Coren-DF publicou mensagem de apoio ao jogador Vinicius Júnior, vítima de racismo, e colheu relatos chocantes de preconceito nos hospitais

 atualizado 24/05/2023 7:51

Negra - Metrópoles
Igo Estrela/Metrópoles
 

O Conselho Regional de Enfermagem do Distrito Federal (Coren-DF) postou mensagem de apoio ao jogador de futebol Vinicius Júnior, do Real Madrid, vítima de ataques racistas. Na publicação, profissionais de saúde revelaram episódios que eles próprios foram alvo de racismo e preconceito.

 
 

“Já fui chamada de macaca, então, eu nunca duvido quando alguém me conta algo parecido. O triste é que os hospitais não dão o devido cuidado quando sofremos isso dentro do estabelecimento”, desabafou uma pessoa que atua na área de saúde.

Em outro relato, a profissional contou que o paciente disse que “era uma tortura ser cuidado por gente de cor”. O homem prosseguiu dizendo: “Nojo de vocês, você fedem”.

Uma mulher relatou ter sido chamada de “pretinha pobre” por um paciente. Outra comentou que um homem internado dirigiu-lhe a seguinte ofensa: “Negrinha de favela”. “E ainda pediu para outra técnica atendê-lo, pois não queria ser atendido por mim”.

“Cheguei a ser trocada de escala, a pedido do paciente idoso (que relatou ser alemão e mencionou algo sobre a infância e o que presenciou em campo de concentração). Ele perguntou para a enfermeira-chefe se teria alguém de cor clara para cuidá-lo. E assim foi feito”, revelou a profissional.

Discriminação tripla

Pelo diagnóstico do presidente do Coren-DF, Elissandro Noronha, os relatos apontam que a enfermagem é triplamente discriminada, por ser majoritariamente feminina, negra e de baixa renda. “Sofrem discriminação racial, social e de gênero, por parte de pessoas que geralmente estão sob seus cuidados de saúde”, ressaltou.

Para Noronha, esse quadro reforça a importância da efetivação do piso da enfermagem, para combater o preconceito e a desigualdade. “Estamos diante de um problema que demanda ações concretas e campanhas educativas por parte do poder público”, explicou.

 

Serviço – Conheça canais de denúncia

Polícia Civil (PCDF) – a Delegacia Especial de Repressão aos Crimes por Discriminação Racial, Religiosa ou por Orientação Sexual, ou Contra a Pessoa Idosa, ou com Deficiência (Decrin) funciona das 12h às 19h, de segunda a sexta-feira. Mas denúncias podem ser feitas em qualquer delegacia do DF, na delegacia eletrônica, ou pelo 197.

Câmara Legislativa (CLDF) – a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos, Cidadania, Ética e Decoro Parlamentar da Câmara Legislativa (CLDF) atende pelos telefones: (61) 3348-8701 / 3348-8703, WhatsApp para denúncias: (61) 99904-1681, pelo e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou pelo link.

fonte: https://www.metropoles.com/distrito-federal/nao-vou-ser-atendido-por-preto-os-chocantes-relatos-de-racismo-em-hospitais-do-df


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...