Alegando legítima defesa, o serralheiro Bruno Gomes, 38, foi preso nesta segunda-feira (3/7), no Entorno. Com ele, a polícia apreendeu a arma do crime. Patrícia Pereira, 41, era enfermeira e tornou-se a 20ª vítima de feminicídio em 2023

 

Pablo Giovanni
postado em 03/07/2023 20:35 - Correio Braziliense

 

 (crédito: Redes Sociais)
(crédito: Redes Sociais)

Bruno Gomes Mares, de 38 anos, preso na tarde desta segunda-feira (3/7) por matar a enfermeira Patrícia Pereira de Sousa, de 41 anos, confessou o crime na delegacia. Aos agentes, o feminicida justificou que matou a companheira em legítima defesa. Ele foi capturado em Luziânia, entorno do Distrito Federal, tentando se esconder da polícia.

Os agentes da 14ª Delegacia de Polícia (Gama) conseguiram chegar no feminicida após receber denúncias da população. Ele foi preso com a arma do crime, cometido na noite da última sexta-feira (30/6), na presença do filho do casal, um menino de 14 anos. 

Além do jovem, a filha da vítima, de 22 anos — fruto de um outro relacionamento de Patrícia — presenciou o feminicídio.

Ao Correio, a filha de Patrícia, Chaiane Pereira, pediu justiça. "Só quero que a justiça seja feita. E que ele sofra pelo menos o mínimo que ele está fazendo eu e a minha família passar. Ele não tinha direito nenhum de tirar a vida da minha mãe", disse.

A vítima era enfermeira do Hospital de Base do Distrito Federal (HBDF). No sábado (1/7), os funcionários do hospital fizeram uma homenagem a colega, que trabalhava no pronto-socorro. Bruno, que é serralheiro autônomo, foi entregue ao judiciário, onde passará por audiência de custódia para a decretação ou não da prisão preventiva.

Patrícia foi a quarta vítima em uma semana e a 20ª somente neste ano. No primeiro semestre, o Distrito Federal já superou em número de assassinatos de mulheres, por questão de gênero, todo o ano passado. Ela foi enterrada no domingo (2/6), em Tocantins.

Segurança

A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP-DF) informou que é uma das prioridades da atual gestão o combate à violência contra a mulher. A pasta detalhou que existem mecanismos de proteção às vítimas, como o serviço de proteção à mulher.

O mecanismo é oferecido às vítimas de violência doméstica com medidas protetivas em vigor. Criado em 2021, monitora, em tempo real, 48 mulheres e 52 homens. Todo o monitoramento ocorre no Centro Integrado de Operações de Brasília, coordenado pela Diretoria de Monitoramento de Pessoas Protegidas (DMPP).

"O serviço de proteção permite ainda ligações a números pré-cadastrados, mensagens prontas de texto, gravação de imagens, registro fotográfico e captação de áudio e vídeo do ambiente. O período de monitoramento é estipulado em juízo. Após o término do lapso temporal definido, a vítima é geralmente encaminhada pelo judiciário para o atendimento prioritário do programa Viva Flor", explicou a pasta.

A pasta contou que o Viva Flor, disponível desde 2017, já atendeu 370 pessoas, resultando em nove prisões em flagrante realizadas por descumprimento de medidas. Nenhuma mulher que utilizou o Viva Flor teve a integridade física violada pelos ex-companheiros.

Além desses programas oferecido às vítimas no momento em que a medida é aprovada pelo Justiça, a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) oferece atendimento por meio Programa de Prevenção Orientada à Violência Doméstica (Provid). Apenas em 2022, 19.383 visitas foram realizadas pelos policiais a famílias.

Já a PCDF conta com delegacias especiais de atendimento à mulher (Deam 1 e 2), além de possibilitar que as vítimas registrem boletim de ocorrência, por meio da Maria da Penha Online, além de representar contra o autor da violência, enviar provas com fotos e vídeos, requerer a acolhimento, entre outros. Em 2022, foram contabilizados 889 flagrantes relacionados à Lei Maria da Penha.

A reportagem selecionou mecanismos onde mulheres vítimas de violência podem pedir ajuda, além das forças de segurança. Criado pelo governo federal, o botão de pânico é um dispositivo de emergência que, via QR code, leva a usuária a um formulário do projeto Justiceiras. Para ler o código, basta apontar a câmera do celular e clicar no link que aparecerá na tela do aparelho. Após o preenchimento dos dados requisitados, a vítima será direcionada à uma equipe voluntária, profissional e multidisciplinar.

O aplicativo Todas por Uma é um tipo de inteligência artificial. Ao entrar no app, surge uma tela com uma propaganda, de modo que esconde a real função do aplicativo. Quando simplesmente balançar o celular ou clicar no botão "cupons", no canto superior esquerdo da tela, um pedido de socorro será enviado aos intitulados "anjos" da vítima, pessoas de confiança que concordaram em serem contatadas diante de situações de emergência. Assim, os anjos recebem a localização da amiga ou parente em perigo. A solicitação é feita de uma maneira discreta.

Já o aplicativo IsaRobô oferece orientações gratuitas sobre o que fazer em casos de violência doméstica ou de maneira on-line. O app foi desenvolvido com o apoio do Facebook e do Google pelo Conexões que Salvam, da ONG Think Olga, e pelo Mapa do Acolhimento, do Nossas.org, projetos que apoiam mulheres que sofrem ou sofreram violência de gênero na internet. A ferramenta está disponível para todos que precisam de acolhimento e de informações sobre violência contra as mulheres na internet e sobre como tornar o meio tecnológico um ambiente mais seguro.

Ligue 180

Coordenado pelo governo federal, o Ligue 180 é um serviço de utilidade pública essencial para o enfrentamento à violência contra a mulher. Além de receber denúncias de violações contra as mulheres, a central encaminha o conteúdo dos relatos aos órgãos competentes e monitora o andamento dos processos. O serviço também tem a atribuição de orientar mulheres em situação de violência, direcionando-as para os serviços especializados da rede de atendimento.

 

SAIBA MAIS

fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/cidades-df/2023/07/5106398-preso-assassino-de-enfermeira-confessa-crime-a-policia-familia-pede-justica.html

Feminicídio no DF: Homem é preso após matar esposa no Gama

O acusado teria disparado uma arma de fogo, atingindo a região do pescoço de sua esposa

Por João Victor Rodrigues 04/07/2023 9h46 Jornal de Brasília
Foto: PCDF
 

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) efetuou na segunda-feira (3) a prisão de um homem de 38 anos, acusado de feminicídio. A vítima veio a falecer no local, após disparo no pescoço.

Segundo informações da delegacia, o crime foi cometido na noite da última sexta-feira (30), em uma residência localizada no Setor Leste do Gama.

Após receber a notificação do crime, a PCDF iniciou imediatamente as diligências preliminares, conseguindo identificar o autor, esclarecer a motivação do crime e determinar o tipo de arma utilizada no homicídio.

A equipe da 14ª DP, responsável pelas investigações, representou pelo mandado de prisão preventiva contra o criminoso, que foi localizado e detido na cidade de Luziânia, em Goiás.

Os policiais apreenderam a arma de fogo utilizada no crime, uma pistola do calibre 9 mm, juntamente com 11 munições. O veículo utilizado pelo acusado para fugir também foi apreendido.

O suspeito encontra-se atualmente detido na carceragem da PCDF, à disposição do Poder Judiciário para os procedimentos legais cabíveis.

fonte: https://jornaldebrasilia.com.br/brasilia/feminicidio-no-df-homem-e-preso-apos-matar-esposa-no-gama/

 


Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...