Na Câmara e no Senado, a representação feminina é baixa e as mulheres também estão longe dos principais postos de comando

KH
Kelly Hekally
Especial para o Correio Braziliense
postado em 05/03/2023 03:55

 

 (crédito: Pablo Valadares/Agência Câmara)

(crédito: Pablo Valadares/Agência Câmara)
 

O Brasil já teve uma presidenta da República e três mulheres no comando do Supremo Tribunal Federal, porém, parece longe o dia em que uma senadora ou uma deputada federal estará à frente das duas Casas do Congresso. Isso porque os núcleos de decisão do Poder Legislativo continuam não apenas nas mãos dos homens, como, sobretudo, de herdeiros masculinos de clãs políticos.

Levantamento da União Inter-Parlamentar (UIP), divulgado na sexta-feira, aponta que as eleições de 2022 colocaram um número recorde de mulheres nos Congresso, nas assembleias estaduais e na Câmara Legislativa do Distrito Federal. Ainda assim, a representação parlamentar feminina é inferior à média mundial — 26,5% dos assentos estão sendo ocupados por mulheres. Ainda segundo o estudo, a taxa brasileira de participação das mulheres na Câmara e no Senado está próxima de índices registradas na Europa há quase três décadas.

As mesas diretoras da Câmara e do Senado possuem perfis semelhantes nas atuais composições. No caso dos deputados, Maria do Rosário (PT-RS) tem assento no órgão que cuida da administração da Casa — ocupa a segunda secretaria. Entre as senadoras essa situação é mais grave, pois os sete postos da mesa são ocupados por homens. Parlamentares mulheres até presidem sessões, mas apenas quando os presidentes Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (PSD-MG), da Câmara e do Senado, respectivamente, estão ausentes ou vão à tribuna discursar.

Entre os 23 líderes de partidos da Câmara, a única mulher na função é Adriana Ventura (Novo-SP). Além disso, não há uma única deputada em liderança de blocos. No Senado, das 13 legendas com representação na Casa, Tereza Cristina (TO) é líder do PP e Eliziane Gama (PSD-MA) está à frente do bloco da Resistência Democrática. As bancadas femininas eleitas no ano passado têm 91 deputadas federais e 15 senadoras — o que equivale a aproximadamente 18% do contingente parlamentar da Câmara e 15% do Senado.

 

"Concessão"

A representação feminina, na estrutura das Casas do Congresso, parece uma concessão da maioria masculina. A Câmara possui em sua estrutura a Secretaria da Mulher e a bancada feminina é coordenada pela deputada Luísa Canziani (PSD-PR). No Senado, Leila Barros (PDT-DF) é a procuradora Especial da Mulher no Senado.

O incômodo com a sub-representação é um debate permanente na bancada feminina, segundo Luísa Canziani. "Discutimos o assunto mulheres nos espaços de poder. É um assunto da máxima relevância da bancada. Se estamos falando de espaços de decisão na Casa, necessariamente devem conter mulheres", explica, ao ser questionada sobre a ausência histórica de uma parlamentar na presidência da Câmara.

A deputada acrescenta que a construção de consensos na bancada, que este ano teve foi ampliada por duas mulheres trans — Duda Salabert (PDT-MG) e Erika Hilton (PSol-SP) —, é uma tarefa complexa, pois há representantes de todos os espectros políticos, da extrema direita à esquerda. Mas assegura que é possível elaborar pautas com o maior alinhamento possível.

"Há, sim, muitos desafios a serem enfrentados. No entanto, com a união de nossa bancada, o apoio do presidente Arthur (Lira), a competência e a força do trabalho de nossas deputadas, haveremos de superar essa questão", disse.

Vítima de um episódio de misoginia no Congresso, em 2021, durante sessão da CPI da Covid, a hoje ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, lembrou, no último dia 1º, em evento no Palácio do Planalto, o boicote que sofreu do próprio partido quando disputou, de maneira independente, a Presidência da Casa, quando o MDB fechou questão para apoiar a eleição de Rodrigo Pacheco. Foi a primeira vez que uma mulher disputou o posto de comandante do Congresso. Em 2019, ela também tinha anunciado a entrada na disputa, mas retirou-a em apoio a Davi Alcolumbre (União Brasil-AP).

Na agenda da semana passada, no Palácio do Planalto, a Simone declarou que tinha orgulho de ter enfrentado os colegas, em 2021, ao manter a decisão de concorrer, "mesmo sabendo que ia perder". Para ela, a marcação de posição serviu para pavimentar "caminhos para que um dia uma mulher seja presidente do Senado" — uma vez que, no universo masculino do Parlamento, o fato de ter presidido a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), entre 2019 e 2020, e de ter sido líder do MDB na Casa, em 2018, não parecem credenciais suficientes.

Se na Câmara as deputadas nunca estiveram próximas de dar as cartas na Casa, no Senado há o alento de que as então parlamentares Serys Slhessarenko (em 2010) e Marta Suplicy (em 2011) alcançaram a vice-presidência. Mas isso foi menos pela capacidade delas e sim porque aqueles que deveriam assumir os postos não podiam fazê-lo.

Em manifestação no Dia da Conquista do Voto Feminino no Brasil, em 24 de fevereiro, Rosa Weber fez ressalvas no cenário da democracia brasileira com relação à equidade entre homens e mulheres. "O déficit de representatividade feminina significa um déficit para a própria democracia brasileira. Não é uma busca apenas em benefício das mulheres, mas de todos, e se confunde, por isso mesmo, com o próprio fortalecimento da democracia".

 

fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/politica/2023/03/5078031-com-representacao-feminina-baixa-machocentrismo-da-as-cartas-no-congresso.html


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...