Cinthia Maria Santos Domingues foi encontrada morta dentro de casa em 18 de setembro. Investigação corre em sigilo

- Metrópoles

 atualizado 

Reprodução

Mulher arrumada

 

A investigação da morte da servidora pública Cinthia Maria Santos Domingues de Oliveira, 42 anos, ganhou novo capítulo. O Metrópoles apurou que, momentos após a morte da servidora, uma amiga teria procurado o então companheiro de Cinthia, Eder Ubaldo de Lima Gonçalves, 42, e perguntado, por uma rede social, o que tinha acontecido com Cinthia. Eder teria respondido: “Matei ela”.

Após enviar a mensagem, Eder teria apagado. Porém, a amiga de Cinthia tirou print da conversa e mostrou à Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). As informações estariam anexadas ao processo do caso de Cinthia, que segue em sigilo.

Em depoimento à polícia, Eder teria dito que não se recorda da troca de mensagens com a amiga de Cinthia e que não sabe quem teria enviado a frase “matei ela”.

 
 

Fontes confirmaram à reportagem que o laudo preliminar produzido pelo Instituto Médico Legal (IML) aponta que Cinthia tinha sinais compatíveis com asfixia. O IML, porém, ainda aguarda os resultados de exames toxicológicos e de alcoolemia para concluir o exame.

Eder não chegou a ser preso pelo caso.

Relacionamento conturbado

Cinthia era lotada como Gestora em Políticas Públicas e Gestão Governamental na Defensoria Pública do Distrito Federal (DPDF). A mulher foi encontrada sem vida no quarto do apartamento em que morava com o companheiro, no Guará II, na manhã de 18 de setembro.

Como mostrado dias após o ocorrido, a servidora reclamava com frequência do relacionamento que mantinha com Eder. Em mensagens de áudio enviadas, via WhatsApp, aos amigos próximos, a gestora em Políticas Públicas e Gestão Governamental confidenciou a uma amiga que sentia medo de todas as situações que estava vivendo.

“Eu só tenho medo, porque as minhas decisões sempre foram uma merda. Tudo que eu decidi nesta vida, eu escolhi errado. Eu não consegui fazer uma escolha correta na minha vida. Nenhuma”, disse ela, referindo-se ao relacionamento.

Áudios mostram servidora se queixando do relacionamento: “Tenho medo”

Na manhã que a servidora morreu, socorristas do Corpo de Bombeiros e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) tentaram reanimá-la, mas não obtiveram sucesso. A coluna Na Mira apurou que o corpo da vítima foi mexido antes da chegada de policiais civis da 4ª Delegacia de Polícia (Guará), unidade que investiga o caso.

Eder teria dito que a esposa cometeu suicídio em decorrência da ingestão de altas doses de medicamentos, mas parentes e amigos de Cinthia duvidam dessa versão.

Ainda segundo relatos de pessoas do convívio da servidora pública, Cinthia teria pedido ao companheiro que não dormisse no mesmo quarto, pois ela queria passar a noite sozinha.

Morte suspeita

Colegas que trabalharam com Cinthia na Defensoria Pública do DF ouvidos pela reportagem foram unânimes em dizer que ela “vivia roxa” e era constantemente vítima de violência doméstica. Outra situação intrigante é que, após a morte dela, familiares teriam sido proibidos pelo companheiro de Cinthia de entrarem no apartamento.

Outro fato de amigos rechaçarem a tese de ato contra a própria vida é porque Cinthia estava planejando com entusiasmo uma nova vida. Quem conviveu com a servidora lembra como ela era alegre, divertida e valorizava momentos com a família.

O celular e o computador de Eder foram apreendidos e devem passar por perícia. O inquérito ainda não foi concluído.

fonte: https://www.metropoles.com/distrito-federal/cinthia-servidora-matei

 


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...