do direito assumem que a responsabilidade pelo estupro foi da vítima, como se ainda vigesse uma lei anterior, aquela que imaginava que só pode ser vítima de violência uma “mulher honesta” (sic). O mesmo podemos notar quanto ao acesso ao aborto legal, aquele resultante de gravidez por estupro, mas há dificuldade de se acessar o serviço e o atendimento de saúde adequado. Quando não se tem acesso fácil a serviços de saúde deste tipo, podemos dizer que o Estado é misógino, assim como é transfóbico quanto ao atendimento de pessoas que menstruam, como homens trans que não conseguem bom atendimento médico ginecológico.

Como docente, tenho que lidar com o fato de que diante destas desigualdades estruturais, enquanto uma mulher cis branca de meia-idade, posso de modo equivocado fazer uma afirmação sentida como racista, transfóbica, ou capacitista em algum momento, por não compartilhar a experiência desses grupos minoritários. Mas nem todos que passam pela experiência da discriminação a reconhecem, porque há um processo de naturalização destas desigualdades, como se fossem “assim mesmo” e imutáveis.

A foto da posse e a presença de pessoas como Sonia Guajajara, Anielle Franco e Silvio Almeida nos ministérios representam, assim, a esperança de enfrentar tais desigualdades e voltar a ter no Brasil políticas públicas que busquem efetivamente uma sociedade mais justa.

 

fonte: https://jornal.usp.br/articulistas/heloisa-buarque-de-almeida/sobre-desigualdades-estruturais/


Receba Notícias

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Cfemea Perfil Parlamentar

logo ulf4

Violência contra as mulheres em dados

Rita de Cássia Leal Fonseca dos Santos

Ministério do Planejamento
CLIQUE PARA RECEBER O LIVRO (PDF)

marcha das margaridas agosto 2023

Recomendamos a leitura

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Artigos do Cfemea

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

Por que o aborto ainda não é um direito no Brasil?

aborto outras palavrasNo Dia de Luta pela Legalização do Aborto na América Latina, frente nacional feminista questiona o atraso. Uruguai, Argentina e México conquistaram avanços, mas país de Bolsonaro insiste em negar direito mulheres ao próprio corpo

nosso voto2

...