“A vida decide e impõe às mulheres certos caminhos. Podemos ou não nos rebelar, mas no fim acabamos cumprindo as obrigações que o destino nos reservou.” Como se nota, a linguagem que usei na frase anterior é absolutamente autoritária, messiânica, religiosa e machista.

Por Eva Alterman Blay, professora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP

  Publicado no Jornal da USP - 23/09/2022
 

“A vida decide e impõe às mulheres certos caminhos. Podemos ou não nos rebelar, mas no fim acabamos cumprindo as obrigações que o destino nos reservou.” Como se nota, a linguagem que usei na frase anterior é absolutamente autoritária, messiânica, religiosa e machista. Mas, queiramos ou não, a maioria de nós mulheres acabamos cumprindo o que Helena Hirata descreve como “o cuidado”: cuidamos da casa, dos filhos, do marido, do amante, dos namorados, dos velhos, dos doentes, dos e das amigas, e raramente de nós mesmas.

Mas, infelizmente, apesar de cuidar dos companheiros, é frequente que em troca recebam agressões, violências físicas e psicológicas, e como temos visto chega-se ao feminicídio. Há décadas que os movimentos feministas têm alertado que a violência se dá num processo, procuraram desmistificar as falsas juras de amor e arrependimento do companheiro violento, indicando sobretudo às jovens que não aceitem nenhum tipo de violência. Iludidas por desculpas interpretam formas de dominação como amor. Não demora muito para que enredadas com filhos, sem recursos financeiros, se afastam das famílias de origem e mesmo de amigas, sentem-se envergonhadas como se elas é que fossem culpadas pelas violências. Quando uma mulher entra num quadro de desesperança e reclusão, ela perde vínculos sociais e com frequência se esfacela sua autoestima. Quase nada lhe resta. Será mesmo?

Inconformadas com esse desalento grupos de mulheres das mais variadas profissões desenvolveram alternativas para romper o isolamento e criar alternativas emocionais, psicológicas e sobretudo econômicas. Foi surpreendente o cenário que presenciei durante o 16º Encontro do FBSP (Fórum Brasileiro de Segurança Pública). Durante dois dias foram apresentadas múltiplas ações geradas por pessoas de organismos oficiais ou da sociedade civil: mulheres da Polícia Civil de Minas, da Guarda municipal de Campinas (Estado de São Paulo), do Ministério Público do Acre e de São Paulo, agentes da Polícia Militar da Paraíba, da Polícia Civil de São Paulo. Essas agentes, além de atender os conflitos, evitando feminicídios, criaram soluções usando recursos locais, parcos na maioria das vezes. Desse modo conseguiram impulsionar mulheres, famílias, jovens e até crianças criando alternativas para melhorar as condições de vida da população local. Essas profissionais se somaram às ações do Me Too, do Instituto Liberta, aos dados fundamentais do Instituto Patrícia Galvão.

Um novo capítulo se inaugurou com a articulação entre organizações da sociedade civil e empresas “amigas das mulheres” como Avon, Uber, e o próprio FBSP. Em alguns casos realizaram ações micro do ponto de vista econômico, mas de imenso significado para mulheres e famílias que não tinham nenhuma alternativa. Cito uma das alternativas da Rede Mulheres Empreendedoras, apoiadas com recursos financeiros de algumas empresas, a Rede pode, por exemplo, dar a fundo perdido, uma pequena importância a uma mulher permitindo-lhe comprar uma máquina de costura. É aí que a porta se abre, e a mulher encontra uma saída. Com a máquina vai poder ganhar algum recurso, sai do isolamento, encontra apoio, rompe-se o isolamento. São múltiplas pequenas ações que no conjunto se expandem. Indiscutível que é pouco, mas considerando que foi destruído o Ministério da Mulher, cortados os recursos para as delegacias de defesa da mulher, para a Casa da Mulher, ausência de casas abrigo e até reduzidíssimo as verbas para o telefone 180 (que socorre as mulheres e crianças) certamente as pequenas ações são valiosas. Nessa terra arrasada essas pequenas ações mostram que há uma saída. Vivemos um momento de reconstrução das políticas públicas e elas podem começar articulando essas iniciativas.

