Em trabalho premiado, Huri Paz, da FFLCH, verificou que 94 políticos foram executados no Rio entre 1988 e 2022; a violência afasta minorias sociais do cenário político, por serem as principais vítimas

 Publicado: 10/01/2024     - Jornal da USP

 

Gabriela Ferrari Toquetti*

Foto: Arquivo/Fernando Fazão/Agência Brasil

Em 2018, o Brasil inteiro ouviu falar de Marielle Franco, vereadora e ativista assassinada no Rio de Janeiro. Seu caso tornou-se um símbolo da violência política brasileira, mas ela não foi a única: 94 políticos foram executados no Rio de Janeiro entre 1988 e 2022. O dado foi verificado por Huri Paz, mestre em sociologia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP. O pesquisador afirma que a crescente violência afasta mulheres, negros, indígenas e quilombolas do cenário político, por serem as principais vítimas.

Huri Paz – Foto: Arquivo pessoal/X

“Aos sete anos, eu me mudei para Magé, na Baixada Fluminense do Rio de Janeiro. Conforme fui crescendo e me engajando politicamente, percebi que eu estava em um município muito violento”, relata Paz. Em 2018, ele fazia iniciação científica quando a morte de Marielle chocou os brasileiros, e percebeu que cada jornal que noticiava o crime divulgava um número diferente de políticos assassinados na história do Rio. Parecia não existir um relatório definitivo, então Paz passou a investigar o acervo de jornais disponíveis na Biblioteca Nacional, além dos conteúdos de jornais on-line.

Agora, com os dados e números em mãos, o pesquisador está se dedicando a fazer uma análise interseccional do contexto desses assassinatos, das áreas em que mais ocorrem e das principais vítimas. Paz constatou que Magé foi o município com maior número de mortes no período estudado, e que, do total de 94 execuções, apenas quatro foram de mulheres – todas negras. Esse dado pode dar a falsa impressão de que as mulheres não são vítimas prioritárias desse fenômeno, mas o pesquisador explica que, na verdade, isso está relacionado à representação feminina escassa na política – ele destaca que, atualmente, Magé não tem nem uma mulher na câmara.

“As mulheres já enfrentam dificuldades no acesso à representação política, e esse ambiente de violência também pode representar um entrave para o próprio desejo que elas têm de entrar para a política”, afirma Paz.

Número de assassinatos de políticos no estado do Rio de Janeiro por município (1988 - 2022) – Infografia: Huri Paz

Lídia Menezes

Lídia Menezes, vice-prefeita de Magé assassinada em 2002, um ano após a posse - Foto: Reprodução de TV

 No artigo, Paz analisou a trajetória de Lídia Menezes, mulher negra que foi empregada doméstica durante toda sua vida e, em 2001, foi eleita vice-prefeita de Magé. Ela e sua companheira de chapa foram as primeiras mulheres eleitas prefeitas na história do município. Um ano depois de tomar posse, Lídia foi assassinada e seu corpo foi encontrado carbonizado e com tiros na cabeça em um carro.

O pesquisador relata que não encontrou muitas informações a respeito da vítima: apenas poucas notícias relacionadas à sua eleição e, mais tarde, à sua execução. Para conhecer melhor a história de Lídia, de sua campanha política, de suas origens e de suas aspirações – e, assim, denunciar a questão da violência no Rio de Janeiro –, Paz recorreu aos familiares dela. Seus relatos ainda são poucos, pelo medo e pelo trauma de falar sobre o assassinato.

Marielle Franco

Marielle Franco - Foto: Mídia Ninja via Wikimedia Commons / CC BY-SA 2.0

Enquanto poucos conhecem Lídia Menezes, a maioria já ouviu falar de Marielle Franco. O autor opina que seu caso tornou-se emblemático da violência política no Brasil porque, além de ser engajada nas redes e de estar inserida em um partido de grande articulação com o debate público, Marielle tinha confronto direto com grupos milicianos da zona oeste do Rio de Janeiro.

“Muitas mulheres, pessoas negras, pessoas indígenas e quilombolas trazem pautas que desafiam o reacionarismo e os ideais conservadores, como Marielle. Mas, infelizmente, a violência acaba afastando essas pessoas da política, pois elas são os principais alvos”, conclui Paz.

Sobre o Prêmio Luiza Bairros

Com o artigo Assassinatos de políticos no Rio de Janeiro (1988-2022): uma análise interseccional, Huri Paz foi contemplado pela terceira edição do Prêmio Luiza Bairros da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (ANPOCS). A premiação é destinada a autores negros e indígenas e visa incentivar a produção científica no país em temas e questões ligados a relações étnico-raciais, racismo, desigualdades raciais e interseccionalidades, tanto sob perspectivas teóricas quanto empíricas.

Com informações da ANPOCS

*Da Assessoria de Comunicação da FFLCH

fonte: https://jornal.usp.br/ciencias/pesquisador-mapeou-assassinatos-de-politicos-no-rio-de-janeiro/

 


Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

Matérias Publicadas por Data

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Recomendamos a leitura

A universidade operacional

  • 15-05-2024 16:03:30

MST – 40 anos

  • 11-05-2024 15:40:33

Feminismo e software livre

  • 06-05-2024 18:43:14

Portugal entre 1974 e 1975

  • 30-04-2024 15:06:18

Violência contra as mulheres em dados

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...