O livro Cinquenta Tons de Racismo: mestiçagem e polarização racial no Brasil aborda a complexidade da mestiçagem na questão do racismo em nosso País

  Publicado: 08/08/2023

Texto: Antonio Carlos Quinto

Arte: Joyce Tenório*

A Redenção de Cam, Modesto Brocos (1895) - Foto: Domínio público

Após estudar as complexidades do racismo no Brasil em sua tese de doutorado, defendida na Faculdade de Educação (FE) da USP, foram necessários mais dois anos para que a educadora e pesquisadora Janaína Bastos transpusesse suas análises para o livro Cinquenta Tons de Racismo: mestiçagem e polarização racial no Brasil, que acaba de ser lançado pela Matrix Editora. “Trata-se de uma ‘reorganização’ da tese para o grande público, contendo a  síntese dos dados da minha pesquisa”, como descreve Janaína ao Jornal da USP. Na tese intitulada Na trama da branquitude mestiça: a formação de professores à luz do letramento racial e os meandros da branquitude brasileira, defendida em 2021, a pesquisadora teve a orientação da professora Mônica Guimarães Teixeira do Amaral, da FE.

Janaína Bastos - Foto: Arquivo pessoal
Janaína Bastos - Foto: Arquivo pessoal

O livro, de acordo com Janaína, também é uma atualização da pesquisa, visto que ela consultou fontes históricas e mais autores sobre o tema. Concluída em março e lançada em julho deste 2023, a obra traz dados de interesse público e pretende explicar o fenômeno da mestiçagem. “Trata-se de um lugar conflituoso em nosso imaginário racial. Afinal, a questão racial no Brasil não se resolve com explicações binárias ou simplistas”, reflete a pesquisadora.

Um dos principais objetivos do livro, segundo a autora, é que as pessoas tenham acesso a esse conhecimento para que consigam, de alguma forma, desconstruir essa hierarquia social partindo da realidade, e sem uma perspectiva negacionista ou reducionista.

Não podemos negar o problema nem tão pouco reduzi-lo. O racismo em nosso país é complexo e se organiza de diferentes formas e situações

E partindo do princípio que o racismo é um problema no Brasil, Janaína acredita que seja possível resolver a questão. “Enquanto se negava que o coronavírus existia, não se encaminhou uma solução. Vejo que o racismo não é visto em toda a sua complexidade. É preciso olhar a diversidade dos casos para se pensar numa solução”, acredita. É o que traz a obra, que também aborda a violência de gênero. “Falamos desse tema no começo do livro e como o colonialismo teve a marca da violência contra a mulher, sobretudo indígena ou negra. É fundamental olharmos para a nossa realidade”, recomenda Janaína.

A Redenção de Cam

A capa do livro, escolhida pelo editor Paulo Tadeu, traz a obra A Redenção de Cam, do pintor espanhol Modesto Brocos, de 1895. Janaína aponta como a tela retrata a mestiçagem das famílias brasileiras e o ideal de embranquecimento disseminado na época, fenômenos que perduram até os dias de hoje e impactam diretamente o racismo brasileiro.


A obra aborda as teorias raciais controversas do fim do século 19 e o fenômeno da busca pelo “embranquecimento” gradual das gerações de uma mesma família por meio da miscigenação. A cena mostra uma família que passa por um “embranquecimento” de geração em geração, abordando a controversa teoria racial da eugenia.

 
 

A pesquisa

Ao olhar para essa realidade, Janaína vai às raízes de um “racismo à brasileira” para explicar o fenômeno da mestiçagem. Para tanto, no seu estudo, levando-se em conta dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em que mais de 50% da população brasileira se autodeclara negra, Janaína destaca que nessa maioria há pessoas mestiças, de pele nem tão preta. “São aquelas que se autodeclaram pardas, nas quais a mestiçagem se mostra mais evidente”, descreveu a educadora na reportagem publicada no Jornal da USP sobre a sua tese de doutorado, em que ela investigou a branquitude brasileira e os lugares de privilégios que as pessoas não negras – brancas e “mestiças”, estas últimas por vezes percebidas como brancas − acabam ocupando.

“O que denomino privilégios são algumas concessões dadas às pessoas percebidas como brancas, ou como quase brancas, de pele nem tão preta, mesmo que de forma implícita. Posso citar como exemplo algumas situações em que o preconceito e discriminação no tratamento aos negros deixam de existir para essas pessoas”, descreve. “Se uma ou mais pessoas negras, passeando num shopping luxuoso, podem chamar a atenção de forma negativa, isso pode não ocorrer com as pessoas não negras, aquelas de pele mais clara, mas que não chegam a ser, de fato, sempre percebidas como brancas”, exemplificou na época.

“Existe uma pressão implícita para que o indivíduo se autodeclare branco ou negro. Contudo, um mesmo sujeito pode ser percebido como branco em um lugar, e como negro em outro. E, claro, se o mesmo for percebido como branco, poderá ter alguns privilégios. E o embranquecimento permite isso.”

Em sua tese, Janaína destacou a importância do letramento racial de educadores, que pode ajudar no combate à discriminação. Utilizando em seu estudo o método da pesquisa-ação, a educadora desenvolveu um projeto de formação de professores na área das relações raciais. Durante dois anos, os docentes foram acompanhados por Janaína, por meio de reuniões semanais nas quais essa temática era discutida.

 

Como resultado, os professores que desenvolveram o letramento racial passaram a melhor perceber como a questão da discriminação racial ocorre no dia a dia. Na opinião de Janaína, esse letramento é importante para todas as raças e os docentes puderam transmitir aos alunos referências negras positivas. “Os estudantes passaram a perceber que não precisariam ‘embranquecer’ para ter dignidade”, destacou na reportagem a educadora.

Por meio de oficinas e filmes, foi possível perceber mudanças nos professores. Inclusive, nas formas de discurso. “No início, eles tinham dificuldade até em falar a palavra ‘negro’.” Houve até o caso de um professor que se autodeclarava branco e que, tempos depois, já se dizia pardo. Enfim, os docentes passaram a ter o hábito de falar sobre o assunto. Até mesmo os professores autodeclarados brancos perderam o medo de abordar a questão”, lembra Janaína.

A pesquisadora explica que o letramento racial é a habilidade de perceber e compreender como a questão do imaginário que existe em torno da raça afeta a nossa experiência, sendo que, para isso, o diálogo é fundamental. “O que não é um trabalho fácil. Apesar da busca do letramento, por si só, já romper com o negacionismo em torno do racismo, temos que tomar cuidado para não cair em uma abordagem reducionista da questão. É preciso considerar as diferentes experiências, para que as pessoas possam se sentir validadas e assim falar sobre o assunto, a fim de que possamos chegar a uma solução real do problema.”

Contato: e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. / Instagram: @janainabastos.autora

 

*Estagiária sob supervisão de Moisés Dorado

fonte: https://jornal.usp.br/diversidade/racismo-no-brasil-que-vai-alem-do-branco-e-do-preto-precisa-ser-melhor-compreendido/

 


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...