Mapa da Representatividade da Publicidade Brasileira guiou olhar antirracista do projeto

Imagem mostra uma peça publicitária antirracista composta por fotografias de olhares de pessoas negras em um fundo verde.

Foto: Agência Ganda

 

Uma pesquisa realizada pelo portal vagas.com, empresa de soluções tecnológicas de recrutamento e seleção, mostrou que apenas 0,7% de mulheres e homens negros alcançam posições em cargos de direção no Brasil. Os negros, no entanto, são maioria apenas em posições operacionais (47,6%).

Diante deste cenário, a campanha “Você combate ou finge que não vê?” aborda o tema do racismo em ambientes corporativos. Idealizada pela Ganda Lab Criativo, agência pernambucana de inovação, a peça visa destacar a importância de reconhecer e combater atitudes discriminatórias. A campanha foi construída em parceria com o MINAS, projeto de equidade de gênero do Porto Digital.

A ideia da campanha parte dos dados do Mapa da Representatividade da Publicidade Brasileira, estudo realizado pela Aliança sem Estereótipo, iniciativa da ONU Mulheres. Além de constatar o viés racista presente na publicidade, a pesquisa constatou que o público e o algoritmo têm uma comoção coletiva, dando mais visibilidade para campanhas estreladas por crianças brancas, por isso a escolha de Helenira Fernandes para protagonizar a peça.

Agência Ganda

Em entrevista à Alma Preta Jornalismo, Bruna Monteiro, CEO da agência, também compartilhou essa mesma percepção do time. “Entendendo essa estrutura, criamos o vídeo de uma menina branca contanto a realidade que uma mulher negra passa no mercado de trabalho a partir do lema ‘não podemos naturalizar a violência’, porque é isso que acontece, quando é um corpo negro as pessoas naturalizam, mas quando é um corpo branco, as pessoas veem com estranheza, e foi esse o impacto que buscamos alcançar”.

Ao defender o empoderamento econômico como uma ferramenta de transformação, Bruna ressalta que a pauta da inclusão produtiva é um dos pilares da agência por trás da campanha antirracista.

“Quando a gente chega nesses dados, de que 80% das pessoas que fazem parte de grupos minoritários declaram que já foram vítimas ou presenciaram situações de preconceito, assédio e discriminação, a gente precisa falar sobre como o mercado de trabalho está ou não acolhendo as pessoas”, diz.

“Não tem como as pessoas serem as suas potências e fazer soluções criativas se elas não estão sendo respeitadas por serem quem elas são”, defende a CEO. “É importante debater sobre o racismo no mercado de trabalho porque ele existe, e além de existir ele está impedindo que empresas cresçam e que o mundo também se transforme para ser um lugar melhor, porque essas pessoas são potenciais criadores de soluções.”

“A comunicação transforma o mundo, porque a gente vê isso, na prática, em várias campanhas. Mas, mais do que isso, precisamos pensar em quem está criando essa comunicação. A Ganda é uma empresa antirracista que trabalha com mulheres e pessoas LGBTQIA+, e que entende que o poder da diversidade e inclusão vai transformar, por isso precisamos dar oportunidades”, conclui.

Fonte: Alma Preta Jornalismo -  https://almapreta.com.br/sessao/cotidiano/voce-combate-ou-finge-que-nao-ve-campanha-combate-racismo-em-ambientes-corporativos/ 


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...