Com apoio de cursos da USP de Ribeirão Preto, Núcleo de Atendimento Especializado à Mulher (Naem) conta com equipe multidisciplinar para acolher vítimas

 Jornal da USP no Ar - Edição regional / Jornal da USP no Ar 1ª edição / Rádio USP - https://jornal.usp.br/?p=677945

1/09/2023
Por 
 
 
Violência contra mulheres em Ribeirão Preto bateu recorde em 2023 – Foto: Anete Lusina via Pexels
 

A violência contra as mulheres é um problema em todo o Brasil, e em Ribeirão Preto não é diferente. Em que pese as ações de proteção à mulher, de janeiro a metade de agosto deste ano, a rede municipal de saúde notificou 154 casos de violência doméstica na cidade, segundo o Relatório de Violência da Secretaria Municipal da Saúde. Além disso, de acordo com dados da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, foram 100 denúncias de estupro até junho, 54 casos só no primeiro trimestre – um recorde desde 2001, quando os números começaram a ser divulgados.

Maria Patrícia Tedeschi – Foto: Arquivo Pessoal

Para acolher tantas vítimas, foi criado o Núcleo de Atendimento Especializado à Mulher (Naem), que integra a Rede Protetiva da Mulher e tem como parceiros o curso de Psicologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP e a Faculdade de Direito de Ribeirão Preto (FDRP) da USP. A ideia, segundo a fonoaudióloga Maria Patrícia Tedeschi, chefe de seção do serviço, é utilizar uma equipe multidisciplinar para acolher de forma mais humana as vítimas de violência. “Hoje, a rede protetiva é um organismo composto de diversos serviços e entidades que realizam atendimento às mulheres, como saúde, assistência social, segurança pública, justiça, educação e organizações da sociedade civil.”

Essa luta contra a violência na cidade não começou há apenas seis anos, com a criação do Naem, em 2017. A Rede Protetiva da Mulher, que hoje possui suas ramificações, foi criada em 1999, com o intuito de auxiliar vítimas de violência sexual. Como recorda Maria Patrícia, “em meados dos anos 90, com a incidência do aumento de casos de abuso sexual e de doenças sexualmente transmissíveis, alguns estudos começaram a surgir. Em São Paulo, foi formado um comitê para criar os protocolos para atendimento desses casos e serviços de Ribeirão Preto começaram a participar, assim surgindo serviços para os atendimentos. Começou com o Geavidas, hoje em dia tem o Seavidas, que é o serviço que faz o atendimento às vítimas de violência sexual. Por volta dos anos 2000, os serviços foram se reunindo para discussões pertinentes aos atendimentos da mulher, principalmente às vítimas de violência”.

Um trabalho intenso e conjunto

Com tantos casos de violência contra as mulheres registrados em Ribeirão, o Naem tem trabalhado cada vez mais. Para manter todos os parceiros e participantes atualizados, o núcleo se reúne com a Rede Protetiva da Mulher constantemente. “Nos reunimos bimestralmente para alinhar o fluxo de atendimento, ouvir as demandas trazidas pela sociedade e capacitar os membros, para ajudar e amenizar o sofrimento das mulheres que estão nessa situação da violência”, explica Maria Patrícia.

A chefe de seção do Naem destaca a importância desses encontros. Sempre em busca de abordagens mais atuais e humanas com as vítimas, que precisam de alento e acolhimento, a última reunião foi no dia 18 de agosto. “É muito importante, porque vai capacitar o profissional que está lá na ponta, que faz o primeiro contato com a mulher, seja na UBS, numa escola, em um serviço socioassistencial, e identifica a necessidade de um atendimento especializado, para que, assim, a mulher seja encaminhada corretamente e receba o atendimento adequado, evitando demoras, revitimizações e, principalmente, que ela esteja em um ambiente protegido, que ela esteja segura.”

O Naem fica na Rua João Arcadepani Filho, 400, na Nova Ribeirânia. O atendimento é de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. Para entrar em contato, a vítima não precisa ir até o local, basta ligar (16) 3636-3311 ou (16) 3603-1199. Também é possível fazer a denúncia pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. É importante destacar que o contato pode ser feito também por familiares ou conhecidos da vítima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

fonte: https://jornal.usp.br/campus-ribeirao-preto/rede-protetiva-da-suporte-a-mulheres-em-situacao-de-violencia-em-ribeirao-preto/

 


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...