A deputada denunciou uma audiência na Comissão da Família sobre tratamento para crianças e adolescentes trans. "É mais uma tentativa de promoção do caos, da desinformação", disse

 

Pedro Grigori
postado em 21/06/2023 23:46 - Correio Braziliense
erika-hilton-psol-sp-camara
A deputada federal classificou a audiência da Comissão da Família como "criminosa". - (crédito: Billy Boss/Câmara dos Deputados)

 

A deputada federal Erika Hilton (Psol-SP) denunciou o teor transfóbico de uma audiência da Comissão de Infância, Adolescência e Família da Câmara dos Deputados, realizada nesta quarta-feira (21/6), que debateu tratamento para crianças e adolescentes transsexuais. Segundo a parlamentar, a comissão virou palco para "discursos conspiracionistas" e um movimento político "dedicado à por a arma na mão de quem nos mata".

Erika, uma das primeiras pessoas trans eleitas para o Congresso Nacional, classificou a audiência como “violenta” e “brutal”. “É mais uma tentativa de promoção do caos, da desinformação, dessa frente antitrans que vem ganhando força no Brasil e em todo mundo. É um ódio irrestrito fantasiado de preocupação, é uma violência contra um grupo que já é massacrado historicamente”, disse.

A audiência foi proposta pela deputada Franciane Bayer (Republicanos-RS) para debater "a alteração no nome social, mudança em registros de documentos, utilização de bloqueadores de puberdade e cirurgias para redesignação sexual”. "Tais intervenções ainda mostram-se experimentais, repleta de riscos desconhecidos", argumentou a deputada na justificativa.

A lista de convidados da audiência contou com nomes como Eugenia Rodrigues, porta-voz da Campanha "No Corpo Certo", que se apresenta como uma organização que questiona o "discurso transgênero"; e a psiquiatra Akemi Shiba, que trata a transsexualidade como uma "epidemia" e uma "doença" — indo contra o entendimento da própria Organização Mundial da Saúde (OMS), que desde 2018 deixou de classificar a transexualidade como disfunção mental.

Erika Hilton se disse chocada com discursos feitos na audiência, que associaram famílias de crianças trans à pedofilia e a hiperssexualização na infância, além de informações falsas que associam a transsexualidade com o transtorno do espectro autista.

“Convidadas que se baseiam na mentira de que há processos transexualizadores e tratamentos hormonais em crianças no Brasil, a audiência virou palco para discursos conspiracionistas. Não existe tratamento hormonal antes dos 16 anos no Brasil. Não existe processo transexualizador antes dos 18”, pontuou Erika.

A deputada aproveitou a audiência para relembrar a morte da adolescente trans Keron Ravach, de 13 anos, assassinada brutalmente no Ceará, em 2021, vítima de transfobia.“Nós somos expulsas das nossas casas por volta dos 12 anos de idade e somos obrigadas a viver da prostituição compulsória. E eu não vejo a mesma preocupação e o mesmo discurso em defender nossas vidas”, argumentou.

“Eu não vi esses que bradam a defesa da infância chorarem a morte de Keron e tantas outras crianças. Eu não vejo essa mesma preocupação contra o ódio, a violência e o estigma que acomete essa população. Eu vejo essa fantasia, eu vejo essa falácia”, completou.

Confira a íntegra da fala de Erika Hilton na comissão:

Assista AQUI


Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...