Em 2018, levantamento do IBGE apontou que apenas 8,3% das cidades tinham delegacias de atendimento à mulher

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

"Órfãos menores de 18 anos vítimas de feminicídio, anteriores à promulgação da lei podem ser beneficiados por essa pensão", esclarece a advogada. - Reprodução

Nesta semana, o presidente Lula sancionou projeto de lei que estabelece uma pensão para órfãos do feminicídio. A medida vale para menores de idade que vivem em famílias com renda mensal per capita de 25% do salário mínimo.

Amanda Vitorino, advogada da Rede Liberdade e Integrante da Rede Feminista de Jurista, participou ao vivo do programa Central do Brasil desta quinta-feira (2) e deu detalhes sobre esse novo auxílio.

"Não posso dizer que o valor seja suficiente, mas faz uma diferença familiar. A gente precisa entender que é essa pensão é um plus de um plano de políticas públicas que deve ser desenvolvido também não só para os para essas crianças, mas no combate ao enfrentamento da violência contra a mulher", afirma.

A especialista aponta que a lei visa também ocupar o vazio das políticas públicas na área nas esferas estaduais e municipais. Em 2018, um levantamento do IBGE apontou que apenas 8,3% dos municípios tinham delegacias especializadas de atendimento à mulher. Além disso, só 9,7% das cidades brasileiras ofereciam serviços especializados de atendimento à violência sexual.  

"A gente entende que é uma medida eventualmente reparadora. Não é a medida mais eficaz. No mundo ideal a gente não precisaria dessa medida desde que todos os outros pacotes previstos inclusive na Lei Maria da Penha, considerada a terceira maior legislação do mundo, estivesse sendo executados devidamente nas esferas estaduais e municipais. A lei só existe porque há um ausência dos estados e municípios", pontua. 

A escalada dos casos de feminicídio tem preocupado especialistas. Dados do Monitor da Violência, compilados por meio de uma parceria entre o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), o Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV-USP) e o portal g1, mostram que o número de ocorrências do tipo aumentou 5% entre 2021 e 2022. A contagem inclui os 26 estados e o Distrito Federal e indica o aumento de casos desde a criação da Lei do Feminicídio (Lei nº 13.104/2015).

Para a advogada, este cenário tem como fonte os cortes de orçamento dos últimos anos nas áreas de assistência social e política de desenvolvimento e combate ao enfrentamento à violência contra a mulher, que podem atuar diretamente na prevenção do feminicídio

"O que a gente precisa é que todos os parlamentares, todas as pessoas envolvidas em decisões de poder, incluam a violência contra a mulher ou o fomento da prevenção à mulher. A conscientização sobre esse tema também tem que estar no orçamento. Não se faz política pública negligenciando  financeiramente a execução dessas políticas", denuncia Adriana.

Uma das medidas anunciada pelo ministro da Fazenda Fernando Haddad é aumentar o tributo das armas de fogo para custear essa política.

A entrevista completa está disponível na edição desta quinta-feira (2) do Central do Brasil no canal do Brasil de Fato no YouTube. 

 

Central do Brasil é uma produção do Brasil de Fato. O programa é exibido de segunda a sexta-feira, ao vivo, sempre às 12h, pela Rede TVT e por emissoras parceiras. 

Edição: Thalita Pires

fonte: https://www.brasildefato.com.br/2023/11/02/auxilio-a-orfaos-do-feminicidio-busca-compensar-falta-de-politicas-publicas-em-estados-e-municipios

 


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...