Poeta, cronista e dramaturga, Hilst abordou temas como vida, morte, deus e misticismo em suas obras

Brasil de Fato | São Paulo (SP) |

Hilda nos anos 1950 - Foto: Fernando Lemos/Divulgação

Há exatos 20 anos, no dia 4 de fevereiro de 2004, morria a escritora e poeta Hilda Hilst. Uma das autoras brasileiras mais expressivas, Hilst colocou em prosa e poesia a sua busca pelo sagrado, o corpo e a paixão. 

Polêmica, excêntrica e provocativa, a autora produziu mais de 40 títulos, entre poesia, teatro e ficção, e escreveu durante quase 50 anos. Ela morreu aos 73 anos, vítima de uma falência múltipla dos órgãos e sistemas.

"A poesia é um dom divino, uma febre física. É uma espécie de êxtase que vem de repente e acaba também de repente", disse Hilst em uma entrevista.

Formada em Direito pela Universidade de São Paulo (USP), o início de sua produção literária foi em São Paulo, com o livro de poemas Presságio (1950); e na ficção, com o Fluxo-Floema (1970). Mas foi somente em 1990 que Hilda ganhou visibilidade na imprensa. 

A Casa do Sol, residência onde Hilst viveu dos 36 anos até falecer, é hoje um patrimônio cultural tombado, administrado pelo Instituto que leva o seu nome, aberto ao público e a artistas residentes. Foi no local que ela produziu boa parte dos seus livros. 

“Quando você entra na Casa do Sol, você entra encontra um relógio em uma parede rosa, com a frase: ‘é mais tarde do que supões’, que faz pensar imediatamente sobre o tempo”, opinou Geruza Zelnys em um especial produzido pelo Brasil de Fato em 2022, sobre a vida e a obra de Hilst.

Segundo Zelnys, que carrega no corpo o título de um livro de Hilda - “Tu não te moves de Ti”, a obra de Hilda é atemporal e dialoga com o nosso tempo em questões que não foram superadas, seja da natureza humana ou política.

“O que me chama mais atenção na obra da Hilda é o caráter subversivo. Não só subversivo no sentido de ultrapassar aqueles códigos sociais, mas de perceber que nada é aquilo que parece. Na obra dela as coisas podem ser absurdamente contraditórias, e isso demonstra como é a própria natureza humana. Essa sensação de que não temos controle sobre nada e a capacidade absurda de subversão de cada um”, analisou. 

Edição: José Eduardo Bernardes

fonte: https://www.brasildefato.com.br/2024/02/04/hilda-hilst-20-anos-da-morte-de-uma-das-escritoras-mais-importantes-do-seculo-xx

 


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...