Com exibição de filmes, debates, performances e masterclass gratuitos, Centro MariAntonia da USP promove evento que celebra a conexão de artistas africanos, músicos brasileiros e sua atuação na cena paulistana

 

Publicado: 02/10/2023
Por 
O que pode acontecer quando músicos dos dois lados do Atlântico são colocados em contato na cidade onde vivem? – Foto: reprodução filme Afro-Sampas / Laboratório de Imagem e Som em Antropologia

 

O Centro MariAntonia da USP recebe, nos dias 4 e 6 de outubro, o evento Afro-Sampas: diáspora criativa africana em São Paulo, com a exibição de filmes, debates, performances e masterclass. A entrada no evento é gratuita, aberta a todos, sem necessidade de vínculo com a Universidade.

Afro-sampas é resultado do projeto de mesmo nome, fruto de uma pesquisa acadêmica de Rose Satiko Gitirana Hikiji, professora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, em parceria com o antropólogo e documentarista inglês Jasper Chalcraft, junto a artistas africanos residentes em São Paulo.

“A gente buscou acompanhar os fazeres artísticos e musicais desses imigrantes, refugiados africanos que vieram para o Brasil nos últimos dez anos, e de que maneira eles têm encontrado espaços criativos, espaços de apresentação de seus trabalhos e também espaços de convivência aqui na cidade”, explica Rose. A professora acredita que a mostra será uma oportunidade de participar do encontro entre artistas do Brasil, Congo, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Angola, Togo, entre outros.

“No dia 4, a gente vai tentar falar da nossa trajetória, as conexões, e a gente vai falar de música em si; de fontes de inspiração e como buscar essa inspiração para formação da criatividade e improviso”, conta o músico congolês Yannick Delass sobre o masterclass que fará junto do músico brasileiro Meno Del Picchia. “Vamos falar sobre como as nossas trajetórias musicais diversas, de origens e países diferentes, se comunicam através do som, das harmonias e das melodias”, complementa Del Picchia. Os músicos planejam, ainda, tocar juntos mostrando, na prática, como se estabelecem as conexões culturais entre Brasil e África, no contexto dos imigrantes africanos em São Paulo.

O evento tem o apoio do Departamento de Antropologia da FFLCH e do edital Santander/USP/FUSP de Fomento às Iniciativas de Cultura e Extensão da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP. Confira a programação:

Quarta-feira, 4 de outubro, 14 horas

Sessão 1 – Masterclass Afro-Sampas

Na masterclass com os músicos Yannick Delass (República Democrática do Congo) e Meno Del Picchia (Brasil), protagonistas do filme Afro-Sampas, aprenderemos sobre a criatividade do músico africano na diáspora, a partir de seus encontros com músicos brasileiros e a atuação na cena paulistana.

Local:  sala multiuso – 2º andar – Edifício Rui Barbosa

17 horas

Sessão 2 – Exibição do filme Afro-Sampas, seguida de debate com diretores e protagonistas
Debate: Yannick Delass, Meno Del Picchia, Rose Satiko Gitirana Hikiji e Jasper Chalcraft 

Sinopse:
“A presença africana na música brasileira se manifesta de formas diversas. Se, em 1966, Baden Powell “carioquizava” o candomblé com os afro-sambas que compôs com Vinicius de Moraes, meio século depois vivemos um momento inédito com a chegada de músicos de diferentes países africanos à metrópole paulistana. No filme Afro-Sampas observamos o que pode acontecer quando músicos dos dois lados do Atlântico são colocados em contato na cidade onde vivem. Yannick Delass (República Democrática do Congo), Edoh Fiho (Togo), Lenna Bahule (Moçambique) e os brasileiros Ari Colares, Chico Saraiva e Meno del Picchia aceitam nosso convite para um primeiro encontro no qual experimentam sonoridades, memórias e criatividades.”

Local: sala Carlos Reichenbach – 1º andar – Edifício Rui Barbosa

Sexta-feira, 6 de outubro, 14 horas

Performance Bagagem, com Shambuyi Wetu (República Democrática do Congo)
Exibição do filme Tabuluja (Acordem!) e debate com diretores: Rose Satiko Hikiji, Jasper Chalcraft e Shambuyi Wetu
 
Sinopse:
“Shambuyi Wetu, artista da República Democrática do Congo refugiado em São Paulo, constrói suas performances narrativas sobre a experiência da diáspora e a situação do homme noir no mundo. O filme Tabuluja é uma criação colaborativa do artista com os antropólogos Rose Satiko Hikiji e Jasper Chalcraft, e integra a coleção Afro-Sampas, série de filmes sobre a experiência de músicos, dançarinos e artistas africanos residentes em São Paulo, desenvolvidos no projeto ‘Ser/Tornar-se africano no Brasil: Fazer musical e patrimônio cultural africano em São Paulo’. O filme, exibido em festivais, conferências e mostras no Brasil, Itália, Inglaterra, Japão, Portugal, entre outros países, foi indicado ao AHRC Research in Film Awards 2017.”

Local: saguão e cinema

17 horas

Sessão 2 – Exibição do filme Woya Hayi Mawe -Para onde vais? e debate com diretores: Rose Satiko Hikiji e Jasper Chalcraft

Sinopse:
Woya hayi mawe: para onde vais? A letra dessa canção ecoa a busca de Lenna Bahule, musicista moçambicana, tanto em sua cidade natal – Maputo – quanto em São Paulo, seu lar adotivo. Do palco às periferias urbanas, vemos como Lenna enfrenta as dificuldades de ser música, mulher e negra no Brasil e em Moçambique. O mundo artístico de São Paulo cobra sua africanidade, suas referências africanas, suas raízes. Já em Moçambique, Lenna é agora conhecida por seu sucesso no Brasil: ela traz algo do poder cultural do Brasil para a cena artística de Maputo. De volta a Moçambique, ela redescobre seu país com novos olhos. Lenna encontra uma inspiradora geração de músicos de Maputo, que ela envolve na produção de um show no Centro Cultural Franco-Moçambicano. Seja nesta importante instituição cultural, seja no sítio de sua avó ou em um projeto social na periferia de Maputo, vemos Lenna e os artivistas de Maputo investigando a música tradicional e popular de Moçambique e descobrindo novas rotas musicais e ativistas. Navegando entre o ativismo e o palco, entre a África imaginada que o Brasil espera encontrar nela, e o cosmopolitismo brasileiro que São Paulo lhe imprime, Lenna descobre – em uma canção tradicional Chopi que viaja – que suas raízes musicais eram ainda mais poderosas do que ela imaginava.

Local: saguão e cinema

Mostra cultural “Afro-Sampas” no Centro MariAntonia da USP – divulgação

Serviço

Afro-Sampas: diáspora criativa africana em São Paulo

Onde  |  Centro MariAntonia da USP

Rua Maria Antonia, 294, Vila Buarque – São Paulo – próximo à estação Higienópolis do Metrô

Quando | 4 e 6 de outubro, das 14 às 19 horas

Quanto | Gratuito

 

Com informações da Assessoria de Comunicação do Centro MariAntonia da USP

fonte: https://jornal.usp.br/diversidade/mostra-cultural-apresenta-o-trabalho-criativo-dos-imigrantes-africanos-em-sao-paulo/

 


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...