O debate sobre racismo e clima começa a tomar fôlego no Brasil, como uma chave de análise sobre impactos da crise climática

 

Lúcia Xavier, Coordenadora Geral de Criola

 

 

A questão climática apresenta sinais irreversíveis para a vida no planeta se a sociedade não se engajar na luta para reverter os impactos das emissões de gases. Indicadores como o aumento das temperaturas, inundações constantes, secas, elevação da temperatura em diferentes regiões do mundo, aumento das queimadas e dos níveis do mar, escassez de mananciais e acesso à água potável, insegurança alimentar, adoecimento, revelam que parte da população mundial já sofre por esses impactos crescentes.

Grupos vulneráveis são afetados, ampliando cada vez mais desigualdades raciais, violação dos direitos e violências nos territórios, sem permitir a defesa do grupo excluídos – especialmente devido às mudanças dos sistemas produtivos que buscam maior acumulação de riquezas às custas do esgotamento do ambiente.

Apesar dos muitos debates sobre crise climática, seus impactos e soluções, os problemas ainda não estão suficientemente difundidos para o engajamento da sociedade. A cultura de fontes inesgotáveis da natureza, a total falta de responsabilidade com o uso e preservação, encobrem as reais questões.

Diante de eventos cada vez mais catastróficos, a voz de meninas e mulheres negras, o grupo mais afetado pelos problemas gerados pela crise climática, insiste em ecoar e reivindicar o protagonismo devido. E, enquanto a quantidade de eventos e atividades sobre o tema aumenta, enfrentando a resistência para entrar em conversas que seguem em tom teórico e elitista, despreocupadas com a inclusão das maiores interessadas no assunto.

O debate sobre racismo e clima começa a tomar fôlego no Brasil, como uma chave de análise sobre impactos da crise climática, bem como das injustiças geradas para a população negra, indígena e de comunidades tradicionais. Ainda assim, muitos dos espaços para tomada de decisão seguem excluindo esses grupos nos processos de proposição de soluções.

Ignoram que nenhum resultado relevante poderá acontecer se uma perspectiva que considere raça, gênero e classe não for adotada. Essa exclusão ocorre não só por causa das profundas desigualdades raciais já estabelecidas, mas, por força dos processos de hierarquização que incidem nesses sujeitos ampliando as relações de subordinação entre grupos raciais, entre gênero e identidade de gênero, territórios, entre outras dimensões da vida que se tornam eixos de subordinação.

Em que pese o papel preponderante das mulheres na defesa das comunidades, na busca de soluções para o enfrentamento das vulnerabilidades, as mulheres negras cis e trans, em última instância, são as mais impactadas por essas crises, a exemplo do que já vem acontecendo na prática com os desastres climáticos e ambientais. Se, por um lado, somos as principais atingidas, por outro temos trabalhado firmemente para uma relação de respeito e preservação do meio ambiente.

Urge então a nossa participação no processo desde já, e a COP 28 – que terá entre os tópicos prioritários a continuação de discussões sobre a constituição do fundo de compensação a perdas e danos decorrentes das mudanças climáticas aos países mais pobres e vulneráveis – é uma oportunidade. Continuaremos afirmando que não haverá solução para as ameaças climáticas sem a participação da população negra, indígena e de comunidades tradicionais; a importância de reconhecer e acolher o conhecimento de religiões de matriz africana, quilombolas, comunidades tradicionais e de mulheres negras, como parte da estratégia de defesa do clima.

É imprescindível permitir que nossas demandas sejam apresentadas por nós mesmas, que soluções para as mudanças climáticas se levantem a partir do prisma da justiça climática e intersecções de raça e gênero. Do contrário, tragédias como a que acabamos de ver no estado do Rio Grande do Sul, continuarão soando como fatalidade – quando, na verdade, seriam evitadas se as experiências de mulheres negras, povos originários, ribeirinhos e quilombolas, que há anos têm atuado para a proteção de seus territórios, fossem ouvidas e suas deliberações incorporadas ao processo de solução da questão climática.

* O artigo faz parte de uma série de 12 textos que explicam e detalham a Convenção da ONU sobre a Mudança do Clima (COP) e as negociações para as mudanças climáticas. A seleção de articulistas e a edição foram obra da Alter Conteúdo.

Artigo publicado originalmente por O Globo, em 25/09/2023.

fonte: https://criola.org.br/artigo-diversidade-e-inclusao-na-luta-contra-as-mudancas-climaticas/

 


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...