Sob repúdio de organizações indígenas e socioambientais, ruralistas correm para aprovar projeto antes de votação no STF.

A reportagem é de Murilo Pajolla, publicada por Brasil de Fato, 25-05-2023.

Organizações indígenas, socioambientais e de direitos humanos manifestaram nesta quinta-feira (25) repúdio à aprovação do regime de urgência na votação do Projeto de Lei (PL) 490, que institui o marco temporal da demarcação de terras indígenas.

Após a Câmara aprovar a tramitação acelerada na noite de quarta-feira (24), o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que pretende colocar a matéria em votação na próxima semana.

Arthur Lira (PP-AL) admitiu pressa para se antecipar ao STF.
(Foto: Pablo Valadares |Câmara dos Deputados)

“Ruralistas têm urgência em apagar nossa história, destruir nossos biomas, seguir com o genocídio que enfrentamos há 523 anos, para passar a boiada”, disse em nota a Articulação dos Povos Indígenas Indígenas do Brasil (Apib).

Na Câmara, o PL do Marco Temporal precisará de maioria simples para ser aprovado. O próximo passo é a apreciação pelo Senado, cujo presidente Rodrigo Pacheco (PSD-MG) não sinalizou se pretende acelerar a tramitação antes que o Supremo Tribunal Federal (STF), retome a análise do tema no dia 7 de junho.

Ruralistas correm para evitar que Supremo decida

Os articuladores do marco temporal no Congresso são parlamentares ruralistasbolsonaristas e do chamado “centrão”. E eles têm pressa pela aprovação e o objetivo é se antecipar ao Supremo.

“O que estamos fazendo é para deixar claro que esse projeto precisa ser discutido no plenário desta Casa para evitar que o STF o decida”, admitiu Lira.

A análise na Corte está suspensa por um pedido de vista do ministro Alexandre de Moraes. Até agora dois ministros votaram: o relator Edson Fachin, contra o marco temporal, e o ministro Nunes Marques, a favor.

Juliana Batista, advogada do Instituto Socioambiental (ISA), diz que o presidente da Câmara “afronta os outros poderes e busca intimidar o STF, imitando as crises institucionais forjadas por Bolsonaro, ao colocar o PL 490 na pauta”.

“A questão é constitucional, será judicializada e só irá gerar mais violência e insegurança jurídica, criando falsas expectativas de anulação das demarcações”, opinou a advogada em reportagem publicada no site do ISA.

Governo é criticado por liberar bancada

O regime de urgência do PL 490 foi aprovado na Câmara por 324 votos contra 131. O PT orientou sua bancada pelo voto contrário, mas o governo federal não exigiu que as siglas aliadas seguissem o partido.

“De forma questionável, a liderança do governo liberou a sua base para a votação, onde cada parlamentar vai votar segundo os seus interesses”, criticou o Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), que organização que monitora o orçamento público sob a ótica dos direitos humanos.

Para o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), órgão ligado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a postura contradiz os compromissos eleitorais do presidente Lula (PT).

“Nos causa perplexidade o fato de que o atual governo federal, que se elegeu com o compromisso de salvaguardar os direitos dos povos indígenas e avançar em sua efetivação, tenha liberado os parlamentares da base governista durante a votação da urgência deste gravíssimo projeto de lei”, escreveu o Cimi.

Marina Silva critica Congresso e fala em diálogo

A votação do marco temporal em regime de urgência engrossou a lista de derrotas do governo federal na área ambiental. Na quarta-feira (24), o Congresso aprovou parecer favorável à proposta que retira força das pastas do Meio Ambiente e dos Povos Indígenas.

A ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva, admitiu que a situação é desfavorável ao governo federal e falou em “diálogo” para reverter os retrocessos no Legislativo.

"Uma parte do Congresso, que é a maioria, quer impor ao governo eleito do presidente Lula o modelo de gestão do governo Bolsonaro", avaliou.

“Genocídio legislado”, dizem mulheres indígenas no governo

A ministra do Ministério dos Povos Indígenas, Sonia Guajajara, chamou o PL de “genocídio legislado”. “É uma teoria que inverte toda história do Brasil. Um projeto de lei que atenta contra a constituição brasileira”, escreveu nas redes sociais.

