As informações foram divulgadas ontem no relatório Violência contra meninas e mulheres no 1º semestre de 2023, feito pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública

A estatística de estupro é a maior desde 2019, quando o instituto iniciou essa pesquisa -  (crédito: Reprodução/Egonetix_xyz por Pixabay)
A estatística de estupro é a maior desde 2019, quando o instituto iniciou essa pesquisa - (crédito: Reprodução/Egonetix_xyz por Pixabay)
 

 

Foto de perfil do autor(a) Mayara Souto
Mayara Souto - Correio Braziliense
postado em 14/11/2023 03:55 / atualizado em 14/11/2023 06:51

A cada oito minutos uma mulher é estuprada no Brasil. 74,5% delas são consideradas vulneráveis por serem menores de 14 anos ou possuírem enfermidade, deficiência mental ou outra causa que impeça o consentimento. As informações foram divulgadas ontem no relatório Violência contra meninas e mulheres no 1º semestre de 2023, feito pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. A estatística de estupro é a maior desde 2019, quando o instituto iniciou essa pesquisa.

O primeiro semestre deste ano registrou 34 mil casos de estupro de meninas e mulheres — o que representa um aumento de 14,9% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Esses dados correspondem aos registros de boletins de ocorrência em delegacias de Polícia Civil de todo o país. Porém, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) concluiu, em 2019, que há uma alta subnotificação desses casos no Brasil. O Ipea estimou que apenas 8,5% dos casos de estupro que ocorrem no país são registrados na polícia.

Considerando esse fator, entre janeiro e junho, o número pode ter chegado próximo a 425 mil casos. Em todas as regiões brasileiras houve o crescimento do crime neste semestre, comparado ao do último ano. A maior variação foi no Sul, com crescimento de 32,4%, seguido do Norte ( 25%) e do Nordeste ( 13,2%). A menor taxa foi no Sudeste, com aumento de 4,8%.

O perfil das principais vítimas de estupros no Brasil foi apresentado pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado em agosto deste ano. A maioria são meninas de 0 a 13 anos (61%); a metade são negras (56%); e a casa foi o principal lugar de ocorrência (68%).

Quanto ao agressor, em 86% dos crimes com crianças (0-13 anos) foi cometido por conhecidos e familiares como avôs, padrastos e tios. Já para as maiores de 14 anos, 77,2% dos agressores eram conhecidos das vítimas e 24,3% tinham sido estupradas por parceiros ou ex-parceiros íntimos.

No primeiro semestre deste ano, 722 mulheres foram vítimas de feminicídio no Brasil — crescimento de 2,6% comparado ao mesmo período do ano anterior.

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considerou os números "arrasadores e alarmantes". "Não são números, mas vidas que foram interrompidas pela misoginia que se faz presente em nosso país", comentou.

fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/brasil/2023/11/6654931-brasil-registra-aumento-de-15-em-casos-de-estupro-este-ano.html

 


Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Inscreva seu email

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...