P.S.: Tem Saída é o nome dado a uma importante iniciativa da Prefeitura de São Paulo somada a outras entidades.
P.S.2.: Mais uma vez agradeço à generosa leitura de Albertina Costa.

 

fonte: https://jornal.usp.br/articulistas/eva-alterman-blay/tem-saida/


Violência contra as mulheres em dados

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

Importante Conhecer

Amazônia, querem te acabar

Artigos do Cfemea

Eleições: O “feminismo” de fundamentalistas e oligarcas

Candidaturas femininas crescem no país, até em partidos conservadores. Se o atributo de gênero perde marcas pejorativas, desponta a tentativa de passar ao eleitorado uma receita morna de “defesa das mulheres” – bem ao gosto do patriarcado

A pandemia, o cuidado, o que foi e o que será

Os afetos e o cuidar de si e dos outros não são lugar de submissão das mulheres, mas chave para novas lutas e processos emancipatórios. Diante do horror bolsonarista, sangue frio e coração quente são essenciais para enfrentar incertezas, ...

Como foi viver uma Campanha Eleitoral

ataques internet ilustracao stephanie polloNessa fase de campanha eleitoral, vale a pena ler de novo o artigo que Iáris Cortês escreveu uns anos atrás sobre nossa participação em um processo eleitoral

Dezesseis anos da Lei 11.340, de 07/08/2006, Lei Maria da Penha adolescente relembrando sua gestação, parto e criação

violencia contra mulherNossa Lei Maria da Penha, está no auge de sua adolescência e, se hoje é capaz de decidir muitas coisas sobre si mesma, não deve nunca esquecer o esforço de suas antepassadas para que chegasse a este marco.

Como o voto feminino pode derrubar Bolsonaro

eleicoes feminismo ilustracao Thiago Fagundes Agencia CamaraPesquisas mostram: maioria das mulheres rechaça a masculinidade agressiva do presidente. Já não o veem como antissistema. Querem respostas concretas para a crise. Saúde e avanço da fome são suas principais preocupações. Serão decisivas em outubro. (Ilustração ...

Direito ao aborto: “A mulher não é um hospedeiro”

feministas foto jornal da uspNa contramão da América do Sul, onde as mulheres avançam no direito ao próprio corpo, sociedade brasileira parece paralisada. Enquanto isso, proliferam projetos retrógrados no Congresso e ações criminosas do governo federal

As mulheres negras diante das violências do patriarcado

mulheres negras1Elas concentram as tarefas de cuidados e são as principais vítimas de agressões e feminicídios. Seus filhos morrem de violência policial. Mas, através do feminismo, apostam: organizando podemos desorganizar a ordem vigente

Balanço da ação feminista em tempos de pandemia

feminismo2Ativistas relatam: pandemia exigiu reorganização política. Mas, apesar do isolamento, redes solidárias foram construídas – e o autocuidado tornou-se essencial. Agora, novo embate: defender o direito das mulheres nas eleições de 2022

Sobre meninas, violência e o direito ao aborto

CriancaNaoEMae DivulgacaoProjetemosO mesmo Estado que punir e prendeu com rapidez a adolescente de João Pessoa fechou os olhos para as violências que ela sofreu ao longo dos anos; e, ao não permitir que realizasse um aborto, obrigou-a a ser mãe aos 10 anos

Por que o aborto ainda não é um direito no Brasil?

aborto outras palavrasNo Dia de Luta pela Legalização do Aborto na América Latina, frente nacional feminista questiona o atraso. Uruguai, Argentina e México conquistaram avanços, mas país de Bolsonaro insiste em negar direito mulheres ao próprio corpo

nosso voto2

...