Público lotou o auditório do Memorial Darcy Ribeiro para saudar Sônia Guajajara e Célia Xakriabá, empossadas nesta quarta (1º) no Congresso Nacional

 

 

"Nós somos o povo que resiste pela força do cantar. Antes do Brasil da coroa, existe o Brasil do cocar", recitou Célia Xakriabá, ao lado de Sônia Guajajara. Foto: Raquel Aviani/Secom UnB

 

A Universidade de Brasília despertou nesta quarta-feira (1º), ao som de maracás. Antecedendo a cerimônia de posse das deputadas Sônia Guajajara e Célia Xakriabá, marcada para ocorrer no mesmo dia, no Congresso Nacional, um café da manhã no Memorial Darcy Ribeiro reuniu as duas líderes indígenas e um grande público composto por estudantes, ativistas, jornalistas e representantes de povos indígenas de todo Brasil.

Célia Xakriabá, mestra em Sustentabilidade junto a Povos e Territórios Tradicionais pela UnB e eleita deputada federal pelo estado de Minas Gerais, é uma das lideranças que compõem a chamada Bancada do Cocar.

Ao lado de indígenas, as deputadas eleitas falaram para grande público. Foto: Raquel Aviani/Secom UnB

 

Em 2022, cinco indígenas foram eleitos deputados federais. Quatro são mulheres. Trata-se de um marco histórico. Até então, somente dois indígenas haviam conquistado cadeiras na Câmara, com uma distância de 36 anos entre os dois mandatos: Mário Juruna (1982) e Joênia Wapichana (2018), a primeira parlamentar indígena no Brasil e hoje presidenta da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai).

“Chegamos para ocupar o Congresso com a Bancada do Cocar. É um dia histórico e de uma construção coletiva, que vem da força das mulheres indígenas, mulheres da terra”, destacou Célia Xakriabá, em seu pronunciamento.

Professora e ativista do movimento indígena, Célia foi palestrante do #InspiraUnB em 2018. A força de sua oratória, intercalada por loas – poemas em quadras –, já chamava a atenção naquela época.

Ouça um trecho do pronunciamento de Célia Xakriabá:

 

A professora Altaci Rubim, primeira indígena a fazer parte do corpo docente da UnB, esteve presente no evento no Memorial Darcy Ribeiro. “É de suma importância a presença de Célia Xakriabá na Câmara para dar continuidade aos projetos de lei e às pautas indígenas na casa”, afirmou a professora do Instituto de Letras (IL), referindo-se a temas como a demarcação de terras, saúde e educação escolar indígenas.

A ampliação da presença indígena na política institucional inclui cargos no poder executivo. Sônia Guajajara, também eleita deputada federal por São Paulo, foi empossada ministra dos Povos Indígenas do Brasil, em 11 de janeiro.

Como Célia Xakriabá, a deputada e ministra Sônia Guajajara defende “mulherizar a política”, como ação estratégica para aumentar a presença de mulheres em espaços de poder e combater a violência contra elas, os povos indígenas e a natureza.

fonte: https://noticias.unb.br/112-extensao-e-comunidade/6293-unb-recebe-deputadas-indigenas-em-evento-de-celebracao-a-politica-do-cocar


Coloque seu email em nossa lista

Cfemea Perfil Parlamentar

Informe sobre o monitoramento do Congresso Nacional maio-junho 2023

Cfemea Perfil Parlamentar

Violência contra as mulheres em dados

Logomarca NPNM

Direitos Sexuais e Reprodutivos

logo ulf4

Estudo: Elas que Lutam

CLIQUE PARA BAIXAR

ELAS QUE LUTAM - As mulheres e a sustentação da vida na pandemia é um estudo inicial
sobre as ações de solidariedade e cuidado lideradas pelas mulheres durante esta longa pandemia.

legalizar aborto

Veja o que foi publicado no Portal do Cfemea por data

nosso voto2

...