Após discurso histórico, Anielle Franco é aplaudida de pé em Fórum Permanente de Pessoas Afrodescendentes da ONU

Ministra pediu solidariedade a Vini Jr, defendeu a prorrogação da década afrodescendente e colocou o Brasil à disposição para sediar novo encontro do Fórum

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, discursou nesta terça-feira (30), durante cerimônia de abertura do II Fórum Permanente de Pessoas Afrodescendentes da Organização das Nações Unidas, em Nova Iorque. Em um discurso histórico e emocionante, Anielle lembrou o compromisso do Brasil com o combate ao racismo, pediu solidariedade ao jogador Vinícius Jr e reafirmou o compromisso de Marielle Franco com as mulheres negras na política. 

“Este Fórum Global representa a esperança de um futuro em que nenhum outro Vinícius Jr tenha que passar pela violência e ódio apenas por sua cor de pele”, conclamou Anielle. 

A ministra da Igualdade Racial também reafirmou o compromisso do governo brasileiro com o combate ao racismo e seu papel de liderança neste debate entre os países democráticos. 

“Nós, governo brasileiro e sociedade civil, estamos aqui para firmar o compromisso do Brasil com o mundo na liderança do combate ao racismo e na promoção de políticas de memória e reparação como pilar central das democracias modernas”, disse Anielle.

A ministra também colocou o Brasil à disposição para sediar um novo encontro do Fórum futuramente e propôs a renovação da década afrodescendente. 

“Dito isso, reforço a proposta e fala do Presidente do Brasil Luís Inácio Lula da Silva de que a Assembleia Geral da ONU, que aqui anualmente se reúne, proclame a renovação de mais um decênio da Década Internacional de Afrodescendentes. Desta vez, apontemos o tema de memória, reparação e justiça, para que ações concretas e eminentes sejam desenvolvidas para cerca de 200 milhões de pessoas auto identificadas como afrodescendentes que vivem nas Américas, e também para muitos outros milhões vivem em outras partes do mundo.

Anielle relembrou ainda discursos históricos de lideranças negras como Martin Luther King Jr, Nelson Mandela e Marielle Franco.  “Foi aqui neste país em que estamos hoje que o Dr. Martin Luther King Jr. apontou para o sonho, o sonho dos direitos civis e políticos para afrodescendentes. Mandela, em seu discurso de liberdade na África do Sul, na cidade do Cabo em 11 de abril de 1990, apontou que nossa marcha para a liberdade é um caminho irreversível. Marielle Franco, minha irmã e ex-vereadora da cidade do Rio de Janeiro morta em 14 de março de 2018, falou que nenhuma mulher negra será interrompida”. 

Após concluir o discurso, a ministra foi aplaudida de pé pelos presentes à abertura. 

Anielle Franco participa ainda de encontros e reuniões bilaterais com lideranças de outros países para conseguir apoios e investimentos para o combate ao racismo no Brasil. 

Confira a íntegra do discurso da ministra: https://www.gov.br/igualdaderacial/pt-br/central-de-conteudos-1/discursos-da-ministra/discurso-da-ministra-anielle-franco-durante-abertura-do-ii-forum-de-pessoas-afrodescendentes-da-onu

 

fonte: https://www.geledes.org.br/apos-discurso-historico-anielle-franco-e-aplaudida-de-pe-em-forum-permanente-de-pessoas-afrodescendentes-da-onu/


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...