Um estudo do Observatório Covid-19, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), aponta que houve um aumento de mortes maternas em 2020. Segundo o artigo, as gestantes e puérperas foram mais penalizadas pela pandemia do que a população em geral

Jéssica Andrade
postado em 19/01/2023 14:00 - Correio Braziliense
 
 
Estudo da Fiocruz aponta um excesso de 40% nos óbitos maternos emn 2020 -  (crédito: Carol - Entre pela Janela)
Estudo da Fiocruz aponta um excesso de 40% nos óbitos maternos emn 2020 - (crédito: Carol - Entre pela Janela)
 
 

Um estudo do Observatório Covid-19, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), aponta que houve um aumento de mortes maternas em 2020, ano em que a pandemia causada pelo coronavírus chegou ao Brasil. De acordo com a pesquisa, o aumento foi de 40%, quando comparado aos anos anteriores.

A pesquisa, publicada nesta quinta-feira (19/1) na revista cientifica BMC Pregnancy and Childbirth, aponta ainda que, mesmo considerando a expectativa de aumento das mortes em geral em decorrência da pandemia, ainda assim houve um aumento de 14% nos óbitos. O estudo atribui o excesso de mortes maternas, direta e indiretamente, à covid-19.

Segundo o artigo, as gestantes e puérperas foram mais penalizadas pela pandemia do que a população em geral. As chances de óbito foram maiores quando a mulher era negra, residia na zona rural e foi internada fora do município de residência, representando um aumento de 44%, 61% e 28%, respectivamente. Em 2020, o país registrou 549 mortes maternas por covid-19, principalmente em gestantes no segundo e terceiro trimestres.

A pesquisa revelou ainda que a hospitalização de gestantes com diagnóstico de covid-19 foram 337% maiores do que o restante da população. Para as internações em UTI, as chances foram 73% maiores e o uso de suporte ventilatório invasivo 64% maior que os pacientes em geral.

O estudo utilizou dados do Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe) para óbitos por covid-19 nos anos de 2020 e 2021, e comparou com dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade no ano de 2020 (quando já havia pandemia) e nos 5 anos anteriores, para estimar o número esperado de mortes maternas no país.

De acordo com o pesquisador Raphael Guimarães, esse cenário compromete o desafio de alcançar os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU), até 2030 em um panorama global. “A rede de serviços parece ter sido mais protetiva às gestantes e puérperas, garantindo internações mais imediatas e direcionamento para a terapia intensiva e invasiva. Contudo, o atraso do início da vacinação entre as grávidas e puérperas pode ter sido decisivo na maior penalização destas mulheres”, disse.

 

fonte: https://www.correiobraziliense.com.br/ciencia-e-saude/2023/01/5067308-mortes-maternas-aumentam-40-no-primeiro-ano-de-pandemia-aponta-fiocruz.html


Artigos do CFEMEA

Coloque seu email em nossa lista

Matérias Publicadas por Data

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Recomendamos a leitura

A universidade operacional

  • 15-05-2024 16:03:30

MST – 40 anos

  • 11-05-2024 15:40:33

Feminismo e software livre

  • 06-05-2024 18:43:14

Portugal entre 1974 e 1975

  • 30-04-2024 15:06:18

Violência contra as mulheres em dados

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Logomarca NPNM

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...