O posicionamento foi seguido pela presidenta da FunaiJoenia Wapichana. “Aprovar a urgência do PL 490/07 e da MP 1154/2023 é negar a história, os direitos e a dignidade dos povos indígenas”, publicou.

A coordenadora da Frente Parlamentar dos Povos Indígenas, deputada Célia Xakriabá (PSOL-MG), disse que a votação em regime de urgência é obra de um “Congresso assassino”.

“Enquanto mulher indígena e presidente da bancada do cocar, irei fazer o possível para enfrentar a bancada ruralista. Ninguém gosta de falar em genocídio aqui, mas [o PL 490] é um genocídio legislado”, afirmou a parlamentar.

O que é o marco temporal das terras indígenas?

marco temporal é uma tese jurídica defendida pelo agronegócio, repudiada pelas organizações indígenas e considerada inconstitucional por juristas e advogados - indígenas e não indígenas.

A proposta muda radicalmente o critério para demarcações ao estabelecer que apenas as terras já ocupadas por povos indígenas em 5 de outubro de 1988 - data da promulgação da Constituição - podem ser reivindicadas por eles.

Um grupo indígena que tenha ocupado um território por séculos, mas que não estivesse no local na data exata estabelecida pelo marco temporal, pode ficar sem direito à demarcação.

A maioria das lideranças indígenas e especialistas consideram que o critério poderá paralisar novas demarcações e também permitir o questionamento na Justiça de processos demarcatórios já concluídos.

Leia mais

fonte: https://www.ihu.unisinos.br/629042-genocidio-legislado-lira-quer-votar-marco-temporal-das-terras-indigenas-na-proxima-semana

 

O convite é do Tempo de Plantar Movimento Regenerativo, enviado ao Instituto Humanitas Unisinos - IHU.

 

Num sonho de um pajé, ele sonhou que começou

com alguns, depois vieram

milhares, e depois milhões de pessoas, de todas as idades, de todas as raças, e todos credos, de todas as classes, se uniram, e caminharam pelas ruas do Brasil. Se organizaram em comitês de luta

resistência, nas cidades, no campo e nas florestas, para juntos repararem uma injustiça dos seus ancestrais, as injustiças cometidas com os povos indígenas, os povos originários do Brasil.

Um sentimento

de amor, de senso de justiça e consciência contagiou milhões de brasileiros filhos e filhas da Mãe Terra, que tinha em seu sangue, o sangue indígena.

Eles disseram

não ao marco temporal, reconheceram que os indígenas têm sim o direito às suas terras, e serem sujeitos

e protagonistas

do seu desenvolvimento, já reconhecido pela Constituição Federal do Brasil, desde 1988.

E ao caminharem pelas ruas, em paz, com danças e cânticos, numa grande mobilização nacional, não exigiam apenas

cumprimento da Lei.

Eles também, naquele atos históricos, faziam também uma cura, todos eles caminhavam com um maracá nas mãos, o símbolo que une a humanidade, ao Céu e a Terra.

Após muitas caminhada durante o dia, fogueiras sagradas durante a noite, eles não só asseguraram os direitos dos povos indígenas, mas se curaram de si mesmo, evoluíram na consciência e sentiram o amor incondicional por si, pelos outros e pela Mãe Terra.

Eles deram o nome desse movimento a Revolta do Maracá, uma reconexão com a ancestralidade indígena e a Mãe Terra. E foi assim que a humanidade se salvou da críse climática.

Tudo começa com um sonho

Organize um Comitê Indígena, adquira o seu maracá, invoque a força da sua ancestralidade indígenas e não indígenas juntos pelo Brasil, e pela Mãe Terra.

● | Reunião de Organização dos Comitê Indígena [nesse sábado | 9:30h | na Feira Ponta Norte | Brasília | DF ] participe |

+ Informações | Ligue| (61) 9 9610-0812

Instituto Regenerativo

Leia mais

fonte: https://www.ihu.unisinos.br/629050-criacao-do-comite-de-resistencia-a-mp-490


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...