Quase lá: "A Justiça é uma Mulher Negra": palestra ministrada no Senado é título de livro de promotora

Promotora de justiça da Bahia, Lívia Santana Vaz explica a abordagem da obra escrita em coautoria com a procuradora Chiara Ramos em palestra do Programa de Liderança para Mulheres Negras do Senado. A autora aponta necessidade de uma justiça construída a partir do olhar da mulher negra, que está na base da pirâmide socioeconômica do Brasil e é um dos grupos subrepresentados nos espaços de poder e de decisão, para garantir uma democracia efetiva no país.

Janaína Araújo - Agência Senado

[Transcrição]
A PROMOTORA DE JUSTIÇA DA BAHIA, LÍVIA SANTANA VAZ, DEFENDE MULHERES NEGRAS NOS ESPAÇOS DE PODER E DE DECISÃO PARA GARANTIA DA DEMOCRACIA NO PAÍS. PALESTRA NO SENADO ABORDOU LIVRO ESCRITO POR LÍVIA E PELA PROCURADORA CHIARA RAMOS. 

REPÓRTER JANAÍNA ARAÚJO: Como parte do Programa de Liderança para Mulheres Negras, iniciativa que integra o Plano de Equidade de Gênero e Raça do Senado para o biênio 2024-2025, a promotora de Justiça da Bahia Lívia Santana Vaz ministrou a palestra "A Justiça é uma Mulher Negra". O título é o mesmo do livro escrito por Lívia e a procuradora federal da Advocacia-Geral da União Chiara Ramos. Lívia Santana Vaz explicou que a obra mostra o confronto entre discurso, vivências e práticas em busca de uma sociedade democrática e realmente justa, construída por quem ainda hoje está na base da pirâmide socioeconômica brasileira - as mulheres negras.

(Lívia Vaz) "As mulheres negras estão na base da sociedade brasileira, na base socioeconômica da nossa sociedade. São mulheres que estiveram à margem de todos os regimes políticos no Brasil. Mesmo aqueles regimes políticos ditos democráticos. Então, é impossível falar na construção de uma democracia efetiva, para todas as pessoas se não for também tecida pelas mãos das mulheres negras. Se o Direito, se o Poder Público continuam sendo tão embranquecidos e tão masculinos, a Justiça é uma outra concepção que nós precisamos construir coletivamente. Por isso a afirmação 'A justiça é uma mulher negra'."

Lívia Santana Vaz chama a atenção para a baixa representatividade das mulheres negras em espaços de poder e de decisão no Brasil, o que prejudica a construção de políticas voltadas para esse público, visões sobre a realidade dessas pessoas e acesso a direitos. (Lívia Vaz)  "Seja o Poder Legislativo, Executivo ou seja o Poder Judiciário, nós temos uma sub-representação, quase ausência, de mulheres negras e isso repercute na forma como nós construímos Justiça, construímos leis nesse país. A Justiça é antidemocrática, o Poder Público é antidemocrático se não tem a perspectiva dessas mulheres, que interseccionam questões de raça e de gênero e que por isso são capazes de enxergar outras diversidades, de dar espaço a outras vozes e outras perspectivas pra que nós tenhamos efetivamente um diálogo de ideias do que seja democracia, liberdade, igualdade."

O 1° Curso de Liderança para Mulheres Negras do Senado vai até 14 de junho e busca desenvolver e capacitar mulheres negras para as funções de gestão e atuação no serviço público.

Da Rádio Senado, Janaína Araújo. 

Fonte: https://www12.senado.leg.br/radio/1/noticia/2024/04/15/a-justica-e-uma-mulher-negra-palestra-ministrada-no-senado-e-titulo-de-livro-de-promotora 


Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...