Pesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro

 

Por Cfemea, na coluna Baderna Feminista

Há muitas chances que Bolsonaro realmente vá mal entre as mulheres nas eleições de 2022. Segundo a última pesquisa do Poder Data, feita entre 17 e 19 de julho, Lula se sai melhor entre mulheres (46%), jovens de 16 a 24 anos (52%) e os que ganham até 2 salários mínimos (50%). Bolsonaro, porém, mantém firme sua base de apoio: homens (43%), eleitores de 45 a 59 anos (43%) e os com renda de 2 a 5 salários (48%).

Em maio deste ano, o Cfemea fez uma pesquisa qualitativa, realizamos com mulheres das classes BCD de todo o país. Em parceria com o Instituto Locomotiva, ouvimos três grupos focais, com mulheres de 18 anos ou mais [1]. Algumas disseram estar arrependidas do voto que deram a Bolsonaro em 2018 e, entre os motivos desse arrependimento, listaram o desrespeito dele com as mulheres e a falta de cuidado em relação à pandemia.

Priscila Brito, do Centro Feminista de Estudos e Assessoria – CFEMEA, aponta:

Nos grupos ouvidos, muitas que votaram em Bolsonaro em 2018 declararam estarem arrependidas. Afirmaram que votaram com a expectativa “do novo” e a ideia de que o país precisava de mudanças. Mas em 2022, o cenário é de dúvidas. Algumas se mostraram esperançosas com a possibilidade de o atual presidente deixar o poder, outras disseram se sentir frustradas pela falta de alternativa entre ele e Lula. Lula, aliás, foi lembrado como um presidente que fez muito pelo povo, apesar dos escândalos de corrupção. 

o que afasta bolsonaro das mulheres

Para elas, a performance de Bolsonaro é a de um machão. Ele expressa uma masculinidade agressiva, pugilística, que menospreza cuidados com a saúde e se serve de todo tipo de piadas machistas. Não é o único que age assim, ainda mais na política brasileira, onde a sub-representação das mulheres é gravíssima. No entanto, o presidente é o primeiro a deixar isso nítido como seu projeto de país totalmente fincado nessa perspectiva antigênero de submissão das mulheres ao patriarcado.

É uma contraposição clara à presidenta eleita antes dele, Dilma Rousseff e que sofreu impeachment. A primeira mulher a assumir a presidência também foi responsável por ampliar a representação das mulheres em cargos de comando e deu sequência a uma série de políticas implementadas desde os governos Lula, como a política nacional de enfrentamento à violência contra as mulheres, com impacto na vida das brasileiras.

Na pesquisa realizada pelo Cfemea, é possível ver frutos da discussão sobre a necessidade de termos mais mulheres na política, incentivada inclusive pela performance de Bolsonaro. E, por meio das candidaturas ao Legislativo, talvez seja a hora de avançar: queremos ver mulheres comprometidas com a democracia, atentas às questões mais urgentes da vida cotidiana e realmente dispostas a mudar a vida das mulheres. Queremos ver mulheres mais diversas no poder, capazes de expressar as diferentes preocupações, amplificar as vozes, enfrentar as desigualdades de gênero, raça, etnia e classe que nos separam, construir alternativas, resistências e democratizar o poder com a participação popular.

As mulheres brasileiras sabem que o fascismo não lhes interessa, muito menos um governo que não se compromete com a vida da população. Diferente dos homens, que priorizam um debate político mais abstrato, com relevância para temas como a corrupção, as mulheres querem políticas mais concretas. Segundo pesquisa realizada pelo Datafolha em março deste ano, as mulheres consideram que os principais problemas do Brasil hoje são questões como saúde e fome, enquanto para os homens é a corrupção e o aumento dos preços dos combustíveis.

Queremos respostas para a crise econômica que vão além de responsabilizar a pandemia pelos problemas colocados. Queremos que todas as mulheres tenham uma vida digna. Queremos um presidente melhor e mais mulheres – negras, indígenas, LGBTI+, trabalhadoras, periféricas, com deficiência – na política, queremos soberania popular.

[1] A pesquisa é parte de uma iniciativa eleitoral, que conta com o apoio de diversas organizações da sociedade civil e movimentos nacionais. Publicamos um primeiro artigo na Revista Gênero e Número com os principais achados da pesquisa. https://www.generonumero.media/voto-mulheres-eleicoes2022/

 
 

Violência contra as mulheres em dados

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

Importante Conhecer

Amazônia, querem te acabar

Artigos do Cfemea

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

Por que o aborto ainda não é um direito no Brasil?

aborto outras palavrasNo Dia de Luta pela Legalização do Aborto na América Latina, frente nacional feminista questiona o atraso. Uruguai, Argentina e México conquistaram avanços, mas país de Bolsonaro insiste em negar direito mulheres ao próprio corpo

nosso voto2

...