As quatro aulas públicas da doutora em antropologia alertaram os eleitores sobre os perigos da ascensão e consolidação do fascismo no Brasil.

A reportagem é de Tatiana Scalco, publicada por Jornalistas Livres, 31-01-2023.

No último dia 29 de janeiro de 2023, Adriana Dias prematuramente nos deixou. Ela tinha 52 anos e foi vítima de câncer no cérebro.

Em outubro de 2022, Adriana Dias realizou uma série de quatro aulas públicas buscando alertar os eleitores brasileiros sobre os perigos da ascensão e consolidação do fascismo no Brasil, inclusive por seus reflexos no empoderamento da extrema-direita mundial.

Ela afirmava: "O meu trabalho tem como pressuposto honrar as vítimas".

As quatro aulas públicas foram promovidas e transmitidas por um inédito pool de canais jornalísticos em defesa dos Direitos Humanos e da Democracia: Jornalistas LivresCirandaGGNJornal EmpoderadoBarão de Itararé, Iaras e Pagus e Instituto Hori Educação e Cultura. As aulas foram retransmitidas pelo DCM.

Em 21.10.2022, às 17h, aconteceu a primeira live: O que é o fascismo/nazismo e como ele se consolida nas sociedades.

https://youtu.be/jWSHFkba0qE

 Em 24.10.2022, às 17h, a segunda live acontece com o tema: Como mostrar às igrejas neopentecostais que o bolsonarismo não é de Deus.

https://youtu.be/STciBKm7DvE

Em 26.10.2022 no mesmo horário (17h), o assunto da terceira live foi Bom Retiro, as bestas do mar e o perigo do fascismo em São Paulo.

https://youtu.be/jDJsThaHOuQ

Em 28.10.2022, encerramos o ciclo explicando Porque o bolsonarismo é nazista e quais suas ligações históricas no Brasil e no exterior.

https://youtu.be/z7l_Z13Xnx4

Quem era Adriana

Mulher com deficiência e várias doenças raras, ativista, cientista, pesquisadora, mestre e doutora em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Adriana foi uma aguerrida defensora dos direitos humanos. Participou de diversos coletivos e movimentos, entre eles o “partidA”, movimento que defendia um “feminismo dialógico”, cujo lema é defender que “feminismo é uma luta material e concreta, bem como uma luta no campo da linguagem”. Também integrou a Frente Nacional de Mulheres com Deficiência.

Militante, participou do Grupo de Trabalho sobre Doenças Raras do Ministério da Saúde entre 2012 e 2014, ajudando a construir a Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras, aprova as Diretrizes para Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e institui incentivos financeiros de custeio. Foi também coordenadora da Associação Vida e Justiça de Apoio às Vítimas da Covid-19.

Já com Lula eleito, colaborou com o grupo de transição. Ao saber de sua morte, o Ministro de Direitos Humanos e Cidadania, Silvio Almeida, emitiu nota de pesar. Nela destacou que “Adriana foi figura importante na composição da nova gestão”.

Adriana fazia da sua vida uma luta diária contra os preconceitos e pela inclusão de todas as diversidades nos direitos, na educação e na sociedade.

Combatente do Neonazismo

Filha de humilde família evangélica, Adriana cresceu no miscigenado bairro do Bom Retiro em São Paulo e se converteu ao judaísmo a partir das perseguições que viu e sofreu por suas pesquisas.

Seu trabalho de doutorado denominado Observando o ódio: entre uma etnografia do neonazismo e a biografia de David Lane, concluído em 2018, abordou pensamentos e ações de integrantes de grupo de extremistas.

Seu mestrado Os Anacronatuas do Tetonismo Virtual: uma etnografia do neo-nazismo na Internet, concluído em 2007, foi premiado em Israel em 2009. Ele foi um dos primeiros a tratar do tema dos movimentos neonazistas no país, suas ligações e participação em redes internacionais.

Nos últimos 15 anos, Adriana Dias destacou-se por pesquisar, monitorar e etnografar o movimento neonazista, com foco em seu uso político na web. Foi a partir deste trabalho fundamental que o Brasil se deparou com o surpreendente crescimento de 270,6% de células de grupos neonazistas no país entre janeiro de 2019 e maio de 2021, identificando mais de 300 células extremistas.

Suas pesquisas são reconhecidas pela Liga Anti Difamação (ALD), principal entidade internacional de antisemitismo e de proteção a minorias vítimas do discurso de ódio. As metodologias de mapeamento construídas por Adriana Dias estão sendo traduzidas como referência metodológica para busca de células nazistas no mundo.

Ameaçada de morte desde que denunciou a preparação de ataques terroristas neonazistas no Brasil em 2009, Adriana provou em 2021 as ligações diretas entre Bolsonaro e os grupo neonazistas desde 2004.

Uma das descobertas de Adriana foi uma carta de Jair Bolsonaro publicada em sites neonazistas, em 2004, enviada pelo então deputado federal.

Mesmo lutando com o câncer, Adriana não parou de trabalhar.

Fica aqui a nossa homenagem a essa batalhadora pelos direitos humanos no Brasil e no mundo.

Leia mais

fonte: https://www.ihu.unisinos.br/625959-as-ultimas-aulas-publicas-de-adriana-dias

 


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...