Encontro acontece neste fim de semana e reúne comunidade e organizações da sociedade civil

 

Brasil de Fato | Brasília (DF) |

Comunidade do Trecho 3 enfrenta problemas de infraestrutura e sociais - MTD/Divulgação

Moradores do Trecho 3 do Sol Nascente, região administrativa do Distrito Federal, participam nos dias 1, 2 e 3 de dezembro da Caravana de Direitos Humanos do Distrito Federal e Entorno para discutir o direito à cidade. O Trecho 3 é o que enfrenta maior dificuldade de regularização na região e que mais sofre com problemas estruturais e sociais, especialmente durante o período de chuvas.

De acordo com a Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH), uma das organizadoras da atividade, o objetivo da Caravana é "disputar narrativas em defesa da vida, da democracia com Poder Popular, dos direitos humanos e do bem viver, contribuindo com a criação de uma ambiência favorável aos direitos humanos".

Também constroem a Caravana no Sol Nascente, o Movimento de Trabalhadoras e Trabalhadores por Direito (MTD), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Coletivo Aroeira, Assessoria Jurídica Popular Roberto Lyra Filho (AJUP), Vida e Juventude, Família Hip Hop e diversas outras organizações, entidades e movimentos populares que atuam em Rede de Proteção Popular.

A programação começa nesta sexta-feira (1º), com exibição e debate de filme. No sábado (2), acontece uma oficina sobre construção de hortas medicinais, por meio do trabalho em mutirão dos quintais produtivos; debate sobre a situação da classe trabalhadora no Distrito Federal e discussão sobre o Plano Diretor de Ordenamento Territorial do Distrito Federal (PDOT) e direito à cidade. No último dia, domingo (3), será realizada uma plenária popular com avaliação da caravana e demais encaminhamentos.

A Caravana de Direitos Humanos, realizado pela SMDH, acontece todos os anos no Maranhão e Distrito Federal. Neste ano alguns outros estados também realizarão caravanas, entre estes: Rio Grande do Sul, Sergipe, Ceará, Tocantins, Mato Grosso, Rondônia, Amazonas, Roraima e Alagoas.

"Nós acreditamos que esses espaços contribuem para a tomada da consciência coletiva (compromisso comunitário), fortalece a organização social das comunidades e territórios e contribui para o fortalecimento da democracia à medida que proporciona emancipação e protagonismo da comunidade para discutir sobre suas demandas e fazer incidência sobre essas questões", observa a advogada da SMDH, Alessandra Farias.

 :: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato DF no seu Whatsapp ::

Fonte: BdF Distrito Federal

Edição: Flávia Quirino

 

 


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...