Quase lá: O neoliberalismo e a hegemonia dos valentões

O sistema entende a vida como uma luta na qual só alguns devem vencer, promovendo líderes capazes, desde a infância, de coagir, submeter e ser brutais. Não precisa ser assim. Na competição, todos somos, de algum modo, derrotados

 

Imagem: Brian Stauffer/The New Republic
.

Por George Monbiot, no The Guardian | Tradução: Glauco Faria

Um grande e impressionante estudo sobre o progresso das crianças na idade adulta descobriu que aqueles que promovem bullying e apresentam comportamento agressivo na escola têm maior probabilidade de prosperar no trabalho. Eles conseguem empregos melhores e ganham mais. Os pesquisadores afirmam estar surpresos com suas descobertas, mas será que elas são realmente tão notáveis? A associação de cargos de chefia com comportamentos de intimidação e domínio será, sem dúvida, um choque para muitos.

Isto não significa que todas as pessoas com bons empregos ou que dirigem organizações sejam agressoras. Longe disso. Não é difícil pensar em pessoas boas em posições de poder. O que isto nos diz é que não precisamos de pessoas agressivas para organizar as nossas vidas. Nem a boa liderança, nem o sucesso organizacional, nem a inovação, a visão ou a previsão exigem uma mentalidade de domínio. Na verdade, tudo pode ser inibido por alguém que exerce seu peso.

Seja na teoria dos jogos ou no estudo de outras espécies, você descobre rapidamente como o comportamento dominante de alguns pode prejudicar a sociedade como um todo. Por exemplo, um estudo sobre peixes ciclídeos descobriu que os machos dominantes têm “relações sinal-ruído mais baixas” (som e fúria, sem significar nada) e impactos contraproducentes no desempenho do grupo. Alguma coisa parece familiar?

Uma vitória para os agressores é uma perda para todos os outros: o seu sucesso é um jogo de soma zero. Ou soma negativa: o primeiro estudo que mencionei também descobriu que os agressores escolares são mais propensos a abusar do álcool, fumar, infringir a lei e sofrer problemas de saúde mental mais tarde na vida. Mas o triunfo dos agressores é também um resultado da narrativa dominante dos nossos tempos: durante os últimos 45 anos, o neoliberalismo caracterizou a vida humana como uma luta que alguns devem vencer e outros devem perder. Somente por meio da competição, nesta religião quase calvinista , podemos discernir quem pode ser o digno e o indigno. A competição, claro, é sempre fraudada. O objetivo do neoliberalismo é fornecer justificativas para uma sociedade desigual e coercitiva, uma sociedade onde os valentões governam.

É um círculo perfeito: o neoliberalismo gera desigualdade; e a desigualdade, como mostra outro artigo, está fortemente associada ao bullying na escola. Com maiores disparidades de rendimento e de estatuto, o estresse aumenta, a concorrência aumenta e o desejo de dominar intensifica-se. A patologia se autoalimenta.

Os pesquisadores que conduziram o primeiro estudo sugerem, tendo descoberto que os agressores prosperam, que deveríamos “ajudar a canalizar esta característica nas crianças de uma forma mais positiva”. Na minha opinião, esta é uma conclusão errada. Em vez disso, deveríamos procurar construir sociedades nas quais a agressão e o domínio não sejam recompensados. Seria melhor que as escolas se concentrassem na dissuasão e no aconselhamento.

Mas em todas as fases de nossa vida somos forçados a uma competição destrutiva. Não somente as crianças são pressionadas repetidamente a participar de concursos de seleção, mas também as escolas. Na Inglaterra, por exemplo, com seus testes Sats e o brutal regime Ofsted, essas competições prejudicam o bem-estar das crianças e dos professores. Como sempre, a competição é organizada para permitir que os ricos e poderosos vençam. Mas, como Charles Spencer explica em seu livro de memórias sobre a vida em um internato, ganhar também é perder: os pais que mandam seus filhos para escolas particulares pagam para criar uma personalidade externa dominante, mas a criança dentro da concha pode estar distorcida em nós de medo, fuga e raiva.

Esta contra-educação é reforçada mais tarde na vida por milhares de livros, websites e vídeos de autoajuda. Por exemplo, um site e programa popular chamado The Power Moves , dirigido pelo cientista social Lucio Buffalmano, ensina “10 maneiras de ser mais dominante”. Estas incluem exercer pressão social, reivindicar território, “agredir, afirmar e punir” e dar tapas na cara. Você também pode aprender oito maneiras de dominar as mulheres , uma lição essencial porque, aparentemente, “as mulheres dormem com homens que as obrigam a se submeter”. As técnicas que Buffalmano promove incluem “segurar o rosto dela se ela se recusar a beijar você”, “empurrá-la de brincadeira para a posição horizontal”, “arrastá-la de brincadeira para a cama” e “penetrar sua mente com ‘Daddy Dominance’”.

Buffalmano afirma que quer “promover a humanidade capacitando homens bons a avançar, liderar e vencer”. O resultado mais provável é aumentar o número de idiotas. Em vez disso, deveríamos aprender a ser atenciosos, pró-sociais e gentis: resistir à dominação, independentemente de quem a exerça.

 

O bullying óbvio no local de trabalho não é mais tolerado de modo geral. Mas suspeito que, em muitos casos, a aparente melhora é resultado do fato de os agressores aprenderem a mascarar seus impulsos, enquanto continuam a controlar e manipular sem ultrapassar a linha do RH.

Mas o bullying ostensivo está ressurgindo na política. Trump, Putin, Netanyahu, Orbán, Milei e outros fazem pouco para disfarçar seus comportamentos de dominação grosseira. Quando Trump ficou atrás de Hillary Clinton durante o debate presidencial e quando zombou vergonhosamente da deficiência de um jornalista, pudemos ver a criança que ele era e a criança que continua sendo. Nossos sistemas políticos – centralizados e hierárquicos – estão prontos para serem explorados por valentões. Como nos pátios das escolas de antigamente, as piores pessoas acabam no topo.

A mesma dinâmica opera em nível global. Os governos garantem a seus cidadãos que estão envolvidos em uma “corrida global”: se ficarmos para trás, outra nação nos ultrapassará. Essa história de competição de soma zero justifica todo e qualquer abuso. Ela foi usada pelas nações europeias para racionalizar a construção de seus impérios e guerras eletivas. Logo foi acompanhada por um mito egoísta: o de que a corrida pelo domínio será vencida pela “raça dominante”. Como disse Charles Darwin: “As raças civilizadas do homem quase certamente exterminarão e substituirão as raças selvagens em todo o mundo”. Por meios mais sutis, com justificativas mais sutis, as nações ricas ainda jogam o mesmo jogo: sua riqueza depende, em grande parte, da extração de outros países.

Mas enquanto a corrida unilateral entre as nações continua, corremos coletivamente em direção ao precipício do colapso ambiental. Se alguma vez houve a necessidade de cooperação e colaboração, é agora. Mas a competição reina, uma competição que todos nós estamos destinados a perder.

Em resumo, devemos parar de celebrar o comportamento coercitivo e controlador. Em todas as etapas da educação e da progressão na carreira, bem como na política, na economia e nas relações internacionais, devemos procurar substituir um ethos competitivo por um ethos cooperativo.

Esse é o aspecto surpreendente dos seres humanos, ao contrário dos peixes ciclídeos: não precisa ser assim. Podemos controlar nosso próprio comportamento, além de imaginar e criar formas melhores de organização. Por meio da democracia deliberativa e participativa, tanto na política quanto no local de trabalho, podemos criar sistemas que funcionem para todos. Não há nenhuma lei natural que determine que os agressores de playgrounds devam continuar cobrando tributos pelo resto de suas vidas.


Matérias Publicadas por Data

Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

lia zanotta4
CLIQUE E LEIA:

Lia Zanotta

A maternidade desejada é a única possibilidade de aquietar corações e mentes. A maternidade desejada depende de circunstâncias e momentos e se dá entre possibilidades e impossibilidades. Como num mundo onde se afirmam a igualdade de direitos de gênero e raça quer-se impor a maternidade obrigatória às mulheres?

ivone gebara religiosas pelos direitos

Nesses tempos de mares conturbados não há calmaria, não há possibilidade de se esconder dos conflitos, de não cair nos abismos das acusações e divisões sobretudo frente a certos problemas que a vida insiste em nos apresentar. O diálogo, a compreensão mútua, a solidariedade real, o amor ao próximo correm o risco de se tornarem palavras vazias sobretudo na boca dos que se julgam seus representantes.

Violência contra as mulheres em dados

Cfemea Perfil Parlamentar

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

legalizar aborto

...